Angola: Onde será o funeral de José Eduardo dos Santos? | Angola | DW | 11.07.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Onde será o funeral de José Eduardo dos Santos?

Os angolanos começaram a prestar homenagens a José Eduardo dos Santos. Em Luanda, não faltam apelos ao consenso entre a família de Zedu e o Governo, para que o ex-Presidente receba as honras de Estado no país.

Homenagens a JES começaram em Luanda

Homenagens a JES começaram em Luanda

O tributo ao ex-Presidente da República decorre em todas as 18 províncias angolanas. Em Luanda, capital do país, o velório público foi aberto oficialmente esta segunda-feira (11.07) pelo Presidente João Lourenço na Praça da República, onde José Eduardo dos Santos cessou as funções a 26 de setembro de 2017.

Governantes e vários cidadãos lembram Zedu como um "bom pai" da Nação angolana. João Lourenço disse que "nos momentos mais críticos do país, [JES] entregou-se por inteiro à defesa da Independência e da Soberania Nacional".

Mas é com o local do seu funeral que os cidadãos estão preocupados, tendo em conta o desentendimento que reina entre os filhos mais velhos de José Eduardo dos Santos e o Executivo de João Lourenço.

Apelo ao bom senso

Populares que prestaram hoje homenagem a José Eduardo dos Santos apelaram ao bom senso entre as partes. José Ferraz lembrou Zedu como "homem da paz" e disse que o ex-chefe de Estado deve repousar no solo angolano.

"Como uma figura incontornável, não vejo o camarada Presidente José Eduardo dos Santos a ser enterrado fora do nosso território. Acredito que a família e o Executivo devem achar meio termo para que o corpo seja transladado para Angola e que se faça um funeral digno com honras de um chefe de Estado", apelou Ferraz.

Para Paulo Sousa, outro cidadão angolano, "a família até pode contestar", mas durante o seu regime José Eduardo dos Santos conquistou "outros filhos”.

"Ele foi pai de uma Nação. Os filhos não são só os legítimos. São também os filhos que ele criou e que ganhou na sociedade durante os 38 anos da sua governação", disse.

Negociação sobre o funeral

O ministro angolano da Justiça confirmou na manhã desta segunda-feira (11.07) que há em Barcelona uma delegação do Governo a negociar com a família do antigo Presidente o envio dos restos mortais para Angola.

Francisco Queiroz garantiu que as negociações estão no bom caminho. "Neste momento não tenho informação, mas consta que as coisas estão a decorrer bem dentro daquilo que se pode considerar o normal nesta ocasião".

O ministro da Justiça e dos Direitos Humanos acredita que o Governo e a família vão chegar a um consenso. "Creio que o bom senso, calma, serenidade vão imperar e tudo vai se resolver com tempo", disse o governante.

Angola Luanda | Öffentliche Totenwache von José Eduardo dos Santos in Luanda eröffnet

Praça da República é palco do velório público iniciado pelo Governo angolano em homenagem a JES

Filhos de JES podem entrar em Angola

O vice-procurador-geral da República, Mouta Liz, assegurou que durante o período de luto nacional os filhos de Dos Santos exilados no exterior podem entrar e sair do país e que não haverá nenhuma detenção.

"É preciso que haja bom senso da família para não prejudicar aquilo que é património da Nação. O Presidente José Eduardo dos Santos, apesar de ser da família, é património da Nação. Nem se prendem pessoas em dias de óbito, a própria lei exclui essa possibilidade. Mas a prisão não é o remédio. Os seres humanos têm de conversar sempre", afirmou.

Por seu turno, a docente universitária Margareth Nanga explica que não cabe unicamente ao Estado determinar a organização da cerimónia fúnebre. "A família tem uma palavra sobre este aspeto".

Nanga aconselha "uma intervenção diplomática do Estado, no sentido de negociar com a família, que prevaleça aquela vontade mais confortável para os ambos os lados".

"E no caso em concreto, é que o ex-Presidente da República possa ser enterrado no seu país, para o qual serviu durante 38 anos, onde tem as suas raízes", defendeu a académica angolana.

Legado de Zedu

A paz e a reconciliação nacional é o legado que José Eduardo dos Santos deixou para o país, dizem os cidadãos que lhe estão a homenagear. Dos Santos, também é lembrado como "um bom patriota".

A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, recordou à DW África a figura de José Eduardo dos Santos como um "diplomata hábil” e um construtor de pontes e da unidade.

"Foi um combatente da liberdade, um pan-africanista, notabilizou-se como um diplomata hábil, num contexto de Guerra Fria e de muitas adversidades. Foi um político construtor de pontes e defendeu sempre a unidade e a coesão, que prestou o seu contributo ao país. Daí ter sido considerado o 'arquiteto da Paz'", concluiu.

Leia mais