Alemanha: Alcançado acordo de coligação para formar novo Governo | NOTÍCIAS | DW | 24.11.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Alemanha: Alcançado acordo de coligação para formar novo Governo

Depois de semanas de negociações, o SPD, Os Verdes e FDP anunciaram um acordo para formação do novo Governo que vai suceder o Executivo de Angela Merkel. Partidos pretendem abandonar energia à base do carvão até 2030.

Coligação semáforo na Alemanha: Os Verdes, SPD e FDP

Olaf Scholz (no centro) deve ser anunciado como novo chanceler alemão no início de dezembro

Depois de quase dois meses da realização das eleições parlamentares na Alemanha, os partidos Social-Democrata (SPD), Os Verdes e Liberal Democrático (FDP) chegaram a um acordo de coligação para formar o novo Governo. 

Com o acordo, é esperado que o líder social-democrata (atual ministro das Finanças e vice-chanceler), Olaf Scholz, seja eleito chanceler da Alemanha pelo Parlamento (Bundestag) no começo de dezembro como sucessor de Angela Merkel.

Na sequência de semanas intensas de negociações, o acordo tripartido pretende antecipar o abandono da energia à base de carvão de 2038, como estabelece a meta atual, para 2030. De acordo com a emissora alemã ARD, é também esperada uma ampliação do uso de energias renováveis, com uma cobertura de 80% das energias eólica e solar até 2030, e a circulação de um terço de carros elétricos. A ideia é, no futuro, parar de conceder licenças aos veículos movidos por combustíveis fósseis.

Distribuição de ministérios

Numa conferência de imprensa esta quarta-feira (24.11), a coligação chamada "semáforo" (em referência às cores dos partidos) anunciou que o SPD, a força mais votada nas legislativas de setembro, com 25,7% dos votos, vai liderar o novo Governo, com Olaf Scholz como chanceler.

Imagem mostra energia eólica na Alemanha

A coligação pretende alargar o uso de energias renováveis, com uma cobertura de 80% das energias eólica e solar até 2030

O recém-criado Ministério da Habitação, tal como as pastas da Defesa, Interior, Trabalho e Assuntos Sociais, entre outras, num total de sete ministérios, serão controlados pelo SPD.

Os Verdes, terceiro partido mais votado, deverão assumir cinco ministérios e o cargo de vice-chanceler no futuro Governo, incluindo um ministério que vai juntar as áreas da Economia e do Ambiente, e a pasta dos Negócios Estrangeiros, que deve ser liderada por Annalena Barbock, avançou a ARD.

Os liberais do FDP ficam com quatro pastas, nomeadamente, Justiça, Transportes, Educação e das Finanças, que deverá ser entregue a Christian Lindner, líder da força partidária.

Novo chanceler será anunciado em dezembro

O acordo ainda vai seguir para votação dos partidos nos respetivos congressos que devem ter lugar no início de dezembro.

Caso esta aliança "semáforo" venha a confirmar-se, o novo Executivo passa a substituir a "grande coligação", formada pelo SPD e pela União Social-Democrata alemã (CDU), força política de Angela Merkel que sairá da liderança do país após 16 anos no poder.

Na Alemanha, é tradição que uma coligação de governo necessite alcançar a maioria absoluta no Parlamento (o que também garante a eleição do candidato indicado a chanceler pelo Bundestag). Se for concretizada, esta será a primeira aliança tripartite de governação na Alemanha desde a década de 1950.

Assistir ao vídeo 03:29

Alemanha mais perto da coligação governamental "semáforo"

Leia mais