1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto: AP photo/picture alliance

Angola: Haverá aproveitamento político do corpo de JES?

António Cascais | Amós Fernando | Lusa
22 de agosto de 2022

UNITA apela contra o aproveitamento político do corpo de José Eduardo dos Santos, nas vésperas das eleições em Angola. Os restos mortais do ex-PR estão em Luanda, mas a data do funeral ainda será divulgada oficialmente.

https://p.dw.com/p/4FqsA

Os restos mortais do antigo Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, - que morreu há mais de um mês em Barcelona, Espanha, - chegaram no último sábado  (20.08) a Luanda, onde poderão ser sepultados.

No entanto, o local das exéquias e as formalidades em volta da cerimónia fúnebre de José Eduardo dos Santos continuam a dividir o executivo angolano e os filhos mais velhos do finado, que há semanas vinham travando batalhas judiciais pelos restos mortais do ex-estadista.

No domingo (21.08), a União para a Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição angolana, lamentou a forma como o caso está a ser tratado.

UNITA fala em "aproveitamento político"

O mandatário da campanha da UNITA, David Horácio Junjuvili, disse ser preciso ainda resolver o conflito entre o Governo e o resto da família dos Santos, para depois se proceder com as exéquias do finado - "a menos que os outros queiram fazer disso um aproveitamento político", disse.

"As pessoas estão mobilizadas para votar e não se vão distrair com isso. Podemos correr o risco de querer fazer um funeral agora do ex-Presidente e não ter a participação popular que era de se esperar. As pessoas estão preocupadas com as eleições. E esperamos que os outros não façam aproveitamento político desta situação", apelou o mandatário.

Angola Totenwache José Eduardo dos Santos
Angolanos prestam homenagens a José Eduardo dos Santos em LuandaFoto: AP Photo/picture alliance

Até aqui ainda não foi tornada pública oficialmente a data do funeral do antigo chefe do Estado Angolano, que governou o país entre 1979 e 2017. Alguns meios de comunicação social angolanos falam no dia 28 de agosto, data em que, se estivesse em vida, José Eduardo dos Santos completaria 80 anos.

Governo pretende anunciar data do funeral em breve

No entanto, o ministro da Administração do Território, Marcy Lopes, um dos responsáveis pelas exéquias de José Eduardo Santos, remeteu para os próximos dias o anúncio da data do funeral do antigo Presidente.

Segundo Lopes, "os próximos dias serão reservados para o tratamento de questões administrativas e  protocolares inerentes a um processo como este que carece de ser tratado com todo cuidado e atenção".

Enquanto a data do funeral do ex-estadista não é divulgada, José Eduardo dos Santos está a ser velado na sua residência oficial. No domingo, o corpo do ex-Presidente angolano foi preparado para os próximos dias de velório, de modo a que as pessoas possam "fazer o óbito", como é designado na tradição angolana.

Angola Luanda | Ankunft des Leichnams des ehemaligen Präsidenten José Eduardo dos Santos
Chegada dos restos mortais de JES gerou comoção na capital angolanaFoto: António Cascais/DW

Filhas de JES criticam a entrega do corpo

O corpo do finado foi entregue à Ana Paula do Santos, viúva de José Eduardo dos Santos, para o desconforto dos seus filhos mais velhos. 

Uma das filhas do antigo estadista, Tchizé dos Santos, acusou no domingo (21.08) o Governo espanhol de "ser cúmplice na humilhação internacional de um dos maiores heróis africanos" ao entregar o corpo à viúva, Ana Paula dos Santos, contra a vontade da maioria dos seus filhos.

Numa publicação na rede social, também domingo, a filha mais velha de Zedu, Isabel dos Santos, desabafou: "Somos teus filhos... Nós te amamos e cuidamos de ti em vida, fomos a tua companhia, em quem tu confiaste sempre! Os teus inimigos não te deixam ter descanso!".

Os cinco filhos mais velhos de Zedú denunciam igualmente que não foram informados sobre a transladação dos restos mortais do pai para Luanda.

No entanto, o porta-voz do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), no poder desde 1975, afirmou no sábado (20.08) que "as filhas andaram distraídas (…) estavam na praia, estavam a fazer desfiles de moda, etc".

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado