Angola: Prisão do general Zé Maria demonstra “força” do Governo de JLo? | NOTÍCIAS | DW | 18.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Angola: Prisão do general Zé Maria demonstra “força” do Governo de JLo?

Alega-se que Zé Maria pretendia salvaguardar segredos do ex-Presidente da República, José Eduardo dos Santos, e por isso terá extraviado alguns processos secretos.

A detenção do general na reserva, António José Maria (general Zé Maria), um dos homens fortes na governação de José Eduardo dos Santos, está a ser considerada como mais um ato de demonstração de força de João Lourenço, atual Presidente de Angola, aos que ainda o tentam desafiar.

O antigo chefe do Serviço de Inteligência e Segurança Militar (SISM) está em prisão domiciliária desde segunda-feira, (17.06) sob acusação de extravio de documentos com informações secretas.

Alguns analistas ouvidos pela DW afirmam que os processos judiciais contra ex-figuras de peso no aparelho de Estado angolano continuam seletivos.

Uma nota do Supremo Tribunal Militar angolano citado pela Angop, avança que o general reformado está indiciado por crime de extravio de documentos, aparelhos ou objetos que contenham "informações de caráter militar e insubordinação”.

Ilícitos puníveis

Segundo informações da justiça angolana, o ex-chefe do SISM incorre em ilícitos previstos e puníveis nos termos da Lei dos Crimes Militares.

Entretanto, a medida punitiva dos crimes pode resultar em penas de dois a oito anos de prisão maior, de acordo com a referida lei.

Alega-se que Zé Maria pretendia salvaguardar segredos do ex-Presidente da República, José Eduardo dos Santos, e por isso terá extraviado alguns processos secretos.

Ouvir o áudio 02:42

Angola: Prisão do general Zé Maria demonstra “força” do Governo de JLo?

Desde o anúncio da sua detenção já não há informações sobre o caso, e a sua equipa de defesa também não aceita fazer pronunciamento. Em declarações à DW África, o advogado e ativista Arão Bula Tempo, disse que as detenções continuam a ser particularizadas.

Estratégia de manipulação

Para Bula Tempo, a detenção do general não passa de mais uma manobra de manipulação da opinião pública, tendo em conta os problemas sociais que o país atravessa. "O Presidente da República fez muitas promessas, sem esquecer que o país estava a atravessar situações drásticas ao nível económico, provocados pelo próprio partido no poder. Creio que o Presidente para limpar a imagem do MPLA, está a tentar encontrar algumas personalidades para responderem em tribunal, porque se for um trabalho aturado, todos aqueles que desviaram dinheiro do erário público têm que responder”, afirmou o advogado.

Por seu turno, o ativista social, Adão Ramos afirma que a prisão do antigo chefe do Serviço de Inteligência e Segurança Militar "não é para se levar a sério” no que concerne a um verdadeiro combate à impunidade.

 "Essas pessoas detidas, são classificadas arguidas, e depois são-lhes retiradas a medida de coação e não acontece mais nada, tal como é o caso do deputado Higino Carneiro. Também visa consolidar o poder do Presidente da República, para mostrar que quem ainda faz alguma resistência à sua liderança, que ele tem poder suficiente para fazer o que também fez o ex-Presidente da República, que é punir, prender, enfim, fazer outras coisas para quem representa algum incómodo”, sublinhou Adão Ramos.

"Cabalas” contra general Miala e ativistas

Portugal Konferenz zu Wahl in Angola | Arão Bula Tempo, Anwalt (DW/J. Carlos)

Advogado e ativista, Arão Bula Tempo.

General António José Maria é tido também como o suposto autor da "cabala” sobre alegadas tentativas de golpes de Estado contra José Eduardo dos Santos, que levou para cadeia o general Fernando Garcia Miala, atual chefe do Serviço de Inteligência e Segurança do Estado.

O mesmo oficial superior das Forças Armas Angolanas (FAA) também é apontado como mentor da prisão dos 17 ativstas angolanos no processo 15+2.

Benedito Jeremias (Dito Dali), um dos réus do caso, afirma que Zé Maria está a provar o "próprio veneno”.  "Ele está a beber agora do próprio veneno. Esse general é um especialista em forjar crimes, em manipular e fazer chantagens ao ex-Presidente, José Eduardo dos Santos, com a finalidade de garantir o seu posto. Por exemplo inventou que o general Miala estava a preparar um golpe de Estado contra José Eduardo dos Santos. O general Miala foi condenado, e até hoje não se provou o tal golpe de Estado que ele havia montado”, disse.

O ativista espera que a justiça trabalhe e que não haja interferências políticas no processo do general angolano. "Esse senhor não terá como sair ileso deste processo, caso não haja uma manipulação para distrair a opinião pública. Se for eventualmente um processo sério, dificilmente ele sairá impune de todos os crimes imputados contra ele”, conclui Benedito Jeremias.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados