Angola: Núcleo sindical da Rádio Despertar despedido | Angola | DW | 09.11.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Núcleo sindical da Rádio Despertar despedido

A Rádio Despertar (RD), afeta a UNITA, despediu três jornalistas que fazem parte do núcleo sindical do órgão. A direção alega violação do sigilo profissional e os jornalistas ameaçam com uma ação judicial .

Angola Luanda Radio Despertar, in Angola (DW/M. Luamba)

Instalações da Rádio Despertar - Luanda

Antes do seu despedimento, o núcleo sindical já se encontrava suspensos desde 15 de outubro por alegada violação ao sigilo profissional. Em causa, está o caderno reivindicativo entregue a direção da Rádio Despertar em setembro deste ano que exigia a melhoria de condições de trabalho, a inscrição na caixa de segurança social, o pagamento de Imposto de Rendimento de Trabalho e a questão dos salários em atraso.

Serrote Simão, Pedro Mota e Francisco Paulo são os jornalistas que esta, esta sexta-feira (09.11.), foram despedidos.

"Consta na decisão final que eu recebi, fui despedido, por exemplo, por ter falado a Deutsche Welle, a Voz da América e ter falado inclusive a Rádio Mais, uma rádio a qual eu nunca tinha dado nenhuma entrevista sequer", confirma Pedro Mota porta-voz do núcleo sindical.

"Admira-me também saber que um Conselho de Administração constituído até por um jurista não consegue fazer uma emenêutica [arte de interpretar textos] suficiente para que pessoas em função sindical não sofrem de qualquer sansão do género", acrescenta.

O Sindicato dos Jornalistas Angolanos ainda não se pronunciou sobre o despedimento do núcleo.

Erros graves?

Ouvir o áudio 02:19
Ao vivo agora
02:19 min

Angola: Núcleo sindical da Rádio Despertar despedido

A DW África contactou o Conselho da Administração da Rádio Despertar e sem gravar a entrevista, limitou-se em afirmar que o grupo de jornalistas "vazou informações da assembleia de trabalhadores e outros erros graves". A assembleia foi realizada no dia 28 de setembro. Na carta, a entidade patronal diz também que os profissionais não compareceram no encontro em que seriam ouvidos sobre o processo disciplinar.

O núcleo, anuncia Pedro Mota, vai realizar uma conferência de imprensa nos próximos dias para dar a conhecer os próximos passos a serem dados em função do despedimento. Um deles, adianta, será levar a "Voz da Sociedade" as barras do tribunal.

"Vamos intentar uma ação judicial contra a rádio por difamação, por acusações falsas, por tentativa de manchar o nosso bom nome e por situações que internamente existem".

Expulsão de jornalistas já é uma prática

Recorde-se, que não é a primeira vez que jornalista é expulso na Rádio Despertar, órgão afeto à UNITA. Em 2014, Elias Xavieira Fernandes, então editor e apresentar do programa "Angola e o Mundo em 7 Dias" foi despedido por alegada violação do sigilo profissional num espaço onde o atual deputado Makuta Nkondo era comentador residente.

Elias viria a suicidar-se em 2016 aos 33 anos de idade por razões até agora desconhecidas.

Assistir ao vídeo 06:00
Ao vivo agora
06:00 min

Esta é a minha cidade: Luanda

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados