″Acabar com ′José Eduardismo′ para sempre″, diz histórico do MPLA | Angola | DW | 21.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"Acabar com 'José Eduardismo' para sempre", diz histórico do MPLA

Histórico do MPLA, Ambrósio Lukoki apela à saída de José Eduardo dos Santos da presidência do partido e considera que decisões do novo chefe de Estado "reanimam a esperança".

Angola Jose Eduardo dos Santos (Getty Images/AFP/A. Jocard)

José Eduardo dos Santos

Antigo embaixador, ministro e membro, durante 40 anos, até 2016, do comité central do MPLA, partido que governa Angola desde 1975, Ambrósio Lukoki convocou a imprensa, em Luanda, esta terça-feira (21.11.) para apelar à saída do ex-chefe de Estado José Eduardo dos Santos.

"Pela credibilidade republicana, ética e moral, convém José Eduardo dos Santos demitir-se de imediato do posto de presidente do partido MPLA", apontou. 

DDR Angola Afrika MPLA Ambrósio Lukok in Ost-Berlin bei SED Parteitag (Bundesarchiv/183-Z0041-138/M. Siebahn)

Ambrósio Lukoki (Na foto, no canto superior direito) - 1981 em Berlim oriental

Desde que tomou posse, a 26 de setembro, na sequência das eleições gerais angolanas de 23 de agosto, João Lourenço procedeu a exonerações de várias administrações de empresas estatais, dos setores de diamantes, minerais, petróleos, comunicação social, banca comercial pública e Banco Nacional de Angola, anteriormente nomeadas por José Eduardo dos Santos.

Decisão mais mediática

A exoneração de Isabel dos Santos, filha do ex-chefe de Estado, do cargo de presidente do conselho de administração da petrolífera estatal Sonangol, aconteceu na quarta-feira passada (15.11.) e foi a decisão mais mediática, seguindo-se a polícia e as chefias militares.

José Eduardo dos Santos anunciou em 2016 que pretendia abandonar a vida política em 2018, mas nesse mesmo ano recandidatou-se, de novo, à liderança do MPLA, renovando o mandato de cinco anos.

Angola Isabel dos Santos spricht zu Journalisten (Reuters/E. Cropley)

Isabel dos Santos

"Neste momento, as principiais iniciativas de João Lourenço, Presidente da República de Angola, acolhem os bons sentimentos dos militantes de base do partido MPLA, reanimando a sua esperança na reviravolta dos recuos que se têm sucedido nas eleições", afirma, por seu turno, Ambrósio Lukoki.

'José Eduardismo' deve acabar definitivamente 

Crítico de José Eduardo dos Santos, o que o levou a pedir a retirada do nome da lista candidata ao comité central no congresso de 2016, Lukoki vai ainda mais longe, assumindo que é necessário "acabar com [o] 'José Eduardismo' para sempre".

"O 'José Eduardismo' é o tal reinado com absolutismo de quase 40 anos, é a tal tomada de refém do povo angolano, é o tal regime de corrupção objeta, que como regime profundamente corrompido, corrompe cada vez mais e espalha a corrupção aos bajuladores, assim como a prática do nepotismo, a tal falta de respeito ao povo e cinicamente considera o povo angolano de idiota", acusa ainda o histórico do MPLA.

Ainda na última reunião ordinária do comité central do partido, realizada a 23 de outubro, José Eduardo dos Santos viu o partido aprovar-lhe uma declaração de apoio.

Angola Luanda Kongress MPLA (DW/V. T.)

Congresso do MPLA 2016

Desde o congresso do partido, em agosto de 2016, que João Lourenço assumiu a vice-presidência do MPLA, mas, além da não recandidatura ao cargo de chefe de Estado, nas eleições gerais deste ano, José Eduardo dos Santos nunca chegou a esclarecer os moldes que pretendia deixa a vida política.

"O partido MPLA dá a impressão de não ter projetos concretizáveis para além das suas pretensões ou ambições desconectadas da situação de Angola em renovação. Se a refundação significa somente uma preservação, então, para o partido MPLA, vira o tempo de evaporação", alertou ainda Ambrósio Lukoki.

Nova estratégia do MPLA

Para o nacionalista e histórico do MPLA, o partido necessita de uma "estratégia bem articulada", um candidato presidenciável "e sobretudo um líder na capacidade de o encarnar".

"Pelo que é muito imperioso ao nível do partido MPLA legitimar e legalizar o Presidente João Lourenço na plenitude do seu voto citadino que mereceu da parte do eleitorado do povo angolano soberano", concluiu.

 

Leia mais