Angola prolonga estado de emergência | Angola | DW | 23.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola prolonga estado de emergência

Prorrogação do estado de emergência em Angola, solicitada pelo Presidente João Lourenço para combater a Covid-19, foi aprovada por mais 15 dias. Assembleia Nacional de Angola foi unânime.

Angola vai estar em estado de emergência por mais 15 dias devido à Covid-19. O projeto de resolução de prorrogação solicitado pelo Presidente João Lourenço foi a votos esta quinta-feira (23.04), tendo sido aprovado, por unanimidade, pela Assembleia Nacional de Angola.

Na sua intervenção, o líder do grupo parlamentar do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), Américo Kuononoka, enalteceu as medidas administrativas e de segurança tomadas pelo chefe de Estado angolano para garantir o direito à assistência médica e sanitária para os cidadãos afetados, mesmo que o contágio tenha acontecido no exterior.

"A prorrogação vem da necessidade de se controlar o andamento do processo e procurar reforçar ou aligeirar os factos que deram lugar à declaração do Estado de emergência", disse o deputado, destacando que, até agora, a situação parece controlada, "mas os cuidados devem ser redobrados, evitando-se o risco".

Setor informal preocupa

Por seu turno, a vice-presidente da bancada parlamentar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Albertina Ngolo, disse esperar que, 30 dias depois da vigência do estado de emergência, a comissão multissetorial faça um balanço multifacetado para aferir o impacto da Covid-19 na economia e instituições, sobre os agentes económicos e famílias, para que, em caso de renovação, "se melhore o desempenho e se corrijam os erros cometidos nas primeiras fases".   

Assistir ao vídeo 02:00

Covid-19: Trabalhadoras domésticas de Angola sentem os efeitos da pandemia

Esta é a segunda prorrogação do estado de emergência em Angola, que está em vigor desde 27 de março. A nova fase começará no dia 26 de abril e termina a 10 de maio.

"O peso de 70% do setor informal na economia angolana, durante o estado de emergência, coloca ao Estado um enorme desafio, de ver os limites das restrições atuais, uma vez que as empresas em diferentes setores da economia, as famílias, 'zungueiras' [vendedoras ambulantes], taxistas, moto-taxistas, 'roboteiros' [carregadores de mercadorias] e outros, que vivem de biscates, vão vendo o seu nível de rendimento degradar-se a cada dia que passa", salientou a deputada da UNITA.

Cerca sanitária nacional

O líder do grupo parlamentar da Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), Alexandre Sebastião, afirmou compreender a grande preocupação que tem o Presidente da República, com vista a restringir consideravelmente a propagação deste vírus, manifestando, contudo, preocupação com a "inércia do setor económico".

"A CASA-CE através do seu grupo parlamentar vem apresentar a sua concordância em relação à cerca sanitária nacional", referiu Alexandre Sebastião, "porque se constata que todos os cidadãos infetados procederam do exterior", sublinhando ainda que tem sido "uma dura experiência para a população", que, pela primeira vez, vê limitada a sua mobilidade.

Medidas que podem "custar caro"

Já o deputado do Partido de Renovação Social (PRS), Benedito Daniel, frisou que, se não fossem tomadas medidas de prevenção, o país estaria "a caminhar para um caos", mas concordou que a situação económica da população, consubstanciada essencialmente no comércio informal, preocupa.

Assistir ao vídeo 02:33

Covid-19: "Estado de emergência não corresponde à realidade dos angolanos"

"É real que o mercado revela-se como o potencial reservatório de transmissão do vírus, mas é preciso que compreendamos também a necessidade das pessoas que dependem do mercado e que podem constituir a maioria dos angolanos", disse.

Por sua vez, a representação da Frente Nacional para a Independência de Angola (FNLA) realçou que, graças ao espírito de antecipação do Governo, o balanço de confinamento dos últimos 30 dias é globalmente positivo.

"Se este é o melhor caminho, não temos o direito de aplicar opções suicidárias que podem custar muito caro e pôr em causa a nossa própria existência", referiu Lucas Ngonda, recordando que, todavia, as consequências do Estado de emergência "são também dramáticas pela paralisação da economia e da circulação das pessoas e bens".

Angola regista atualmente 25 casos de contágio por Covid-19, tendo ocorrido duas mortes.

Leia mais