Argelinos comemoram nas ruas demissão do Presidente | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 03.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Argelinos comemoram nas ruas demissão do Presidente

Centenas de argelinos celebraram nas ruas de Argel a renúncia do Presidente Abdelaziz Bouteflika, que estava há 20 anos no poder. Demissão do chefe de Estado acontece após semanas de pressão popular e do Exército.

Na Argélia, depois de seis semanas intensas de protestos, centenas de pessoas reuniram-se na noite de terça-feira (02.04) no centro da capital Argel para comemorar a renúncia do Presidente Abdelaziz Bouteflika.

Nas ruas, ouviram-se cantos e buzinas e agitaram-se dezenas de bandeiras nacionais. O sentimento é de esperança de uma nova era para o país.

"Vim para comemorar a renúncia de Bouteflika, conseguimos remover o maior pino, mas precisamos de remover todo o regime anterior e isso é difícil. É difícil fazê-lo pacificamente, mas estou confiante de que o povo argelino conseguirá fazê-lo em paz, se Deus quiser", disse Selmaoui Seddik, um dos cidadãos nas ruas.

"Estamos felizes com a demissão de Bouteflika. Eu estou do lado do exército", afirmou uma cidadã.

Ouvir o áudio 03:38

Argelinos comemoram nas ruas demissão do Presidente

O argelino Selim Sarar considerou que é preciso "continuar o movimento popular para que todas as reinvindicações do povo argelino sejam atendidas". Segundo este cidadão, "queremos um período de transição, com o povo no Governo, e não com o sistema atual, porque senão será como se este movimento nunca tivesse acontecido".

Abdelaziz Bouteflika renunciou, oficialmente, esta terça-feira ao cargo de Presidente, que ocupa há mais de vinte anos. O anúncio foi feito pela televisão, que citou fonte da Presidência.

Onda de manifestações

Esta é uma decisão que surge depois de uma onda de protestos nunca antes vista no país e à qual Bouteflika tentou responder com algumas promessas de mudanças.

Primeiro, a 11 de março, o gabinete da Presidência anunciou que Bouteflika iria retirar a sua candidatura a um quinto mandato. Anúncio este que não enfraqueceu os protestos nas ruas.

Algerien Präsident Abdelaziz Bouteflika

Abdelaziz Bouteflika estava há 20 anos no poder

No último domingo (31.03), e em mais uma tentativa de acalmar as manifestações, o Presidente anunciou a nomeação de um novo Governo, que tinha como objetivo abrir a porta à renovação política no país.

No entanto, os argelinos não se mostraram agradados devido à óbvia proximidade entre alguns dos membros deste novo Executivo e a velha guarda de Bouteflika. Razões que pressionaram mais um anúncio, desta vez na segunda-feira, no qual Bouteflika garantia que abandonaria o cargo de Presidente antes de 28 de abril, data em que termina o seu mandato. Algo que acabou por se tornar oficial cerca de 24 horas depois.

Pressão do Exército 

O anúncio da demissão de Bouteflika foi feito poucas horas depois do Ministério da Defesa do país ter exigido a sua retirada do poder. O chefe do Estado-Maior do Exército, o general Ahmed Gaid Salah, que foi em tempos um dos apoios do Presidente, afirmou que Bouteflika deveria ser declarado como inapto para o cargo. E grantiu que "a nossa decisão é clara e não há como voltar atrás. Estamos do lado das pessoas”.

O Conselho Constitucional deverá reunir-se, esta quarta-feira, para confirmar a renúncia de Bouteflika. De acordo com a Constituição da Argélia, em caso de renúncia do Presidente da República, o presidente do Conselho da Nação, neste caso Abdelkader Bensalah, deve ser conduzido ao cargo de presidente interino por um máximo de 90 dias, até que novas eleições possam ser organizadas.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados