A ″blitzkrieg″ que ″falhou″: Guerra na Ucrânia começou há quatro meses | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 24.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

A "blitzkrieg" que "falhou": Guerra na Ucrânia começou há quatro meses

Assinalam-se esta sexta-feira quatro meses desde que a guerra começou na Ucrânia. Quais são as principais consequências do conflito?

Passam quatro meses desde que a Rússia invadiu a Ucrânia. As Nações Unidas estimam que cerca de 5.000 civis foram mortos e mais de 15 milhões de ucranianosforam obrigados a fugir das suas casas desde o início do conflito.

Depois dos primeiros ataques oriundos das fronteiras a norte, leste e sul do país, incluindo à capital Kiev, as tropas de Vladimir Putin concentraram os seus esforços na região leste e sul da Ucrânia para estabelecer um corredor terrestre com a península da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014.

Infografik Karte Russische Truppenbewegungen in der Ostukraine PT

Áreas da Ucrânia onde estão as tropas russas

Segundo Petro Poroshenko, antigo Presidente da Ucrânia, a Rússia acreditou que poderia fazer uma guerra relâmpago, mas "falhou". Encontrou forte resistência das tropas ucranianas.

"Por causa do Exército ucraniano, por causa dos nossos soldados, por causa da unidade do povo ucraniano, Putin percebe que a sua ideia de 'blitzkrieg' falhou", disse Poroshenko no início de março.

O chefe de Estado russo, Vladimir Putin, justificou a guerra - ou "operação militar especial", nas palavras do Kremlin - com a necessidade de "desmilitarizar" a Ucrânia para ajudar as regiões separatistas de Donetsk e Lugansk, alegadamente após a violação dos acordos de Minsk que visavam uma solução para o conflito nesses territórios.

Esta sexta-feira (24.06), as forças pró-Rússia da autoproclamada república separatista de Lugansk tomaram mais três localidades perto de Lisichansk, a última grande cidade sob controlo de Kiev no leste da Ucrânia após o anúncio da retirada das tropas ucranianas de Severodonetsk.

Crise alimentar e energética

A guerra na Ucrânia desencadeou uma crise energética global e uma crise alimentar.

De acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA, antes da guerra, a Ucrânia era responsável por 15% do comércio mundial de milho e 10% do comércio mundial de trigo. Mas com a Rússia a bloquear as exportações ucranianas nos portos do Mar Negro, há menos cereais disponíveis no mercado internacional, o que provocou uma subida dos preços, em especial no Médio Oriente e em África.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 (o grupo das sete maiores economias mundiais) anunciaram em comunicado, após uma reunião que decorreu esta sexta-feira (24.06) em Berlim, que a Rússia não só está a bloquear o acesso aos portos no Mar Negro, como também está a bombardear armazéns de trigo e infraestruturas agrícolas.

2023 será ainda pior? Mundo à beira de "catástrofe" alimentar

A guerra levou ainda a uma reviravolta no setor da energia.

A Rússia é o maior exportador de gás natural do mundo, o segundo maior fornecedor de petróleo bruto e o terceiro maior exportador de carvão. Mas, com a invasão à Ucrânia, a União Europeia decidiu acabar, de uma vez por todas, com a dependência da energia russa e procurar outras alternativas. 

Um dos líderes da União Europeia anunciou esta sexta-feira que a Comissão Europeia está a preparar um plano comum de emergência para a redução da procura de energia, que será apresentado em julho aos líderes da UE.

Candidata à União Europeia

Em plena guerra,a Ucrânia alcançou em quatro meses aquilo que não conseguiu durante muitos anos: obter o estatuto de país candidato à União Europeia.

Os chefes de Estado e de Governo da UE concederam na quinta-feira (23.06) à Ucrânia e à Moldávia o estatuto oficial de candidatas à adesão ao bloco, depois de uma recomendação da Comissão Europeia na semana passada.

O Presidente ucraniano disse que foi um momento "único e histórico". De acordo com Volodymyr Zelensky, "o futuro da Ucrânia é dentro da UE".

Polen | Ukrainische Flüchtlinge am Grenzübgang Korczowa

A guerra na Ucrânia fez com que mais de 15 milhões de pessoas tivessem de fugir das suas casas

O processo poderá, no entanto, demorar vários anos.

A Turquia, por exemplo, é candidata à adesão desde 1999. A Macedónia do Norte tem o estatuto de país candidato há 17 anos e a Albânia há oito. O processo depende do cumprimento de normas exigidas pela Comissão Europeia em diversas áreas - desde a independência da Justiça, ao combate ao crime organizado e à corrupção, entre outras.

A partir de domingo (26.06) e até terça-feira, a Ucrânia será um dos principais tópicos em discussão na cimeira do G7, que decorre na Alemanha. 

Os líderes dos Estados Unidos, Canadá, França, Itália, Japão, Reino Unido e Alemanha deverão debater como prosseguir com as sanções à Rússia. O chanceler alemão Olaf Scholz referiu que será preciso deixar claro, durante a cimeira, que a Ucrânia pode contar com o apoio de que necessita "durante o tempo que for necessário".  

O Presidente ucraniano foi convidado a participar na reunião. 

Líderes da UE decidem estatuto de candidato para a Ucrânia

Leia mais