A luta desesperada da Nigéria contra a corrupção | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 30.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

A luta desesperada da Nigéria contra a corrupção

Sete anos após Muhammadu Buhari ter prometido derrotar rapidamente a corrupção, os nigerianos que agora estão pior do que estavam em 2015 duvidam que a guerra anticorrupção do Presidente seja, de facto, bem sucedida.

O Governo Buhari prometeu combater a corrupção, mas não há muito o que celebrar nos últimos anos

O Governo Buhari prometeu combater a corrupção, mas não há muito o que celebrar nos últimos anos

O Presidente nigeriano Muhammadu Buhari durante a sua campanha eleitoral de 2015 prometeu não só derrotar rapidamente o grupo terrorista Boko Haram e impulsionar a economia falida, mas também tomar medidas decisivas contra a corrupção.

Um grande número do eleitorado do país apoiou a sua candidatura presidencial nas urnas, na esperança de um ponto de viragem na luta contra a corrupção endémica.

"Um dos principais planos em que o atual Governo foi o de combater a corrupção. Mas não foi capaz de o fazer", disse à DW Sheriffdeen Tella, professor de economia na Universidade Olabisi Onabanjo da Nigéria.

"De facto, o nível de corrupção aumentou tanto que as pessoas perderam a esperança na sua capacidade de o fazer", acrescentou Tella.

"E a corrupção tem de facto estado presente. Não afetou apenas o setor da educação, afetou também o setor da saúde e todos os outros setores da economia".

Nigeria Präsident Buhari

A luta contra a corrupção foi um dos principais elementos da campanha eleitoral de Buhari

Já lá foram mais de sete anos desde que os nigerianos puseram a sua esperança em "SaI Baba", como Buhari é popularmente conhecido.

Muitos queixam-se de como a vida piorou desde que Buhari chegou ao poder e expressam dúvidas sobre a sua prometida guerra anticorrupção.

Roubo chocante

Lanre Arogundade, sindicalista e antigo presidente da Associação Nacional de Estudantes Nigerianos (NANS), disse à DW que as preocupações dos nigerianos são pertinentes.

"Ninguém pode culpar os nigerianos se, nesta fase, duvidam do combate à corrupção. E a razão para isto não pode ser exagerada", disse ele à DW.

"Pode-se dar o exemplo gritante da alegação contra o contabilista-geral da federação que roubou sozinho cerca de 80 mil milhões de nairas [cerca de 180 milhões de euros]".

A Comissão de Crimes Económicos e Financeiros da Nigéria (EFCC) prendeu o chefe do Tesouro nigeriano, Ahmed Idris, alegdamente envolvido em desvio de fundos públicos.

Nigeria Wahlen

Muitos nigerianos queixam-se de como a vida se tornou pior desde que Buhari chegou ao poder

"Este desenvolvimento tem na realidade confundido muitos na medida em que os nigerianos têm vindo a calcular quantos anos seriam necessários para um único indivíduo gastar este dinheiro", acrescentou Arogundade.

A análise financeira indicou que se fosse gasto 1 milhão de nairas todos os dias, este montante ascenderia a 365 milhões de nairas num ano. Por conseguinte, seriam necessários 10 anos para gastar cerca de 3,6 mil milhões dos 80 mil milhões de nairas. E 100 anos para despender 36 mil milhões de nairas.

Uma das consequências do alegado desvio de Idris é o encerramento das universidades públicas da Nigéria. Os professores universitários disseram que ele é parcialmente responsável pela greve em curso do Sindicato do Pessoal Académico das Universidades (ASUU) que pôs o futuro da juventude nigeriana em suspenso.

Em qualquer lugar, menos na Nigéria

Collin Xavier, um estudante de direito internacional na Universidade Nacional Karazin Kharkiv da Ucrânia, mal dorme hoje em dia.

É auto-patrocinado após a sua formação para ser estilista e designer numa escola de moda nigeriana.

A sua fome de sucesso levou-o à Ucrânia para a sua educação. O seu futuro parecia brilhante, até que a Rússia invadiu a Ucrânia a 24 de fevereiro. Teve a sorte de escapar com a sua vida - e pouco mais - para Berlim.

Afrikaner in der Ukraine: Ein Student fürchtet um sein Leben

Jovens nigerianos que foram à Ucrânia para uma melhor educação perderam tudo com a invasão russa

O regresso à Nigéria não é realmente uma opção para Xavier. Ele teme a corrupção endémica que pôs o país de joelhos. Ele preocupa-se com a qualidade da educação na Nigéria devido ao incessante encerramento de universidades por causa das greves dos professores - situação causada pelas ações corruptas dos titulares de cargos públicos.

Cada vez mais fundo

A corrupção não é certamente um fenómeno novo na Nigéria. Pelo contrário, há muito que é um elemento intrínseco da sociedade nigeriana, afetando praticamente todas as esferas do país da África Ocidental.

Em 2021, a Nigéria classificou-se em 154º lugar entre 180 países listados no Índice de Corrupção da Transparência International.

As evidências indicam que a corrupção é culturalmente aceitável porque os membros da família, tribo ou grupo étnico beneficiam dos ganhos ilícitos de um indivíduo.

No momento em que o ex-Presidente nigeriano Goodluck Jonathan renunciou ao seu papel governamental, o país estava à beira da ruína devido à corrupção endémica que se manifestava de forma imprudente.

Präsidentschaftswahlen Nigeria Muhammadu Buhari und Anhänger

Buhari também prometeu derrotar o grupo terrorista Boko Haram, mas a ameaça terrorista continua no país

Sete anos mais tarde, na sequência de uma mudança histórica de poder com base no combate à corrupção na Nigéria, diz-se que a nação mais populosa da África Ocidental está a afundar-se mais profundamente na lama da corrupção.

As forças de segurança nigerianas estão a combater uma insurreição jihadista de 12 anos por militantes do Boko Haram no noroeste do país que já matou mais de 40.000 pessoas.

Quer em termos da promessa do Presidente de derrotar rapidamente Boko Haram, quer em termos da reparação da economia, era evidente que a integridade de Buhari seria posta à prova.

Muitos nigerianos acreditaram nele ao visitarem o seu passado - quando era chefe de Estado militar e era considerado uma pessoa sensata - e, portanto, depositaram muita esperança nele. Pesquisas aprofundadas indicaram que tal investimento é sem precedentes na história da Nigéria.

Mesmo após os seus primeiros quatro anos no cargo, muitos deram ao Governo liderado por Buhari o benefício da dúvida de que seria difícil fixar o estado da Nação, dado o grau de podridão que tinham herdado.

Uma salada de esperança

O Governo começou com uma nota muito boa, mas regrediu no ponto em que muitos dos esforços eram para dar frutos, Olanrewaju Suraju, presidente da Agenda de Desenvolvimento Humano e Ambiental (HEDA, na sigla em inglês) disse à DW. Suraju considera os membros do gabinete de Buhari responsáveis por isto.

"E, alguns deles - uma série de muitos dos ministros que são fiés a Buhari - os mesmos políticos que só agora mudaram o seu partido político, mas não a sua orientação, decidiram aproveitar a oportunidade da anticorrupção para serem também corruptos e partilharem alguns dos saques recuperados", disse.

Nigeria Kabinett Muhammadu Buhari Präsident

Gabinete do Presidente nigeriano Muhammadu Buhari

Notando que o Presidente Buhari talvez esteja sobrecarregado, Suraju disse: "Queremos ver uma situação em que ele responsabilize as pessoas. Não são apenas alguns; tem de ser [uma responsabilização] holística. Esperamos uma ação mais firme por parte do Presidente e isso falta em alguns casos. Por isso, isso dá muitos motivos de preocupação".

Para salientar a importância do combate à corrupção para o crescimento socioeconómico - que está a ser levantada a nível global - Buhari através da agência anticorrupção, a EFCC, deteve e até processou alguns titulares de cargos públicos, sendo o último deles o contabilista-geral do país pela fraude espantosamente monumental que tem vindo a perpetrar há anos.

Nigeria Abdulrasheed Maina

Supremo Tribunal Federal da Nigéria condenou o ex-presidente do fundo de pensão Abdulrasheed Maina a oito anos de prisão

Mas os nigerianos dizem que o combate à corrupção não deve ser apenas sobre investigações, detenções e acusações, deve ser sobre prevenção - algo que falta ao Governo liderado por Buhari.

"O que não temos visto sob este Governo é a prevenção da corrupção de tal forma que ela continua a acontecer de novo, e de novo, e de novo", disse o sindicalista Arogundade à DW.

Má preparação e economia falhada

O Governo liderado por Buhari parece incapaz de lidar com o nível de corrupção que tem engolido a economia.

As investigações revelam que tem sido bastante difícil para o Governo salvar a economia do país, porque as consequências da corrupção estão a afetar em grande medida a produção, bem como a distribuição de bens.

Para o professor Tella, o Governo não estava preparado para a magnitude dos problemas com que tem de lidar, e que não podia sequer começar a ultrapassá-los - para não falar em proporcionar uma liderança forte para fazer crescer a economia nigeriana.

Nigeria Tankstelle in Lagos

Os nigerianos duvidam que o Governo liderado por Buhari possa conter a corrupção e consertar a economia à medida que o preço do diesel dispara

Arogundade também duvida que o Governo consiga corrigir a economia.

"É evidente que as coisas não estão realmente a funcionar. O gasóleo que é suposto ser desregulamentado, e parte do argumento a favor da desregulamentação era que, em última análise, iria fazer baixar os preços, mas os preços continuam a disparar em todo o lado. Portanto, há dúvidas óbvias sobre a capacidade do Governo para realmente corrigir a economia".

Dias "interessantes" pela frente

O presidente da HEDA disse à DW que as atividades fraudulentas perpetradas nos últimos oito anos seriam expostas depois de o atual Governo renunciar ao poder, porque as agências anticorrupção são atualmente tímidas para o fazer agora.

"Vamos ver muita exposição depois de o Governo deixar o cargo. Muitas das agências de aplicação da lei e anticorrupção ou estão comprometidas; tímidas, para revelarem realmente algumas das atrocidades que lhes foram relatadas", disse.

Suraju disse ainda que as agências anticorrupção da Nigéria não atingiram o nível de independência para se pronunciarem contra a corrupção e as atrocidades cometidas pelos detentores de cargos políticos.

Nigeria Rivers State | Wahlkampf Muhammadu Buhari, Präsident

Muitos nigerianos apoiam a identificação de suspeitos investigados por corrupção

"Assim, eles preferem tecnicamente não pôr em risco o seu cargo e apenas optar por esperar até que seja considerado oportuno para eles derramarem realmente os feijões e depois tomarem as medidas apropriadas. Veríamos muito disso acontecer quando este Governo deixasse o cargo", acrescentou.

Os nigerianos têm ido a várias plataformas de comunicação social, apelando à identificação pública de indivíduos e instituições que estão a ser investigados por corrupção por parte das várias agências anticorrupção.

O caminho a seguir

Todos os peritos neste artigo disseram à DW que a Nigéria precisa de um Governo que, desde o início, combata a corrupção com transparência e responsabilidade. Todos expressaram a preocupação de que está a tornar-se cada vez mais difícil acreditar que, se Buhari não o pudesse fazer, quem mais o poderia fazer?

O professor Tella disse que não havia saída para a Nigéria a curto prazo: "Até depois das eleições do próximo ano, ou seja 2023, é quando podemos dizer que estamos prontos para melhorar quer na questão da corrupção quer na economia em geral".

Ele disse que uma guerra anticorrupção requer um plano nacional - algo que falta ao Governo liderado por Buhari.

Luta contra a corrupção na Nigéria

"O que deve fazer primeiro é ter um plano. E esse plano deve ser capaz de nos levar até onde devemos estar nos próximos 20, 30 anos", disse o professor Tella à DW. "Por enquanto, não existe tal plano e até termos tal coisa, o Governo continuaria a tentar e a cometer erros ao longo do tempo".

Lanre Arogundade duvidou da possibilidade de um fim à corrupção na Nigéria. "Continuamos a falar sobre a mesma coisa: o facto de a corrupção ainda estar muito presente. Parece que estamos sentados na cadeira de um barbeiro que continua a rodar e nada mudou realmente".

"Teria sido bom poder dizer que existe um fim à vista para a corrupção endémica no país, mas definitivamente é algo que é demasiado difícil de dizer", continuou. "É impossível não ser pessimista no que toca a esta questão em particular".

Suraju disse que uma mudança holística começaria com os nigerianos a rever os seus valores pessoais e familiares, porque os titulares de cargos públicos não caem do céu. "É uma função do lixo que entra, do lixo que sai. No momento em que continuamos a produzir estes níveis de personagens, então ainda os teríamos a aspirar e a tornar-se titulares de cargos públicos, o que nos estaria a causar este nível de dificuldade".

Ele disse que imbuir a cultura e a orientação não só do patriotismo, mas também da responsabilidade das crianças nigerianas é crucial.

"Precisamos realmente de verificar o tipo de pessoas e personagens que estamos a mandar para a sociedade".

Nigéria: Obasanjo critica políticas de combate à corrupção