Analistas angolanos defendem abertura de inquérito sobre caso Telstar | Angola | DW | 26.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Analistas angolanos defendem abertura de inquérito sobre caso Telstar

Presidente angolano anunciou um novo concurso para a quarta operadora de telecomunicações no país. Mas o caso Telstar continua a levantar dúvidas. Imagem de João Lourenço pode ser prejudicada se não houver um inquérito.

Há uma semana, o Presidente angolano anulou o concurso público que escolheu a Telstar como quarta operadora móvel de Angola. Entretanto, esta quinta-feira (25.04), João Lourenço assinou um despacho que estabelece as regras e procedimentos para a abertura de um novo concurso, "em obediência aos princípios da transparência e concorrência".

Foi criado um grupo de trabalho que será responsável pelo processo, coordenado pelo ministro das Finanças, Archer Mangueira, e que engloba também os titulares das pastas das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, e da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca. 

Dúvidas persistem

Analistas defendem a abertura de um inquérito para averiguar as supostas irregularidades no processo. Os especialistas ouvidos pela DW África suspeitam que houve corrupção no caso, que motivou muitos cidadãos a exigirem a exoneração de José Carvalho da Rocha, o ministro das Telecomunicações.

Ouvir o áudio 03:43

Analistas angolanos querem inquérito ao caso Telstar

Como é que uma empresa que não apresentou resultados operacionais nos últimos três anos venceu o concurso público para obter uma licença como quarta operadora de telefonia móvel? E porque é que o ministro da tutela garantiu que se cumpriram todas as normas, mas a Presidência anulou o concurso um dia depois?

O investigador e comentador político angolano Augusto Báfua Báfua entende que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se deve pronunciar. "Parece-me que há indício de alguma atividade menos boa, para não dizer de possível corrupção. O Presidente diz que não foi cumprido um dos pressupostos, que era a conta dos últimos três anos, e o próprio ministro disse que foi tudo cumprido. Então, nesta dissonância, me parece que houve um atropelo à lei. A única entidade capaz de resolver isto é mesmo a Procuradoria-Geral da República", diz Báfua Báfua à DW.

Imagem de João Lourenço em risco

Sem um inquérito ao caso, a imagem do Presidente João Lourenço pode ficar beliscada, afirma José Patrocínio, o coordenador da organização não-governamental OMUNGA. Patrocínio quer saber se houve, ou não, indício de crime no polémico concurso público.

Adolfina Mavungo und José Patrocínio (DW/N. Sul de Angola)

José Patrocínio, coordenador da ONG OMUNGA

"Ficamos sem saber se o Presidente não tem peito, ou se não tem vontade, porque realmente não há mudanças concretas no quadro auxiliar do Executivo. É necessário que o Presidente nos ajude a clarificar", afirma.

"É preciso que nos esclareçam qual foi o motivo real do cancelamento. Se foi por falta de transparência, isto obriga o Presidente a avançar com responsabilização. Agora se se começar a pensar em demissão, quem deve demitir-se é o Presidente da República".

Além de uma investigação ao processo, José Patrocínio defende a criação de uma entidade específica para monitorar os concursos públicos e os contratos do Estado com as empresas.

Portugal Joao Lourenco angolanischer Präsident

João Lourenço, Presidente angolano

O ativista angolano Benedito Jeremias questiona a razão de o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, continuar até ao momento no Governo.

Por outro lado, critica o Presidente João Lourenço por não ter anunciado ainda um inquérito - sobretudo, porque a Telstar só foi criada há pouco mais de um ano, sendo o seu acionista maioritário um general: Manuel João Carneiro. "É estranho que um general sem nenhum historial no ramo empresarial apareça com um investimento de 90%. Neste país temos empreendedores. O mercado económico não pode ser dominado por generais e políticos. Sabemos que a experiência anterior é que faliu este país", afirma o ativista.

"Se o Presidente não autorizou até ao momento um inquérito é porque sabe que faz parte deste problema. Se fosse uma pessoa idónea, neste momento já teria constituído uma equipa para inquirir o que se passou", acrescenta.

Certificado de incompetência

Face a tudo isto, o analista Augusto Báfua Báfua acredita que o ministro da tutela, José Carvalho da Rocha, tem "os dias contados" no Governo de João Lourenço. O anulamento do concurso público terá sido um "certificado de incompetência" para o governante.

"Vejo um ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação praticamente interino. É uma questão de tempo para a sua exoneração. Não é possível que, com uma retirada forte de confiança ou mesmo passagem de um certificado de incompetência ao ministro, as coisas continuarem", comenta Báfua Báfua. 

Esta semana, a Telstar garantiu, em comunicado, que "cumpriu de forma escrupulosa" as normas do primeiro concurso, anulado há uma semana pelo Presidente angolano. Mas os analistas ouvidos pela DW consideram a reação da empresa pouco convincente.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados