Ano letivo vai iniciar com défice de professores em Angola | Angola | DW | 03.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Ano letivo vai iniciar com défice de professores em Angola

Informação foi avançada pelo Governo, que também reconhece a precariedade das infraestruturas escolares. Os professores criticam a falta de investimentos e ameaçam com nova paralisação para este ano escolar.

default

Crianças em escola de Cabinda (foto de arquivo/2014)

O ano escolar em Angola, cuja abertura oficial é dia 31 de janeiro, deve começar com um défice de professores e infraestruturas no sistema de ensino do país, segundo declarações do próprio secretário de Estado para o Ensino Geral, Joaquim Cabral.

Em entrevista ao "Jornal de Angola" desta quarta-feira (03.01), Cabral avançou que, atualmente, estão no ativo 177 mil docentes, mas que Angola precisa de mais de 200 mil professores. No país há cerca de dois milhões de crianças que não vão à escola.

De acordo com o presidente do Sincato Nacional dos Professores angolanos (SINPROF), Guilherme Silva, há mais de três anos que não são contratados novos docentes no país. O Governo justifica a questão com a crise financeira.

Entretanto, o presidente do SINPROF aponta que "diminuiu o número de professores porque alguns passaram a reforma, há falecidos e há alguns, segundo o secretário de Estado, demitidos em função de comportamentos que levaram que alguns fossem demitidos do setor".

"Significa que precisamos de por volta de mais de 20 mil [professores], atualmente, para termos uma cifra de cerca de 200 e tal mil professores", pontua Silva.

Ouvir o áudio 03:47
Ao vivo agora
03:47 min

Ano letivo vai iniciar com défice de professores em Angola

Qualidade do ensino

Uma das consequências do défice de docentes em Angola é a sobrelotação das salas de aula, o que prejudica a qualidade do ensino.

"Os professores que estão no setor estão sobrecarregados. Temos salas de aula superlotadas com 70, 80 alunos, e isso não facilita o próprio processo de ensino, no que tem a ver à qualidade", alerta o presidente do SINPROF, ressaltando que, se esta situação continuar, "não sairemos do fosso da má qualidade de ensino que temos no nosso país".

Infraestrutura educacional precária

Além da falta de professores, em entrevista ao Jornal de Angola o secretário de Estado para o Ensino Geral reconheceu que a infraestrutura do sistema educacional angolano é deficiente e que há muitas obras paralisadas que precisam ser recuperadas.

Guilherme Silva, denuncia que "ainda há crianças a estudar debaixo de árvores, outras em salas de aula construídas com chapas de zinco".

"Fundamentalmente no litoral, onde o clima é tão quente, imagine estar numa sala do chão ao teto feita de chapas de zinco, com o calor que faz, com a temperatura a rondar até quase 40 graus", indigna-se.

Schulkinder in Kuito

SINPROF: "Muitas crianças ainda estudam debaixo de árvores" (foto de arquivo/2003)

Segundo Guilherme Silva, nos últimos anos o Governo construiu algumas escolas, mas grande parte dessas escolas não foram acompanhadas por peritos para fazer a orientação da infraestrutura dos prédios.

Ele diz que "há escolas  que às 16 horas estão escuras, porque durante a construção as próprias janelas não foram orientadas em função daquilo que manda a higiene escolar", e denuncia que há "ainda localidades onde construíram escolas e que não existe ninguém".

Greve dos professores pode ser retomada 

No ano passado, o SINPROF suspendeu uma greve depois que o Governo cessante de José Eduardo dos Santos comprometeu-se em encaminhar uma série de demandas da categoria, entre elas a aplicação do novo estatuto da carreira docente. Estas demandas já estão a ser tratadas pelo novo Governo.

Demonstration der SINPROF in Lubango, Angola

Nos últimos anos, os professores tem estado a protestar por melhorias nas condições de trabalho (foto de arquivo/2013)

Entretanto, o sindicato afirma que "não está descartada a possibilidade de retomarmos a greve se o Governo não demonstrar disposição de aprovar o estatuto, regulamentá-lo e implementá-lo, de forma a tirarmos o manto da desmotivação".

De acordo com Guilherme Silva, milhares de professores do ensino primário têm os salários equiparados a aproximadamente 100 euros por mês. "No entanto, ninguém consegue sobreviver".

Investimento na educação ainda é baixo  

Sem sinais de novas contratações de professores e com a infraestrutura escolar precarizada, o presidente do SINPROF mostra-se preocupado com os investimentos do Estado na educação, que, segundo a entidade, continua a ser inferior aos investimentos nos setores de defesa e segurança.

"A nossa exigência é de cerca de 20% do Orçamento do Estado devia ser direcionado para a educação, se quisermos, de facto, desenvolvimento no nosso país. Mas, pelo o que notamos da proposta do Orçamento do Estado, está aquém  das nossas expetativas. Isto é, ainda há um desembolso maior para a defesa e segurança em detrimento do setor da educação", lamenta.

O aumento do número de salas de aulas e o recrutamento de professores foram promessas de campanha do Presidente João Lourenço.

A DW África entrou em contato com o gabinete do secretário de Estado para o Ensino Geral, Joaquim Cabral, para tentar uma entrevista, no entanto não obteve resposta.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados