Após visita, Fonseca e Embaló falam em ″impulso de cooperação renovado″ | Guiné-Bissau | DW | 22.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Após visita, Fonseca e Embaló falam em "impulso de cooperação renovado"

Presidentes destacam "impulso capaz de concretizar amizade e cooperação" entre Guiné-Bissau e Cabo Verde. Líder do PAIGC vê "aproximação" com ceticismo: "Tentativa de legitimar o que só o povo guineense pode legitimar".

O presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca terminou esta quinta-feira (21.01), a visita oficial de quatro dias à Guiné-Bissau. O Presidente cabo-verdiano e o homólogo guineense Umaro Sissoco Embaló enalteceram a importância da concertação diplomática entre as duas autoridades. 

A pertinência e o contexto da realização da visita de Carlos Fonseca dividem a opinião pública guineense. Para o professor das relações internacionais, Banor Fonseca, a visita do chefe de Estado cabo-verdiano é uma mais valia para a Guiné-Bissau.

"Com Cabo Verde só temos a ganhar, estabelecendo uma cooperação franca e clara, que nos possa tornar iguais, pelo menos seguindo essa lógica de boa governação. Cabo Verde é um exemplo de democracia, e a vinda ao país do chefe de Estado cabo-verdiano representa algum sinal de estabilidade da Guiné-Bissau", avalia Fonseca.

Contrariamente a algumas opiniões que realçam a visita de Jorge Carlos Fonseca à Guiné-Bissau, o líder do Partido Africano para Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, em entrevista à RTP África, desconfia da real intenção da deslocação do estadista cabo-verdiano. 

Para o líder do PAIGC, Guiné-Bissau e Cabo Verde estão ligados por laços muito fortes - históricos e de sangue. Pereira ressalta "ter dúvidas” de que a visita de entidades a esse nível devia seja um momento de festa, de reencontro e de enaltecimento do que de fato une as duas nações. 

"Se o Presidente Jorge Carlos Fonseca está convencido de que a sua visita irá, realmente, representar tudo isso, eu não tenho razões para o censurar. Tenho dúvidas. Parece-me que continua a ser aquele perfilar de visitantes para tentar legitimar aquilo que só o povo guineense devia legitimar", opina.

Guinea-Bissau Bissau | Jorge Carlos Fonseca, Kap Verde & Umaro Sissoco Embaló

Presidente Jorge Carlos Fonseca foi recebido pelo Presidente Umaro Sissoco Embaló

"Impulso renovado"

Num comunicado conjunto, divulgado esta quinta-feira (21.01), os presidentes da Guiné-Bissau e de Cabo Verde defendem um "impulso intergovernamental renovado, capaz de concretizar as expetativas de amizade e cooperação entre os dois povos”.

Os dois estadistas recomendam ainda às autoridades competentes dos dois países, segundo o comunicado, envidarem esforços para encontrar solução para a integração social dos imigrantes num e no outro país.

Ambos reconhecem a importância do fenómeno migratório, "com raízes históricas”, o que, salientam Umaro Sissoco Embaló e Jorge Carlos Fonseca, reforça os laços de solidariedade entre guineenses e cabo-verdianos.

Antes do seu regresso, o chefe de Estado de Cabo Verde reuniu com o líder do Parlamento e com o primeiro-ministro Nuno Nabiam e realizou uma visita ao arquipélago dos Bijagós, zona turística da Guiné-Bissau.

Jorge Carlos Fonseca destacou, em declarações aos jornalistas, as áreas para uma eventual cooperação entre os dois países. 

Após um encontro com Nuno Nabiam, Fonseca sublinhou que o primeiro-ministro guineense se mostrou interessado em reatar a comissão mista bilateral para que a cooperação em áreas "muito precisas de transportes marítimos, formação de quadros, economia, administração, governação eletrónica, pescas sejam desenvolvidas e aprofundadas entre os dois países”.

Amilcar Cabral

Guineense Amílcar Cabral liderou a independência da Guiné-Bissau e de Cabo Verde

Heróis comuns

No dia 20 de janeiro, dia dos heróis nacionais, o Presidente de Cabo Verde foi agraciado com a Medalha Amílcar Cabral, a mais alta distinção da Guiné-Bissau, e depositou coroas de flores na campa de Amílcar Cabral – que foi um herói da independência dos dois países. 

Carlos Fonseca esteve na Faculdade de Direito de Bissau e falou aos estudantes, da experiência cabo-verdiana sobre a democracia e o Estado de Direito e lançou em Bissau, o oitavo volume do seu livro "Magistratura de Influência”.

De acordo com o comunicado conjunto, Jorge Carlos Fonseca convidou Umaro Sissoco Embaló a efetuar uma visita a Cabo Verde numa data a ser definida pelos canais diplomáticos de ambos os países.

Guiné-Bissau e Cabo Verde guardam relações de vários anos, tendo realizado uma luta conjunta para a libertação dos dois países, partilhando a figura histórica africana de Amílcar Cabral, que conduziu o processo que levou à independência de ambos os países.

Assistir ao vídeo 02:41

Músicos homenageiam Amílcar Cabral

Leia mais