Angola: Parlamento quer Entidade Reguladora da Comunicação Social a prestar contas | Angola | DW | 04.08.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Parlamento quer Entidade Reguladora da Comunicação Social a prestar contas

A Assembleia Nacional recomendou à Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERCA) de Angola que passe a anexar, nas próximas vezes, ao relatório de atividades o de execução financeira.

A recomendação foi esta terça-feira (04.08) feita na reunião de apreciação do Relatório de Atividades da ERCA de 2019, pelas primeira, quarta, quinta e sétima comissões de especialidade parlamentar.

O relatório parecer conjunto, além da recomendação acima referida, exorta igualmente que a ERCA seja beneficiada com recursos para aquisição de bens, serviços e equipamentos para o cumprimento das suas competências e que continue a acompanhar a atividade da comunicação social ao nível das províncias, com visitas de constatação e a realização de palestras e colóquios sobre o rigor na informação jornalística e o devido esclarecimento sobre a sua atividade.

Ao órgão regulador foi também recomendado que estimule os órgãos de comunicação social a pautarem-se pelo estrito cumprimento das normas técnicas do exercício do jornalismo e da ética e deontologia profissionais, especialmente no que se refere à atividade publicitária, devendo para o efeito fiscalizar o cumprimento do estipulado na Constituição e na Lei da Publicidade.

"Que a ERCA recomende aos órgãos de comunicação social a diversificarem, as suas fontes de financiamento, para salvaguardarem a sua independência perante os poderes económicos, políticos e religiosos", sugere também o Parlamento.

"Controlo contabilístico é feito pelo Tribunal de Contas"

UNITA (UNITA)

Parlamento angolano

O presidente da ERCA, Adelino de Almeida, disse que não se opõe ao pedido de que, doravante, os relatórios de supervisão da atividade jornalística angolana sejam acrescidos do relatório de execução financeira.

Entretanto, durante o debate, o presidente da quarta comissão, Tomás da Silva, esclareceu que a fiscalização da Assembleia Nacional incide fundamentalmente nas atividades das instituições sujeitas a controlo parlamentar, enquanto o controlo contabilístico é feito pelo Tribunal de Contas, por isso não deve ser feito "finca-pé" nesse sentido.

Adelino de Almeida frisou que, como qualquer instituição pública, a ERCA recebeu uma dotação do Estado, contudo insuficiente para a execução das suas atividades.

"Inclusivamente, foi também ali esclarecido que a nossa dotação faz parte da dotação orçamental da Assembleia Nacional, era o que acontecia até agora com a ERCA e a Provedoria de Justiça", disse, acrescentando que deixou de ser assim para a Provedoria de Justiça, continuando a ERCA vinculada ao Parlamento.

Segundo Adelino de Almeida, em 2019, a dotação orçamental foi "absolutamente insuficiente", "por isso, até agora, não se conseguiu instalar o departamento de análise e supervisão da imprensa, que impede uma análise sistemática dos conteúdos dos meios de comunicação, não só em Luanda, como em todo o país".

Assistir ao vídeo 01:16

Angola: Luta pela liberdade de imprensa

Críticas e observações ao comportamento da imprensa

Relativamente ao acompanhamento da atividade jornalística fora da capital angolana, Luanda, Adelino de Almeida disse que para este ano, devido à pandemia de Covid-19, já não será feita "grande coisa", mas o compromisso, que consta do plano de atividade, são visitas regulares a todas as províncias, para se sentir "o pulsar da imprensa".

No decorrer da discussão foram feitas várias críticas e observações ao comportamento da imprensa, que Adelino de Almeida considerou "compreensíveis".

No relatório do ano passado, o presidente da ERCA destacou as visitas que foram feitas a todo o país, especialmente no âmbito da preparação da Assembleia-geral dos Jornalistas, que levou à aprovação da Comissão de Carteira e Ética e aprovação do Código de Conduta.

  

Assistir ao vídeo 01:20

Ardinas angolanos criticam parcialidade na imprensa

Leia mais