Alemanha aprova limite de reuniões familiares de refugiados | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 02.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Alemanha aprova limite de reuniões familiares de refugiados

Parlamento alemão aprovou uma lei que permite a refugiados temporários trazer os familiares mais próximos para a Alemanha, a partir de agosto. Mas há um limite: mil familiares por mês.

O Parlamento alemão decidiu, esta quinta-feira (01.02), reintroduzir uma lei que permite a requerentes de asilo reencontrarem-se com familiares, embora com limitações.

A Alemanha acolheu, desde 2015, mais de um milhão de requerentes de asilo. Para diminuir o fluxo migratório, o país impôs, em março de 2016, uma suspensão de dois anos às reuniões familiares para migrantes com proteção "subsidiária", uma categoria inferior à do asilo completo. As reuniões familiares para este grupo deveriam começar no próximo mês. Mas, com a nova lei, o Parlamento prolongou a suspensão até agosto, introduzindo depois limites ao reagrupamento familiar.

A partir de 1 de agosto, até mil migrantes por mês serão autorizados a instalar-se na Alemanha, desde que sejam parentes diretos de refugiados que já vivem no país. 

A legislação foi apresentada pelos conservadores da chanceler Angela Merkel e os social-democratas, do SPD, numa altura em que decorrem negociações entre os partidos para a formação de uma nova coligação para governar a Alemanha. A introdução de limites à imigração tem sido uma das questões mais controversas nas conversações.

Ouvir o áudio 02:56
Ao vivo agora
02:56 min

Alemanha aprova limite de reuniões familiares de refugiados

Parlamento dividido

O ministro do Interior, Thomas de Maizière, defendeu que a lei é um "compromisso com a humanidade e a responsabilidade, com a integração e os limites, com a generosidade e o realismo".

Eva Högl, vice-líder da bancada parlamentar do SPD, disse que a Alemanha se deve orgulhar "do facto de se ter tornado um lugar onde as pessoas desejam estar - um país cosmopolita, onde a dignidade humana é o direito fundamental mais importante".

Mas, durante o debate no Parlamento, Katrin Göring-Eckardt, dos Verdes, criticou a nova lei. Para a deputada, os requerentes de asilo foram "enganados", já que lhes foi prometido que, a partir de março, a suspensão à reunião familiar seria levantada e poderiam trazer os familiares para o país.

"O que está aqui em causa é se as famílias serão reunidas, se as crianças poderão embarcar em aviões e ser trazidas com segurança para a Alemanha", afirmou Göring-Eckardt. "Essa é a questão central neste país".

Já o partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD, na sigla em alemão) mostrou-se contra qualquer admissão de familiares de refugiados na Alemanha: "As reuniões familiares não deveriam ocorrer no nosso país, mas nas zonas protegidas da Síria, onde muitas áreas já estão pacificadas", disse o deputado Christian Wirth.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados