Angola: Ano de eleições com ″campanha″ europeia? | Angola | DW | 25.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Ano de eleições com "campanha" europeia?

Em ano de eleições, continua em vigor um alegado acordo de publicidade celebrado entre o Governo angolano e a Euronews, canal que assumiu divulgar notícias favoráveis ao regime. Ex-eurodeputada já tinha denunciado caso.

Ana Gomes é contra a propaganda paga com dinheiro público da União Europeia (UE) para promover governos cleptocratas, como era o caso de Angola. Foi a ex-eurodeputada que denunciou junto de instâncias da UE a existência de um contrato de publicidade entre a Euronews e o Governo angolano.

Quando era membro do Parlamento Europeu, a política portuguesa escreveu à alta representante para a política externa, Federica Mogherini, e à comissária para a economia e sociedade digital, Maryia Gabriel, a manifestar o seu desagrado, depois de ter sido alertada sobre a existência de um contrato com o referido canal de televisão.

"Fui contactada pelo próprio diretor da Euronews, que veio ver-me a Bruxelas. Fiz uma visita à Euronews em Lyon (França) e verifiquei que, não obstante terem muito bons jornalistas, confirmava-se este tipo de entendimentos", afirma a política.

Ana Gomes

Ana Gomes

Uma fonte bem informada confirmou a Ana Gomes a existência do referido acordo, estabelecido em 2017, entre o já extinto GRECIMA (Gabinete de Revitalização e Execução da Comunicação Institucional e Marketing da Administração de Angola) e a estação televisiva europeia, então detida por um milionário egípcio.

Ana Gomes diz ter sido alertada pela propaganda que via o canal de televisão a fazer ao regime de José Eduardo dos Santos. "Percebi que havia o mesmo tipo de propaganda, por exemplo, em relação ao regime do Azerbeijão, que era propaganda paga", conta.

Sem sinais de mudança

"A mim, incomoda-me que as autoridades europeias, em particular da Comissão, com a responsabilidade por uma informação isenta e independente, não tenham atuado de forma mais clara para mudar a situação na Euronews", conta Ana Gomes, dizendo que não deseja o fim do canal, mas afirma não ter informações acerca da alteração desta situação.

O acordo visava divulgar notícias favoráveis ao regime angolano, com realce para as oportunidades de investimento.

Assistir ao vídeo 10:01

Angola, um "xadrez político"

A evidência da parcialidade da Euronews foi mais notória durante a campanha eleitoral em Angola, em 2017, quando o canal televisivo europeu deu ênfase aos discursos do então candidato João Lourenço, omitindo falar das reclamações sobre as irregularidades levantadas pela oposição angolana.

De acordo com Ana Gomes, o então diretor do GRECIMA foi condenado recentemente em Angola a 14 anos de prisão, por utilizar os recursos financeiros públicos do gabinete em causa.

Para a política, isto é um sinal de que o seu alerta à Comissão Europeia era fundamentado e "exigia uma intervenção mais clara e mais determinada" para pôr fim a esta situação, que provavelmente se repete com outros países.

A ex-candidata às presidenciais em Portugal considera que a Euronews tem potencial para ser "um canal sério e independente e que garanta a isenção das notícias".

Acordos com "mais de 40 governos"

Em reação, a direção da Euronews respondeu à DW, por e-mail, que "tem acordos de publicidade e patrocínio com mais de 40 governos em todo o mundo".

A estação dá conta que "a promoção do turismo e investimento é o grande setor de publicidade em todos os canais de notícias internacionais e de negócios". A direção do canal europeu assume que o acordo com o Governo de Angola "é uma parceria deste género".

O Gabinete de Relações Públicas da estação refere ainda que "o conteúdo patrocinado, sempre claramente identificado como tal, está em conformidade com as diretrizes de publicidade da lei de difusão francesa e não tem afeta a linha editorial da Euronews."

Propaganda ao Governo angolano

Sedrick de Carvalho, um dos 17 jovens angolanos julgados e condenados em 2016 por alegados atos preparatórios de rebelião, também denunciou o acordo numa recente conferência no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), à luz dos últimos acontecimentos em Angola.

Sedrick de Carvalho, Jornalista

Sedrick de Carvalho

O ativista, radicado na Europa, diz que "a Euronews continua a fazer uma campanha de propaganda às obras realizadas pelo Governo angolano." 

"Basta assistirmos à Euronews para ver isso. Há uma Angola que acontece na Euronews que quem está em Angola não vê", afirma o ativista.

Em declarações à DW, Sedrick de Carvalho considera preocupante um contrato desta natureza em ano de eleições em Angola.

"Dado o seu comportamento nas eleições de 2017, temos todos de questionar qual será o posicionamento da Euronews neste ano eleitoral, no que concerne à cobertura da campanha e das eleições que vão desenrolar em Angola", afirma.

Uma campanha comprada à Europa

Tal como referiu na denúncia, o "contrato é opaco" e, até então, "ninguém teve acesso" ao documento. Por isso, Sedrick de Carvalho receia que "se parta para as eleições com a Euronews a fazer um trabalho de publicidade, de propaganda eleitoral, que favorece nomeadamente o MPLA, no poder desde 1975".

Sedrick prevê que a estação adotará o mesmo comportamento e que este é " inclusive, discriminatório como foi em 2017".

Dois anos depois do escândalo"Luanda Leaks", Ana Gomes lembra a "total cumplicidade" que havia entre Angola e Portugal durante o regime de José Eduardo dos Santos.

E, neste âmbito, aponta o facto de alguns órgãos da comunicação social portuguesa como a SIC, também vítimas de proibições, terem sido impedidos de cobrir o que se passava em Angola.

Ainda em relação à Euronews, Ana Gomes lamenta que a estação europeia tenha sido vendida a um fundo português com "gente pouco recomendável envolvida em negócios altamente questionáveis na Colômbia e na Hungria".

Interroga, a propósito, sobre qual será o futuro da Euronews se continuar a ser manipulada, "pervertendo" os objetivos de uma informação independente e isenta de um órgão financiado pela União Europeia.

Leia mais