Aposta de Moçambique no gás natural ″é um erro″ | Moçambique | DW | 12.11.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Aposta de Moçambique no gás natural "é um erro"

Diretora da ONG Justiça Ambiental diz que Moçambique "está a cometer o mesmo erro" dos países do norte e pede o fim da exploração do gás natural. Ambientalista entende que energias verdes são o futuro.

Em Glasgow, na Escócia, a COP26 deveria terminar esta sexta-feira (12.11). Mas o presidente da cimeira do clima da ONU, Alok Sharma, anunciou que os trabalhos vão continuar durante a noite. 

Continua a não haver um acordo entre os países participantes quanto às conclusões do encontro. Temas como o abandono dos combustíveis fósseis, o chamado "mercado de emissões" e o financiamento de medidas para a proteção do clima dividem os delegados.

Durante a cimeira, que começou a 31 de outubro, o primeiro-ministro moçambicano, Carlos Agostinho do Rosário, discursou acerca das pretensões do país de transitar para fontes de energia limpas. Mas, em entrevista à DW África, Anabela Lemos, diretora da organização não-governamental Justiça Ambiental, denuncia a vontade do Governo de continuar a explorar o gás natural.

DW África: O primeiro-ministro Carlos Agostinho do Rosário disse na COP26 que Moçambique pretende transitar das energias fósseis para energias limpas. Ainda assim, continua em cima da mesa o projeto do gás natural. Há uma discrepância entre o discurso do primeiro-ministro e as metas climáticas?

Anabela Lemos (AL): Há uma narrativa que diz que o gás é o combustível de transição, mas não é. O último relatório do IPCC (do inglês, Intergovernmental Panel on Climate Change) é claro: têm que se parar as emissões de metano que o gás emite e não só o dióxido de carbono. Por isso, dizer que o gás é uma energia de transição é um erro gravíssimo. O próprio discurso do primeiro-ministro foi uma contradição, pois disse que ia usar o gás e que Moçambique tinha o direito de explorar o gás. Isto não é uma questão de direito.

Schottland Glasgow | COP26 | Aktivisten verkleidet als Politiker

Protestos na cidade de Glasgow, na Escócia, contra os combustíveis fósseis

DW África: No início do mês, a organização "Friends of the Earth" opôs-se a um financiamento à exploração de gás natural em Moçambique. É, portanto, isto que também pedem?

AL: Sim, nós somos parceiros da "Friends of the Earth" e trabalhamos em conjunto, porque isto não é uma luta local, é uma luta a nível global. Todos os movimentos e a sociedade geral, que vê como as pessoas estão a viver em Moçambique, sabe que a única solução é parar, e nós estamos com eles. Estamos nesta luta para parar o gás, o carvão e o petróleo. Se não tomamos a decisão de parar, nunca vamos parar. Nós teríamos todas as oportunidades para ter essa transição energética e justa para sistemas renováveis de solar e de vento, porque aqui em Moçambique não nos falta isso. Para que é que estamos a fazer o mesmo erro que o norte fez? Ainda por cima nós já estamos a ter impactos...

DW África: Diria que este dinheiro seria mais bem investido em energias verdes?

AL: Sim, sem dúvida. E justas. Nós temos também de pensar na questão da justiça energética, porque os pobres continuam sem energia. Em Moçambique estamos com défice enorme de energia para o povo. Então, devemos pensar em sistemas descentralizados, localizados, porque a energia ajuda o desenvolvimento em todos os aspetos. Mas não precisamos de óleo e gás para dar energia ao povo.

Assistir ao vídeo 02:10

Cabo Verde aposta nos carros elétricos e energias renováveis

DW África: Qual diria ser o balanço das reuniões da COP26 para Moçambique?

AL: Não vejo nenhum avanço nas reuniões porque a posição da Justiça Ambiental é clara. Nós não estamos numa situação a nível mundial para explorar gás ou carvão, e é o que nós estamos a fazer, o que é errado. E também não podemos pensar na neutralidade carbónica. O que nós temos de parar é as emissões. Porque isto quer dizer que as companhias de combustíveis fósseis podem continuar a poluir e depois fazer um pagamento para proteger uma floresta para captar essas emissões, que eles estão a provocar. Parece que todo o interesse que existe nesta COP é de continuar e arranjar soluções para fazer negócios e explorar os combustíveis fósseis.

DW África: Moçambique é um exemplo de um país africano que já sofreu com as alterações climáticas, com os ciclones Idai e Kenneth, em 2019. Considera que há uma maior responsabilidade por parte dos países mais ricos na redução de emissões?

AL: A responsabilidade maior é dos países mais ricos, sim. Mas os países mais pobres não podem cair no mesmo erro. E nós estamos a cair. Estamos a olhar como um direito que temos para explorar o gás e o carvão, quando é completamente ridículo falar de um direito que nos pôs na situação em que estamos hoje. Devemos ser mais inteligentes, mais sábios, para olhar para o futuro num sistema diferente, um sistema mais justo. Os países do norte sabem muito bem porque é que estão nesta luta, eles sabem que são os causadores e acham que a solução é parar. Os países do sul não foram os causadores da crise. Então, que se pague essa dívida do norte para o sul, para os países se desenvolverem sem ser preciso explorar gás, carvão e óleo.

DW África: Numa entrevista à OE Digital, a empresa petrolífera Eni disse que este tipo de projetos fazem a estrada para a transformação do país. O que acha destas afirmações?

AL: É completamente ridículo um discurso desses, na realidade atual que nós vivemos. Acho que os discursos que as companhias de combustíveis fósseis fazem servem para iludir aqueles que são ignorantes. E Moçambique não vai ganhar nada. Mesmo com a exploração de gás, os contratos que têm sido feitos e as isenções, acho que num futuro próximo o país não vai ganhar absolutamente nada com o gás. Tudo o que nós ganhámos com o gás foi tirar a terra aos camponeses, tirar o acesso ao mar, pô-los mais pobres, tirar-lhes todos os seus direitos e agora a guerra.

Assistir ao vídeo 04:56

COP26: O que esperar para além dos habituais compromissos?

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados