Ano letivo em Cabo Verde arranca a 1 de outubro  | NOTÍCIAS | DW | 01.08.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ano letivo em Cabo Verde arranca a 1 de outubro 

Ministério da Educação prevê início das aulas em outubro, mas admite alterações em "função da evolução da situação sanitária". Governo vai continuar a apostar no ensino à distância como "complementar" ao presencial.

Ruas da Cidade da Praia vazias em março, no início da pandemia de Covid-19

Ruas da Cidade da Praia vazias em março, no início da pandemia de Covid-19

O próximo ano letivo em Cabo Verde começa a 1 de outubro, anunciou este sábado (01.08) o Ministério da Educação, que no entanto admite alterações em "função da evolução da situação sanitária", nacional e por ilhas. Em nota a que a agência Lusa teve hoje acesso, o Ministério da Educação explica que o calendário geral do ano escolar arranca em 24 de agosto e o ano letivo, com o início das aulas, a 1 de outubro.

"Entre 24 de agosto e 30 de setembro decorrerá o período preparatório do ano letivo 2020/2021, onde serão desenvolvidas atividades de planificação e preparação das atividades letivas e de formação contínua de docentes", lê-se na mesma nota.

Acrescenta que o "princípio adotado é de flexibilização e adequação às circunstâncias", mas adverte que este cenário pode "modificar-se, em função da evolução da situação sanitária do país e de acordo com as condições locais".

Na sexta-feira (31.07), durante o debate anual sobre o estado da Nação, na Assembleia Nacional, o último desta legislatura, a ministra da Educação tinha já anunciado que o ano escolar iria começar em 24 de agosto, decorrendo até 30 de setembro as formações aos docentes sobre Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).

Aposta na educação à distância continua

Assistir ao vídeo 03:18

Cabo Verde: Professor desempregado dá vídeo-aulas gratuitas para apoiar estudantes

"Vamos trabalhar num novo desenho, em que a educação à distância é complementar da educação presencial", afirmou Maritza Rosaball.

Por considerar a educação presencial importante, a ministra disse que as turmas vão ser desdobradas, com um sistema presencial mais alargado, já que as condições físicas e o número de pessoas o permitem. 

"Teremos um sistema de menos horas presenciais, sempre complementado pela educação à distância", garantiu Maritza Rosaball, indicando que o documento com essas diretivas já foi aprovado e começou a ser partilhado no conselho de Educação para discussão.

Devido à pandemia do novo coronavírus, o Ministério da Educação de Cabo Verde implementou durante o terceiro trimestre do último ano letivo um programa educativo denominado "Aprender e estudar em casa", em alternativa ao encerramento das escolas em 20 de março, para impedir a transmissão da doença no arquipélago. O programa consistiu em aulas na televisão, na rádio e noutras plataformas e decorreu até finais de junho.

O Ministério da Educação explicou que desenvolveu o programa para que os estudantes pudessem manter o vínculo com o meio educativo e o contato com os docentes e os conteúdos de ensino-aprendizagem, enquanto estão em casa por causa das restrições impostas para evitar a propagação do novo coronavírus.

Cabo Verde registava no final do dia 31 de julho um acumulado de 2.451 casos de Covid-19, diagnosticados desde 19 de março, com 23 óbitos.

Assistir ao vídeo 04:57

Cabo Verde recomeça aulas escolares através da TV e rádio

Leia mais