A literatura continua um instrumento de luta em Angola? | Angola | DW | 02.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

A literatura continua um instrumento de luta em Angola?

As manifestações parecem ser a arma de reivindicação mais contundente, mas o especialista em literatura e escritor angolano Luís Kandjimbo entende que a literatura contribui de igual modo para o exercício das liberdades.

Luís Kandjimbo, especialista em literaturas africanas e escritor

Luís Kandjimbo, especialista em literaturas africanas e escritor

O escritor e especialista em literaturas africanas Luís Kandjimbo reconhece que a literatura já teve um papel determinante na história de Angola, principalmente para a condução da independência do país, mas não desvaloriza a atual produção literária.

Sobre "democratização" do prestígio e reconhecimento normalmente centrados nos sonantes nomes da escrita, o académico angolano entende que o Estado têm uma responsabilidade. Conversámos com Kandjimbo. 

DW África: Fez parte da chamada geração das incertezas e foi fundador do grupo literário Ohandanji. A literatura em Angola ainda é anexada a movimentos literários ou ela é mais "solta"?

Luis Kandjimbo (LK): Curiosamente continuam a haver movimentos, as gerações que se vêm revelando hoje continuam a mostrar uma propensão para a criação de círculos de interesses. E esse fenómeno é histórico na literatura angolana, começou na década de 30-40 do século XX. Eu próprio faço parte de uma geração que também protagonizou esta tendência para criar movimentos literários, e o fenómeno continua hoje. Por vezes, nem sempre há preocupação em conhecer um pouco a história para que não se repitam erros. Mas curiosamente isso vem acontecendo, há movimentos, posso falar de alguns deles, há associações que retomam o modelo de associativismo literário que já houve há 30-40 anos.

DW África: Num raio x a literatura contemporânea angolana, qual seria o seu diagnóstico?

LK: A literatura angolana continua pujante e muito dinâmica, apesar de, do ponto de vista editorial, não haver uma correspondência para esta produtividade dos autores. Seria ótimo que, do ponto de vista editoral, houvesse uma capacidade como a que tivemos nos anos 80 do século XX, mas os tempos são outros, há mais autores a fazerem ficção narrativa, poesia, o texto dramático vai sendo cultivado. Mas lamentavelmente essa produção nem sempre tem correspondência na produção editorial, em termos de livros publicados.

José Eduardo Agualusa, Das Buch der Chameleons

Muitos escritores optam por editar fora pela falta de condições em Angola

DW África: A literatura em Angola deixou de ser um instrumento de luta e consciencialização, como foi no tempo colonial e nos anos 80?

LK: A literatura angolana, do ponto de vista da história, teve, de facto, uma grande componente que se inscreveu nas décadas de 40 e 50, nesta lógica libertária, da luta pela independência, mas hoje os tempos são outros. Alcançada a independência, houve aquele período de partidos únicos que, do ponto de vista ideológico, afastavam a literatura, com aquela visão marcada pelo marxismo, mas hoje isso já não acontece. As ruturas do ponto de vista estético, com projeção política, começaram a ocorrer com a geração de 80, em que as preocupações de articulação do discurso literário com a dimensão ética se foram redefinindo, e a partir dessa altura a questão ideológica deixou de ser marca definidora do discurso literário para ser um pouco mais livre dessas amarras que condicionavam o pensamento e a atividade criativa.

DW África: Não podemos ainda dizer que a literatura enquanto arma foi substituída por manifestações de rua por parte dos jovens...

Angola Proteste gegen Gouverneur in Dondo

Manifestações contra o Governo têm sido o pão de cada dia em Angola

LK: A literatura é uma atividade iminentemente criativa e por conseguinte muito propensa a centrar-se no eu do criador, de tal maneira que, sendo um papel que é exclusivamente individual, assente na pessoa de quem se dedica a essa atividade, é muito difícil admitir que a literatura não seja uma ferramenta complementar das atividades cívicas, que têm uma dimensão mediática muito maior, eventualmente. A literatura é hoje mais uma ferramenta que contribui de igual modo para o exercício das liberdades.

DW África: O reconhecimento e o prestígio literário em Angola são já "democratizados"? Ou seja, os jovens autores com mérito já são valorizados e reconhecidos?

LK: A questão da meritocracia no domínio da literatura é um pouco um problema que articula um outro tipo de ações realizadas pelo Estado e instituições ligadas ao Estado. O prestígio e a meritocratização da atividade literária passam necessariamente por uma maneira nova de os jornalistas olharem para o papel que os escritotes têm e sobretudo para o resultado da sua atividade, que é o livro. E isto está a ser um pouco mais lento e mais difícil porque as redações dos órgãos de comunicação social nem sempre são dotadas de jornalistas capazes de compreender o modo como deve funcionar o sistema cultural. 

Assistir ao vídeo 01:46

Kalaf Epalanga: escritor angolano na Feira do Livro de Leipzig

Leia mais