Angola: IURD diz que igreja no país é ″maioritariamente angolana″ | Angola | DW | 22.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: IURD diz que igreja no país é "maioritariamente angolana"

Bispos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) repudiaram esta terça-feira (21.07) o que classificam como uma "narrativa falsa" de um grupo de dissidentes angolanos.

IURD - Igreja Universal do Reino de Deus in Mosambik (DW/J.Beck)

IURD no Niassa, norte de Moçambique. Foto ilustrativa

Numa carta aberta, sete bispos angolanos da IURD alegam dar a conhecer "toda a verdade sobre a perseguição impiedosa" que a igreja vem sofrendo, numa alusão ao conflito interno que se vem agudizando desde novembro do ano passado e que culminou com a rutura de um grupo de dissidentes angolanos com a ala brasileira e a tomada de vários templos.

Os dissidentes, que criaram entretanto uma comissão de reforma, acusam os dirigentes brasileiros de práticas contrárias à religião, como racismo, vasectomias forçadas e desvio de fundos, estando atualmente em curso dois processos-crime contra a IURD.

Na carta, os sete bispos salientam que a IURD está legalmente instalada no país há 28 anos e sempre integrou angolanos na sua liderança, contando com pastores e bispos de várias nacionalidades em Angola.

Mosambik Nampula Pfingstkirche (DW/J. Beck)

Queixas sobre discriminação contra pastores locais acontecem também em Moçambique

"Até há oito meses, a igreja contava com oito bispos angolanos, tendo deles saído apenas um bispo, agora líder da dissidência (rebelião), sendo que, sete mantêm-se incólumes na igreja", destacam.

IURD diz que é alvo de notícias parciais

Na carta acusam o ex-bispo, Valente Bezerra, de ter internamente mobilizado alguns pastores dissidentes e ex-pastores, "alegando discordância com os pastores brasileiros e tantas outras infâmias que servem de argumentos para sustentar a sua tese de rebelião e justificativa para cometimento de atos criminosos como: invasão, furto, agressão, calúnia, burla entre outros".

Os responsáveis da IURD queixam-se também de serem alvo de notícias parciais, por "não se colher previamente o contraditório da liderança da Igreja ou testemunhas isentas", acusando os órgãos públicos de informação angolanos de "prestigiar esta forma de comunicar quando se trata de ferir a instituição IURD".

Afirmam também que "a narrativa falsa" construída pelos ex-pastores é de que lutam contra os bispos e pastores brasileiros e interrogam: "onde é que colocam os Bispos e Pastores Angolanos que se mantêm na igreja? Será que os dissidentes são mais angolanos do que todos nós?"

O silêncio das autoridades

 Edir Macedo und Jair Bolsonaro (Getty Images/AFP/E. Sa)

Edir Macedo (esq.), criador da IURD, e Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil

Criticam ainda o silêncio das autoridades enquanto se assiste "ao esbulho violento do património da Igreja e agressão física de pastores", questionando se os bispos e pastores angolanos e estrangeiros da Igreja Universal do Reino de Deus não são dignos e merecedores da proteção estatal.

As crescentes tensões já levaram ao envolvimento dos governos de ambos os países: Jair Bolsonaro, o presidente brasileiro, escreveu ao seu homólogo angolano, João Lourenço, pedindo proteção para os bispos brasileiros.

Por seu turno, o chefe da diplomacia angolana, Téte António, assegurou que a relação com o Brasil é boa e que a justiça está "a tratar esta questão". Entretanto, a ministra de Estado angolana, Carolina Cerqueira, anunciou que vai ser feito um relatório sobre os incidentes, notando que "há indícios de alguns crimes".

  

Leia mais