Advogado angolano David Mendes defende Kalupeteka | Angola | DW | 28.04.2015

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Advogado angolano David Mendes defende Kalupeteka

"Kalupeteka está ser publicamente condenado e precisa de alguém que o ampare", justifica David Mendes, da Associação Mãos Livres. A ONG ainda não conseguiu falar com o líder da seita religiosa, detido em parte incerta.

David Mendes, advogado e ativista dos direitos humanos

David Mendes, advogado e ativista dos direitos humanos

Dois advogados da Associação Mãos Livres, organização não-governamental (ONG) angolana de defesa dos direitos humanos, estão na província do Huambo desde o fim da semana passada para realizar os primeiros trabalhos preparatórios do "caso Kalupeteka", que poderão culminar com o acompanhamento das audiências do líder da igreja "A Luz do Mundo" (igualmente conhecida por "Kalupeteca").

José Julino Kalupeteka é acusado pelas autoridades angolanas de ter provocado a morte de nove agentes da Polícia Nacional, nas províncias de Benguela e Huambo, no dia 16 de abril.

Os advogados estão a ser impedidos de manter contacto com o líder da seita e com os seus fiéis que ainda continuam presos. Queixam-se também de não terem livre acesso à serra do Sumé, a cerca de 40 quilómetros da cidade do Huambo, local onde ocorreram os confrontos entre a polícia e os apoiantes de Kalupeteca.

Face à proibição imposta pelo Governo Provincial do Huambo, a Associação Mãos Livres vai apresentar um protesto à Procuradoria-geral da República, adiantou David Mendes em entrevista à DW África. "Um protesto pelo facto de até agora não permitirem que os advogados da Associação Mãos Livres tenham acesso às pessoas que estão presas e que tenham acesso ao local onde ocorreram os factos", explica.

Investigação "aberta e isenta"

Segundo as autoridades de Angola, pelo menos 13 fiéis da seita "A Luz do Mundo" teriam morrido em confronto com as forças policiais. A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição angolana, fala em mais de mil civis mortos.

Ouvir o áudio 02:37

Advogado angolano David Mendes defende Kalupeteka

Para o advogado, o facto de o Executivo impedir as pessoas de frequentar o local do crime significa que os dados divulgados não correspondem à realidade. "Se fossem menos de 13, teriam permitido que as pessoas fossem constatar e falar com as pessoas, não só no Huambo e no Bié, mas também em Benguela para que se saiba quantas pessoas morreram, quantas estão presas e quantas estão desaparecidas", diz.

Salientando que nada justifica que a sociedade civil seja impedida de estar no terreno, David Mendes defende que seja feita "uma investigação aberta e isenta de qualquer preconceito político ou ideológico, isente de qualquer interesse, quer seja económico ou político". O importante, sublinha, é que todos estejam "conscientes de que é preciso informar o país e levar ao conhecimento das pessoas a verdade".

Condenação pública

"A minha consciência diz-me que Julino Kalupeteka é um cidadão que precisa dos meus serviços", responde David Mendes quando questionado sobre os motivos que o levam a defender o líder da seita. "Eu vejo em Kalupeteka um homem que está ser publicamente condenado e que precisa de alguém que o ampare. E eu quero ampará-lo", garantiu.

Angola Associação Mãos Livres in Luanda

Advogados da Associação Mãos Livres estão no Huambo para preparar "caso Kalupeteka"

David Mendes tem igualmente em mãos o processo do jornalista angolano Rafael Marques, acusado de crime de calúnia e difamação por sete generais e por responsáveis de duas empresas diamantíferas.

Também já representou em tribunal o ativista cívico Nito Alves, acusado pelos agentes dos serviços secretos por crime contra a pessoa do Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, e os órgãos de soberania, bem como os ativistas Alves Kamulingue e Isaías Cassule, assassinados por agentes da segurança angolana em 2012.

Leia mais