As surpresas e deceções do CAN 2019 no Egito | NOTÍCIAS | DW | 12.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

As surpresas e deceções do CAN 2019 no Egito

Caiu ontem (11.07.) o pano sobre quartos de final da 32ª edição do CAN 2019 no Egito. Seleções nacionais do Senegal, Nigéria, Argélia e Tunísia são as quatro semi-finalistas, nos jogos de domingo (14.07.).

Cairo International Stadium (picture-alliance/empics/BackpagePix)

Estádio Internacional e Cairo

A Tunísia foi a última formação a garantir, na noite desta quinta-feira (11.07.) a sua presença nas meias-finais ao suplantar a equipa revelação desta prova o Madagáscar, por 3-0.

Os malgaxes foram a grande surpresa nesta competição. Os estreantes na mais alta competição do futebol africano, conseguiram chegar aos quartos de final, apesar de terem sido considerados os offsiders.

Com a queda do Madagáscar, morre também o sonho da região austral de África de estar no topo 4 da prova.

Ainda esta quinta-feira, a Argélia eliminou a Costa de Marfim por 4-3 na marcação de grandes penalidades, depois de um empate a uma bola, no tempo regulamentar.

Confrontos na França depois da vitória argelina

A vitória dos argelinos, foi efusivamente festejada nas cidades francesas de Paris, Marselha, Lyon e Montpellier, onde segundo escreve  a Lusa, milhares de pessoas saíram à rua e entraram em confrontos com as autoridades policiais do país que utilizaram gás lacrimogéneo para controlar os ânimos dos adeptos.

No entanto, há registo de uma mulher que morreu depois de ser atropelada por um jovem argelino que saiu à rua para festejar a passagem para as meias-finais da seleção do seu pais.

A Lusa reporta ainda que cerca de 30 pessoas foram detidas e houve registo de saque de lojas durante as comemorações da passagem da seleção argelina às meias-finais da Taça Africana de Nações, na madrugada desta sexta-feira.

O governo francês já reagiu aos incidentes, através do seu ministro do Interior, Christophe Castaner. Via uma mensagem no Twitter, Castaner considerou os incidentes de "inaceitáveis".

"Meias-finais de galáticosˮ

Os estádios Internacional de Cairo e 30 de Junho, são palcos este domingo (14) das meias finais da Taça Africana de Nações em futebol.

No primeiro jogo , Senegal defronta a Tunísia, às 18horas (utc) no Estádio 30 de Junho.

Estes dois conjuntos cruzam-se pela sexta vez numa partida do CAN, depois de terem medido forças na fase de grupos e nos quartos de final, com um registo de três empates e uma vitória para cada lado

Este domingo, as duas equipas  enfrentam-se pela  primeira vez numa meia-final do CAN.

Em termos estatísticos, os tunisinos levam alguma vantagem. Já venceram uma final do CAN em 2004, prova que foram anfitriões.  Os senegaleses não chegam a final desde 2002, ano em que ficaram em 2º lugar, por sinal a melhor posição que já tiveram na sua história de futebol.

No entanto, em entrevista à DW África, o comentador desportivo moçambicano, Manuel Moreira, considera o Senegal a seleção favorita com grandes hipóteses de passar à fase final.

No segundo embate entram em cena  as  seleções da Nigéria e Argélia, no Estádio Internacional de Cairo, às 21 horas (utc). Aquela que já é considerada como a sensacional partida da noite.

As estatísticas indicam que os dois conjuntos já se defrontaram duas vezes numa final do CAN, uma nas meias-finais e outra na atribuição do terceiro lugar. Ao todo as duas formações já se cruzaram 8 vezes, no CAN.

Afrika-Cup 2019 | Nigeria - Kamerun (Getty Images/AFP/G. Cacace)

As super-águias - Nigéria

As super-águias como é conhecida a seleção nigeriana  levam algum favoritismo. Três vezes campeã africana em 1980, 1994 e 2013, a Nigéria procura o quarto troféu e tem pela frente uma Argélia, que luta pelo segundo título africano, tendo já conquistado um em 1990.

Porém, analistas desportivos atribuem favoritismo ao conjunto argelino. Mas está em perspetiva um grande jogo, segundo Manuel Moreia, ʺ termos uma seleção muito forte técnica e taticamente  que é Argélia e outra muito forte em termos físicos, que é a Nigeriaˮ.

Fernando Dias também moçambicano e  jornalista Desportivo, em entrevista a DW África, por seu turno olha a Argélia como a  favorita para a passagem à outra fase e argumenta ʺas equipas do Magreb são muito mais tecnicistas e tem muitos jogadores experientesˮ.

Curioso ou não três destas seleções que vão disputar as meias-finais do CAN deste ano,  representaram o continente africano no mundial da Rússia - 2018, nomeadamente, Tunísia, Nigéria e Senegal.

A introdução do Vídeo Árbitro é uma das grandes inovações desta edição do CAN. Para já, os jogos das meias-finais, terão esta tecnologia. E para Manuel Moreia, isso é um passo gigantesco na eliminação de quaisquer dúvidas que possam surgir numa jogada.

Luta pelo trono de melhor marcador

A luta pelo título de melhor marcador do CAN 2019 está ao rubro. Para já, estão três candidatos. São eles,  senegalês Sadio Mané, atacante do Liverpool, o nigeriano, Odion Ighalo – avançado do Shanghai Shenhua – da primeira liga chinesa e o argelino, Adam Ounas – médio ofensivo  do Napoli, com 3 golos cada.

Assistir ao vídeo 01:50

CAN, suor e lágrimas

Tombo dos grandes

Os grandes reveses nesta prova são os Camarões e o Egito os finalistas da prova há dois anos. Os atuais detentores do troféu do CAN, os Camarões, caíram por terra face à Nigéria nos oitavos de final.

Os Egípcios que eram tidos como favoritos, por serem os anfitriões, viram o sonho de estar no Estádio Internacional do Cairo, no dia 17 (sexta-feira) gorado ao serem eliminados também nos oitavos de final pela seleção sul-africana.

Comparado com o último CAN de 2017, no quarteto que vai às meias-finais desta edição apenas as formações do Senegal e da Tunísia é que chegaram aos quartos de final na edição anterior.

Do outro lado da barricada estão as proezas, onde os destaques vão para os conjuntos nacionais da África do Sul e do Madagáscar, que surpreenderam pela positiva, ao se fixarem no topo das 16 melhores seleções africanas.

Manuel Moreia e Fernando Dias, são unânimes em afirmar que o sucesso do Madagáscar neste CAN é fruto de um trabalho de base ao longo dos últimos anos.

ʺTem jogadores de belíssima qualidade que jogam nas melhores ligas europeias e tem conjuntoˮ, sublinha Moreira.

Por seu lado, o jornalista desportivo, Fernando Dias diz que ʺo brilho do Madagáscar representa o esforço que esta região de África está a desenvolver no futebol, principalmente as ilhasˮ, tendo acrescentado que ʺeste Madagáscar mostrou que no futebol não há equipas pequenas quando se trabalhaˮ.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados