Advogado guineense Octávio Lopes candidato à liderança do PAIGC | Guiné-Bissau | DW | 19.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Advogado guineense Octávio Lopes candidato à liderança do PAIGC

Em comunicado, Octávio Lopes anunciou a sua candidatura e explicou que a curto prazo pretende "assumir a governação do país", antes do final do primeiro trimestre de 2022. O congresso do PAIGC realiza-se daqui a um mês.

"Com muita honra e sentido de missão, e após reunião com o presidente do partido sexta-feira dia 14, torno pública a minha disponibilidade e intenção de ser o primeiro subscritor de uma Moção de Estratégia Global e, consequentemente, candidato à liderança do PAIGC no X congresso ordinário e por inerência de funções candidato ao cargo de primeiro-ministro da Guiné-Bissau", refere o advogado, em comunicado.

O congresso do PAIGC realiza-se entre 18 e 19 de fevereiro, em Bissau.

O candidato vai apresentar uma moção, denominada "Uma Agenda para o Partido e para a Guiné-Bissau", que, refere, é um "instrumento pragmático, com metas e objetivos estratégicos ambiciosos a médio e curto prazo".

No comunicado, Octávio Lopes, ex-assessor jurídico e diretor de gabinete dos Presidentes Malam Bacai Sanhá  e José Mário Vaz, respetivamente, explica que a curto prazo pretende "assumir a governação do país", antes do final do primeiro trimestre de 2022, que reflita a "vontade do povo expressa nas eleições legislativas de 2019", que o PAIGC venceu.

Futuro do PAIGC 

A médio prazo, o advogado pretende "ganhar as legislativas de 2023 com uma maioria absolutamente inequívoca" e a longo prazo fazer eleger um chefe de Estado apoiado pelo PAIGC.

"Ao estabelecermos este nexo de causalidade entre estas prioridades programáticas, fazemo-lo com a convicção de estar a interpretar e expressar a vontade da maioria silenciosa de militantes, responsáveis e dirigente que reconhece e compreende a necessidade de mudar de direção e a urgência de trilhar um novo caminho que permita ao PAIGC assumir a plenitude das suas responsabilidades com o povo guineense", sublinha.

Octávio Lopes já tinha subscrito uma lista de dirigentes do PAIGC que questionam a liderança do atual presidente do partido, Domingos Simões Pereira, e que inclui nomes como o antigo primeiro-ministro Artur Silva; o ex-secretário de Estado das Pescas Mário Dias Sami; o ex-diretor-geral da Geologia e Minas Gilberto Charifo, e o empresário e atual deputado Hussein Farath.

Assistir ao vídeo 00:20

Guiné-Bissau: Que lições tirar das últimas eleições presidenciais?

Leia mais