André Matsangaíssa Júnior abandona Junta Militar da RENAMO | NOTÍCIAS | DW | 01.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

André Matsangaíssa Júnior abandona Junta Militar da RENAMO

O sobrinho do líder histórico da RENAMO e um dos braços direitos do líder da autoproclamada Junta Militar é a mais recente baixa no grupo dissidente. Matsangaíssa Júnior entregou-se às autoridades moçambicanas.

André Matsangaíssa (à direita)

André Matsangaíssa (à direita)

André Matsangaíssa Júnior, um dos braços direitos do líder da autoproclamada Junta Militar da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), Mariano Nhongo, e sobrinho do líder histórico do maior partido da oposição em Moçambique, abandonou o grupo dissidente e entregou-se às forcas governamentais.

Matsangaíssa Júnior foi recebido esta segunda-feira (01.03), em Maputo, pelo Presidente Filipe Nyusi. O anúncio foi feito na página do Facebook do chefe de Estado.

Segundo Filipe Nyusi, o sobrinho do falecido André Matsangaíssa "decidiu abandonar a Junta Militar da RENAMO e voltar ao convívio dos moçambicanos pela paz", em resposta ao convite do Presidente moçambicano e do embaixador suíço Mirko Mnzoni, líder do Grupo de Contacto no âmbito do processo de desarmamento, desmilitarização e reintegração (o chamado DDR).

Nyusi reforçou que o facto de Matsangaíssa se ter entregado às autoridades "não quer dizer que tem as mesmas ideias do Governo, de um partido ou de um outro cidadão, mas a decisão que tomou de que quer viver na diferença com os outros moçambicanos é que é salutar".

O chefe de Estado aproveitou para lançar novamente o apelo aos membros da autoproclamada Junta Militar de Mariano Nhongo, "nas províncias Manica, Sofala, Tete e Niassa para que se juntem à razão e ao povo moçambicano".

É mais uma de várias "baixas" no grupo dissidente, depois da saída do antigo porta-voz, João Machava, em novembro de 2020, e do "número dois" Paulo Filipe Nguirinde, no início de fevereiro.

Assistir ao vídeo 02:52

Moçambique: Desmobilizados da RENAMO vivem com medo

Leia mais