Angola: Filho de Carlos São Vicente é constituído arguido | Angola | DW | 16.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Filho de Carlos São Vicente é constituído arguido

A mãe de Ivo São Vicente confirmou que o filho do empresário angolano foi notificado, mas não deu detalhes sobre acusação. Irene Neto diz que filho não pretende se apresentar à justiça, "a não ser que o venham buscar".

O filho do empresário luso-angolano Carlos São Vicente, Ivo São Vicente, foi constituído arguido. A informação foi avançada por Irene Neto, filha do primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto, e esposa do empresário Carlos São Vicente, em entrevista à agência de notícias Lusa.

"Não sei, mandaram uma notificação a dizer para apresentar-se [em Angola], porque foi constituído arguido. A data [da carta] acho que é de 30 ou 31 de dezembro, mas só nos chegou agora", sublinhou ao dizer que não sabe qual é acusação contra o seu filho. 

Ivo São Vicente, que vive em Lisboa, não pretende se apresentar à justiça, "a não ser que o venham buscar", afirmou a médica angolana.

Irene Neto

Irene Neto é filha do primeiro Presidente angolano, Agostinho Neto

A notificação, segundo Irene Neto, "é muito lacónica, apenas diz que ele tem de se apresentar no dia seguinte a ter recebido a carta. Obviamente que não dava para se apresentar em Luanda. Até porque nós não temos meios para pagar bilhete de passagem para Angola e, muito menos, local onde residir [no país]. Porque a nossa habitação também foi apreendida [pela justiça angolana]. Portanto, nós não temos para onde voltar. Praticamente somos exilados em Portugal", explicou.

Irene Neto levanta duas hipóteses na origem da notificação do filho. Uma delas é o facto de este ser gestor de empresas do pai ou que integravam o grupo por ele criado. A outra, para si mais plausível, tem a ver com o facto de Ivo São Vicente "ter estado a dar entrevistas". "Como um jovem que é, defende o pai com alguma veemência e poderá ter dito algo que não tenha sido muito bem aceite. Portanto, isto pode ser considerado como uma forma de represália, de pressão sobre o pai, que está lá preso e fica sabendo que o filho foi constituído arguido", afirmou.

Contas congeladas

A família de Carlos São Vicente tem algumas das contas congeladas pela justiça, apesar do recurso que interpôs no ano passado para que fosse levantada a medida. Segundo o despacho que determinou a prisão preventiva do empresário Carlos São Vicente, este teria levado a cabo "um esquema ilegal" que lesou a petrolífera estatal Sonangol em mais de 900 milhões de dólares (cerca de 760 milhões de euros).

Prédio da Sonangol

Carlos São Vicente é acusado de desvios na Sonangol

O empresário angolano que entre 2000 a 2016 desempenhou, em simultâneo, as funções de diretor de gestão de riscos da Sonangol e de presidente do conselho de administração da companhia AAA Seguros, sociedade em que a petrolífera angolana era inicialmente única acionista, terá levado a cabo naquele período "um esquema de apropriação ilegal de participações sociais" da seguradora e de "rendimento e lucros produzidos pelo sistema" de seguros e resseguros no setor petrolífero em Angola, graças ao monopólio da companhia.

Para Irene Neto, o que aconteceu ao marido foi resultado de uma pressão mediática sobre a Procuradoria Geral da República de Angola. O empresário começou por ser investigado na Suíça, por suspeita de branqueamento de capitais, há cerca de dois anos, com base numa denúncia de um banco. Em Angola, a investigação começou no verão de 2020, o que conduziu à sua prisão preventiva.

Questionada sobre as ligações do marido a Manuel Vicente, à data o homem forte da petrolífera e depois vice-Presidente de Angola, Irene Neto limitou-se a dizer: "O engenheiro Manuel Vicente era o Presidente da Sonangol e o meu marido trabalhava na Sonangol".

Entretanto, sublinhou que "naquela altura, mais do que Manuel Vicente, havia outras estruturas supra Manuel Vicente" e acrescentou que "assim como tudo, e todo o resto que se fazia em Angola, foram tomadas decisões, foram criados grupos, foram distribuídas ações e participações por orientação do mais alto titular do poder Executivo", frisou.

Leia mais