Abertura de recintos desportivos em tempos de Covid-19 divide opiniões | Angola | DW | 18.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Abertura de recintos desportivos em tempos de Covid-19 divide opiniões

Estão oficialmente reabertos os recintos desportivos, a partir de hoje (18.01). A medida surge na sequência do novo decreto presidencial que atualiza as medidas de prevenção da Covid-19. As opiniões estão divididas.

Angola Stadion des 11. November in Luanda

Estádio 11 de novembro em Luanda, Angola

O cidadão Adão Sobeto, residente em Luanda, louva a iniciativa do Governo angolano.  

"O país vem registando novos casos de infeção bastante reduzidos, inclusive o número de casos recuperados superior ao número de casos novos. Então, acredito que foi uma medida bastante assertiva”, compara.

Mas o cidadão Mateus Mutanda Sadrack, outro residente da capital angolana, não vê a medida com bons olhos por causa da nova variante da Covid-19, que suspeita estar em Angola.   

"Não é bom que o Estado tome essa medida de reabertura dos recintos desportivos porque os recintos desportivos serão o local ideal para mais contágios”, desconfia. 

Os clubes que militam no Girabola, principal campeonato do futebol angolano, congratulam-se com a medida. Em entrevista à Rádio Nacional de Angola (RNA), Victorino Vissele, vice-presidente do Williete Futebol Club de Benguela, destaca a importância da presença do público nos estádios.

"Não há espectáculo no futebol sem público”, lembra. 

Osvaldo Manuel, jornalista angolano, que por várias edições do Girabola Zap cobriu os jogos em direto, concorda e diz que "o público traz sempre outra tónica aos estádios. É aquele que cativa, que anima e que coloca o sal no alimento. É o adepto.” 

Coronavirus Angola Luanda Polizei

Polícia faz o controlo das medidas de prevenção da Covid-19 no bairro Camama

Que condições oferecem os recintos?

Mas mostra-se reticente em relação às condições que estádios do país dispõem nesse contexto de Covid-19.  

"Eu tenho a certeza, frequentei os estádios e conheço. Os bancos dos estádios muitas vezes não eram lavados. Temos grandes problemas de limpeza nos estádios. Os estádios de Angola só tratam da relva, mas nada. Quarto de banhos não funcionam e as bancadas não são limpas”, revela.

Com esta medida que entra em vigor, oficialmente esta segunda-feira (18.01), é preciso que os adeptos e as equipas de limpeza dos estádios cumpram as orientações das entidades sanitárias, defende o jornalista desportivo.

"Máscaras bem postas no rostos, medir a temperatura do individuo e desinfetar sempre as mãos à porta do estádio para que não se leve o vírus para o interior do estádio...”, lista Osvaldo Manuel.

Esta medida surge numa altura em que já se disputa o Girabola 2021, liderado pelo Petro de Luanda com 9 pontos.  

Entretanto, o decreto presidencial, que autoriza a reabertura dos estádios, mantém a cerca sanitária para Luanda. O cidadão Mateus Mutanda Sadrack questiona a manutenção da medida: "Se pode se reabrir os recintos desportivos, então, poderiam reabrir também a cerca sanitária de Luanda".

E justifca: "Interessa-nos mais a [reabertura] da cerca sanitária de Luanda, porque está a impedir o desenvolvimento económico e social do que propriamente os recintos desportivos.”

Assistir ao vídeo 05:42

Um professor entre as vendedoras de bombó com ginguba

Leia mais