1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
João Lourenço, cabeça de lista do MPLA, e Adalberto Costa Júnior, candidato da UNITA
João Lourenço, cabeça de lista do MPLA, e Adalberto Costa Júnior, candidato da UNITAFoto: AFP/Getty Images

Apoios políticos trocados nas famílias Savimbi e Dos Santos

Borralho Ndomba
23 de agosto de 2022

A campanha eleitoral em Angola trouxe algumas surpresas, como o facto de filhos de Jonas Savimbi e de José Eduardo dos Santos apelarem a votos em sentido contrário. Kanganjo votará em Lourenço e Tchizé apoia Adalberto.

https://p.dw.com/p/4FwGo

Angola vai a votos na quarta-feira (24.08) e dois partidos polarizaram a campanha, o Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA) e a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA).

Para surpresa de muitos, Kanganjo Tão Savimbi, um dos filhos mais velhos do líder fundador da UNITA, Jonas Savimbi, declarou que iria votar em João Lourenço, o cabeça de lista do MPLA.

Já Tchizé dos Santos, filha do presidente emérito do MPLA, quer o líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior, na Presidência da República.

Os apelos de Tchizé dos Santos, antiga deputada e filha de José Eduardo dos Santos (JES), são conhecidos desde os últimos dois meses. Mas do lado da UNITA, a polémica estalou na noite do último sábado (20.08), quando começou a circular nas redes sociais um vídeo de Kanganjo Tão Savimbi apelando ao voto no MPLA de João Lourenço.

No vídeo, o filho do fundador da UNITA, Jonas Savimbi, diz que o voto desta quarta-feira deve "acima de tudo" defender o interesse nacional. "Devem defender as grandes conquistas como a paz, a reconciliação nacional e a democracia. Caros companheiros, o voto de quarta-feira deve ser sobretudo um voto patriótico. Eu voto na continuidade, na estabilidade, para o desenvolvimento do meu e nosso país".

Luli Savimbi:
Luli Savimbi: "Cada irmão tem uma forma de ver as coisas"Foto: Borralho Ndomba/DW

Rotura nos ideais da família Savimbi?

Um dia após este apelo, no tempo de antena da UNITA, filhos mais novos de Savimbi manifestaram apoio incondicional ao cabeça de lista do partido, Adalberto Costa Júnior.

Haverá uma rotura nos ideais políticos da família Savimbi? Luli Savimbi, outro filho do fundador da UNITA, nega que seja esse o caso, apesar do irmão defender o voto na continuidade.

"Somos irmãos e cada irmão tem uma forma de ver as coisas. Aquele é o ponto de vista dele. Nós estamos com a UNITA, estamos com o presidente Adalberto e a vitória será de todos nós, não importa quem apela para a continuidade", assegura.

Tchizé dos Santos, antiga deputada do MPLA
Tchizé dos Santos, antiga deputada do MPLAFoto: privat

JES queria "vitória da UNITA"?

Tchizé dos Santos vem da família do MPLA, mas apelou ao voto no cabeça de lista da UNITA. A filha do ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, disse que o último desejo do pai, falecido há mais de um mês, era ver a UNITA a vencer as eleições desta quarta-feira.

"Esta minha campanha em prol de Adalberto Costa Júnior é mesmo para salvar o MPLA. Porque se João Lourenço comete o erro de ganhar as eleições com batota e ficar à força, o MPLA vai acabar. Ele não vai conseguir governar, já não tem credibilidade e o partido vai implodir", argumenta Tchizé dos Santos, que está fora do país e alega estar a ser vítima de perseguição política.

Kanganjo Tão Savimbi, um dos filhos mais velhos do fundador da UNITA
Kanganjo Tão Savimbi, um dos filhos mais velhos do fundador da UNITAFoto: Borralho Ndomba/DW

Kanganjo Tão Savimbi é atualmente conselheiro da Embaixada de Angola no Senegal. Foi nomeado em fevereiro deste ano, meses depois de João Lourenço ter recebido em audiência seis filhos do antigo líder da UNITA, que lhe agradeceram pela realização do funeral do pai.

O analista político Wilson Calunga acredita que há interesses pessoais por trás dos apelos de Tchizé dos Santos e de Tão Savimbi.

"Neste caso, ao apelar o voto, Tão Savimbi está a apelar [à continuidade do] partido que lhe confiou o cargo na embaixada de Angola", conclui.

Calunga entende que há, de facto, uma rotura política na família Savimbi: "Nos últimos tempos, havia uma coesão no apoio a um único partido, que era a UNITA. Hoje vê-se uma família de Savimbi dividida no que tange a assuntos políticos".

Angola: A influência do sistema político na balança do poder

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado