Adalberto Costa Júnior teria Chivukuvuku como vice nas eleições de 2022, diz jornal | Angola | DW | 07.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Adalberto Costa Júnior teria Chivukuvuku como vice nas eleições de 2022, diz jornal

Informação avançada pelo Novo Jornal cita encontro de lideranças da oposição angolana. Costa Júnior e Chivukuvuku disputariam as presidenciais pela Frente Patriótica Unida, uma coligação entre UNITA, BD e PRA-JA.

O dirigente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Adalberto Costa Júnior, terá sido o escolhido para liderar a Frente Patriótica Unida na corrida às eleições de 2022.

A notícia é avançada pelo Novo Jornal, que dá conta de uma "reunião secreta" do projeto que junta a UNITA, o Bloco Democrático e o PRA-JA Servir Angola numa tentativa de derrotar o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) no próximo pleito presidencial.

Segundo o jornal angolano, o plano é formar a coligação tendo o líder do maior partido da oposição, Adalberto Costa Júnior, como número um da lista e o líder do projeto político PRA-JA, Abel Chivukuvuku, como número dois.

Assistir ao vídeo 00:46

Ativistas feridos e detidos em protesto em Angola

A reportagem do Novo Jornal cita uma fonte presente ao encontro para salientar que a reunião ocorre a portas fechadas esta semana e trabalha também na composição da futura lista dos candidatos a deputados da Frente Patriótica Unida - entre os quais, além dos partidos, nomes "sonantes na sociedade civil".

Empenho para 2022

A coligação da oposição angolana encontra algum ceticismoquanto à sua robustez e articulação para a disputa do pleito presidencial de 2022, embora, por outro lado, muitos acreditem que a aliança já esteja a tirar sono ao MPLA. 

Em abril, Adalberto Costa Júnior garantiu que "a UNITA estava amplamente empenhada em liderar uma frente unida e democrática para materializar a alternância do poder político em 2022".

Costa Júnior considerou que há um "sonho adiado de uma Angola inclusiva e participativa com um Governo que assuma o compromisso de uma ampla revisão da Constituição através diálogo”" abrangente. 

Assistir ao vídeo 03:22

Angola: 10 anos de protestos antigovernamentais

Leia mais