Acordo histórico entre UEFA e Associação Europeia de Clubes | MEDIATECA | DW | 07.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

Acordo histórico entre UEFA e Associação Europeia de Clubes

Já não há margem para a criação de uma "super liga" europeia de clubes. O memorando assinado entre a UEFA e a Associação Europeia de Clubes fortalece posições e reforça objetivos comuns.

UEFA-Präsident Aleksander Ceferin (picture-alliance/dpa/L.Duperrex)

Aleksander Čeferin, Presidente da UEFA reeleito hoje, em Roma.

É um memorando histórico para o futebol europeu: a UEFA e a ECA (sigla inglesa para a Associação Europeia de Clubes) assinaram, em Roma, um documento que afasta definitivamente a possibilidade de criação, à revelia da UEFA e sem o apoio da FIFA, de uma "super liga" europeia envolvendo equipas dos cinco mais fortes países continentais (Alemanha, Espanha, França, Inglaterra e Itália).

A "ameaça" era real e tinha partido de uma consulta efetuada pelo Real Madrid para construir uma competição paralela à Liga dos Campeões, envolvendo 16 grandes emblemas do futebol europeu, a partir de 2021. Os "merengues" projetaram um torneio com 11 clubes das cinco ligas dominantes, acrescido de cinco formações históricas de campeonatos considerados "periféricos" (como o holandês, o belga, o russo e o português). Desde logo, e após a revelação dos planos madridistas, o Presidente da FIFA, Gianni Infantino, veio a terreiro sublinhar que qualquer equipa eventualmente envolvida nessa competição seria banida da possibilidade de disputar o Mundial de Clubes, sob a égide da federação mundial.

Memorando válido até 2024, menos pressão nos calendários

Agora, é o esloveno Aleksander Čeferin que coloca uma pedra sobre as intenções de "rebelião", chamando a associação de clubes e o seu líder (o italiano Andrea Agnelli, Presidente da Juventus) à assinatura de um "memorando de entendimento", em que as duas partes se comprometem, em conjunto, a continuar a procurar soluções "para o fomento, a promoção e o desenvolvimento do futebol europeu".

Fußball Italien Juve Präsident Agnelli droht Sperre

O líder da Juventus e da Associação Europeia de Clubes, Andrea Agnelli, reforça entendimento com a UEFA

A existência de um "movimento silencioso" envolvendo os "big six" da liga inglesa (Manchester United, Manchester City, Arsenal, Chelsea, Tottenham e Liverpool) foi revelada pelo Football Leaks em novembro passado e perde qualquer sustentabilidade com o acordo agora firmado entre UEFA e ECA, tanto mais que, para lá de Čeferin (que será hoje, na capital italiana, reeleito para um segundo mandato como presidente do organismo que gere o futebol europeu), também Greg Clarke, o líder da federação inglesa, será vice-presidente da FIFA.

Outro dos objetivos essenciais do acordo agora rubricado é a garantia de um calendário menos pesado para os principais clubes, seleções e jogadores. A necessidade de garantir períodos adequados de repouso e treino obriga a que os calendários competitivos sejam repensados, para evitar sobrecarga de momentos competitivos que acabam por retirar aos protagonistas a possibilidade da manutenção de um rendimento elevado.

UEFA Champions League | Bayern München vs. Ajax Amsterdam

Nas eliminatórias das competições europeias, os golos fora de casa podem deixar de valer como fator de desempate

Golos fora de casa podem deixar de valer a dobrar

O Comité Executivo da UEFA estuda a abolição da regra dos "golos fora" como fator de desempate para as eliminatórias das duas competições. Depois de escutar alguns dos principais treinadores do futebol europeu, parece consensual a ideia de que, atualmente, é mais fácil marcar golos na condição de visitante do que sucedia há alguns anos (fator que, aliás, conduziu à implementação deste fator de desempate).

Desta forma, é altamente provável que, nos próximos anos, tal regra deixe de existir nos regulamentos específicos das competições da UEFA, passando cada golo a valer de modo unitário, em qualquer circunstância. Todavia, a decisão final em relação a esta matéria só deverá ser tomada na próxima reunião do Comité Executivo, marcada para 29 de maio, em Baku, no Azerbeijão.

Leia mais