Angola: Braço de ferro entre trabalhadores e direção da Rádio Despertar | Angola | DW | 30.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Braço de ferro entre trabalhadores e direção da Rádio Despertar

Trabalhadores da Rádio Despertar, afeta à UNITA, reivindicam o pagamento de três meses de salário em atraso. Núcleo sindical diz que oito colaboradores foram suspensos.

Instalações da Rádio Despertar em Luanda

Instalações da Rádio Despertar em Luanda

Em declarações à DW África, esta sexta-feira (30.10) à tarde, o núcleo sindical da Rádio Despertar revelou que oito colaboradores foram suspensos e estão impedidos de entrar nas instalações da emissora na sequência de protestos pelo pagamento de três meses de salários em atraso.

Os trabalhadores estavam a organizar - para a próxima semana - uma marcha até à sede da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), onde tencionavam apresentar as suas reivindicações ao presidente do partido, Adalberto Costa Júnior.

De acordo com o secretário sindical da Rádio Despertar, João Walter dos Santos, a comunicação da suspensão foi feita de forma verbal pelo diretor da rádio, Emanuel Malaquias.

Os trabalhadores pedem à Rádio Despertar melhores condições de trabalho e o pagamento de três meses de salário em atraso.

Assistir ao vídeo 03:38

Emissora de TV aposta em jovens talentos do jornalismo angolano

"Isto é uma situação recorrente, dizem sempre que não há dinheiro, que o partido depende do Orçamento Geral do Estado, mas a rádio também arrecada dinheiro", afirma João Walter dos Santos em entrevista à DW África.

O sindicalista acusa a direção de "arrogância", alegadamente por não conseguir "negociar com os trabalhadores nem resolver os problemas da rádio".

"Muitos colegas estão a passar fome"

Segundo Walter dos Santos, muitos funcionários estão a ter bastantes dificuldades para honrar os compromissos familiares e sociais.

"Está difícil! Muitos colegas estão a passar fome em casa e há males que vêm por bem – se não tivéssemos a Covid-19, muitos de nós não estariam em condições de pagar as propinas dos nossos educandos."

Walter dos Santos diz que a direção da UNITA tem conhecimento destes problemas, mas recusa-se a agir: "Nós achamos que o próprio presidente do partido não está interessado em resolver a nossa situação".

UNITA diz que há diálogo

A DW África ainda não conseguiu obter uma reação da Rádio Despertar ou da UNITA a propósito da suspensão de colaboradores, denunciada esta tarde pelo núcleo sindical. No entanto, antes da revelação, Emanuel Bianco, secretário nacional adjunto de comunicação e marketing da UNITA, garantiu à DW África que a emissora não está de costas voltadas para os trabalhadores e há interesse em resolver a situação salarial.

Sem querer gravar entrevista, Bianco afirmou apenas que há contactos com a direção do sindicato da Rádio Despertar e que o dinheiro para o pagamento dos salários já terá sido desbloqueado. Quanto à intenção dos funcionários marcharem até à sede da UNITA, o responsável não vê motivos para que tal aconteça.

Porém, os trabalhadores prometem ir para a frente com a marcha: "Nós não vamos ficar parados. Hoje é sexta-feira, vamos passar o final de semana à fome, mas, para a semana, nós vamos partir de casa com os nossos filhos e vamos levar pratos e talheres até a presidência da UNITA, para que nos deem aquilo que nos é devido, porque nós trabalhamos", afirma João Walter dos Santos.

Assistir ao vídeo 01:43

Angola: Sobreviver do lixo durante a pandemia

Leia mais