Agenda 2063 da UA envolta em dúvidas | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 05.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Agenda 2063 da UA envolta em dúvidas

Na cimeira extraordinária, em Niamey, países-membros da União Africana detatem planos de unificação, desenvolvimento e crescimento económico. Há ceticismo sobre implementação de metas, como um cessar-fogo no continente.

Präsidentschaftswahl in Kamerun Sicherheitskräfte (DW/F. Muvunyi)

Soldados nos Camarões

O processo de unificação do continente africano deve continuar. É esse - pelo menos - o plano da União Africana (UA), reunida (04 a 08 de julho) na 12ª Cimeira Extraordinária em Niamey, no Níger.

Sobre a mesa está a Agenda 2063, o plano mestre para acelerar o desenvolvimento e o crescimento económico do continente. O plano Inclui: 14 iniciativas nas áreas de infraestrutura, educação, ciência, tecnologia, cultura e manutenção da paz, sob o lema "A África que queremos".

Ouvir o áudio 02:39

Agenda 2063 da UA envolta em dúvidas

Mas nem tudo está a correr como esperado. Por exemplo, a iniciativa número cinco prevê um cessar-fogo total em todo o continente africano até 2020 - portanto já no próximo ano.

Dessu Meressa, do Instituto para Estudos de Segurança de Addis Abeba, tem dúvidas sobre se a meta poderá ser cumprida.

"De facto, as coisas não estão a correr como planeado. Estamos quase em 2020 e as armas ainda por cá andam. O certo é que as sete aspirações estão inter-relacionadas. Não podemos ver uma aspiração separadamente. Elas estão todas inter-relacionadas e uma tem impacto sobre a outra," avalia.

Para o cientista político togolês Désiré Assogbavi, trata-se de um objetivo ambicioso.

"Silenciar e desmantelar as armas em todo o continente é um projeto emblemático que considero muito importante. Significa progredir em direção à paz e segurança, o que é uma condição importante para o desenvolvimento,” defende.

Assogbavi acrescenta que "tem havido muita conversa, muitas reuniões, decisões sobre o silêncio das armas no continente, mas se você olhar para o continente, as armas não foram silenciadas. É o contrário, estamos com cada vez mais problemas causados por armas no continente," critica.

Nov 27 2014 Cape Town South Africa View of the Gautrain inside Pretoria station Gautrain is (imago/ZUMA Press)

Trem de alta velocidade na África do Sul

Trens de alta velocidade sem previsão

Outro objetivo que parece difícil de concretizar é o sonho de um transporte ferroviário continental. Uma rede de alta velocidade está planeada para conectar as ferrovias dos 54 países africanos e todas as capitais.

Mas Dessu Meressa não acredita que isso acontecerá num futuro próximo. "Para tal, os Estados membros teriam primeiro que melhorar sua infraestrutura nacionalmente", diz.

Pelo menos 12 mil quilômetros de novas rotas deverão ser construídos para isso. A avaliação de Désiré Assogbavi também é sóbria.

"Não basta que os países simplesmente ratifiquem propostas e depois não as implementem”. O analista considera que as grandes ambições da União Africana fazem parte do problema. "Projetos como a rede ferroviária precisam de financiamento. Tal investimento não acontece de um dia para o outro," conclui.

São ao todo 14 iniciativas, para a concretização das quais ainda restam 44 anos. Tempo suficiente? As dúvidas são grandes e persistem.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados