Alemanha promete mais ajuda à União Africana | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 24.03.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Alemanha promete mais ajuda à União Africana

O chefe da diplomacia alemã começou um périplo de três dias por três países africanos. Ao chegar à Etiópia, Frank-Walter Steinmeier prometeu mais ajuda ao continente. Na quarta-feira, o ministro visita Angola.

A Alemanha vai dar mais apoio à União Africana (UA) na formação de forças de segurança, prometeu esta segunda-feira (24.03.) o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Frank-Walter Steinmeier, na capital etíope, Addis Abeba.

No final da semana passada, a Alemanha já tinha anunciado que vai aumentar o apoio financeiro ao continente. O Governo alemão prevê aumentar em, pelo menos, cem milhões de euros o montante anual previsto para a ajuda ao desenvolvimento, atualmente na ordem dos 1,2 mil milhões de euros.

Steinmeier und Adhanom

Chefe da diplomacia alemã, Frank-Walter Steinmeier, e homólogo etíope, Tedros Adhanom

Berlim também prometeu um financiamento adicional à UA. Na sede da organização em Addis Abeba está já a ser construído, com o apoio da Alemanha, um "centro de paz e estabilidade", onde futuramente forças de paz também receberão formação. A abertura está prevista para 2015.

Numa sessão que teve lugar na sede da UA, Steinmeier reconheceu que os Estados africanos estão atualmente em melhor posição para resolver conflitos regionais. E sublinhou que a autoridade da União Africana, uma aliança de 54 países, tem crescido.

Ainda assim, o Governo alemão continua disponível para apoiar o continente, assegurou o chefe da diplomacia alemã.

Sobre as expetativas de África relativamente aos objetivos europeus para o continente, o Steinmeier declarou que "os africanos querem ser responsáveis pela solução dos seus próprios problemas e, por isso, esperam da Europa, acima de tudo, ajuda no fortalecimento das respetivas capacidades", afirmou. "Entendemos isso e, por essa razão, estamos empenhados em várias áreas."

Bundeswehr bildet Soldaten Malis aus

Soldados alemães treinam tropas malianas

Frank-Walter Steinmeier salientou que, além da tradicional cooperação económica, a Alemanha também participa formação de forças de segurança na Somália e no Mali.

"Numa época em que os conflitos regionais raramente permanecem regionais, a Europa também é afectada pelos muitos conflitos armados no continente africano", referiu o chefe da diplomacia alemã.

Três dias, três países

A Etiópia, juntamente com a Tanzânia e Angola, as próximas etapas do périplo africano de Steinmeier, são consideradas parceiros importantes nas políticas de desenvolvimento da Alemanha para o continente africano.

"A Etiópia é e continuará a ser um parceiro importante nas nossas relações exteriores", disse o ministro alemão. O país "ajuda na resolução de muitos conflitos em África. É exemplar na assumpção de responsabilidades para toda a região."

Frank-Walter Steinmeier manteve encontros com o Presidente etíope, Mulatu Teshome, e com o ministro dos Negócios Estrangeiros da Etiópia, Tedros Adhanom.

Steinmeier chegou a Addis Abeba acompanhado por uma delegação empresarial interessada em investir na Etiópia.

Ouvir o áudio 03:31
Ao vivo agora
03:31 min

Alemanha promete mais ajuda à União Africana

"Esperamos que os empresários encontrem aqui condições de investimento modernas e de confiança, que tornem possível a cooperação com empresas privadas", afirmou. "Ao mesmo tempo, também desejamos uma Etiópia confiante, com um sistema multipartidário funcional, uma sociedade civil ativa e uma cultura de debate aberto."

Esta é a primeira visita de Frank-Walt Steinmeier a África desde que voltou a assumir a pasta dos Negócios Estrangeiros em dezembro.

Depois da Etiópia, o chefe da diplomacia alemã segue para a Tanzânia, onde estará na terça-feira, terminando a visita a África em Angola na quarta-feira. Na agenda do ministro estão encontros com governantes, representantes de partidos da oposição e membros da sociedade civil.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados