″A Alemanha quer apoiar Moçambique″ na estabilização de Cabo Delgado | Moçambique | DW | 11.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

"A Alemanha quer apoiar Moçambique" na estabilização de Cabo Delgado

De visita a Cabo Delgado, Jan-Niclas Gesenhues, deputado dos Verdes, partido da coligação governamental alemã, frisou que o seu país tem de ajudar Moçambique na reconstrução das zonas afetadas pelo extremismo violento.

Deslocados de Mecufi, em Cabo Delgado.

Deslocados de Mecufi, em Cabo Delgado.

"A estabilidade em Cabo Delgado tem de ser duradoura", sublinhou Jan-Niclas Gesenhues, em Pemba. O deputado alemão do partido "Os Verdes" esteve durante três dias na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, e elogiou o trabalho da intervenção militar conjunta das Forças de Defesa e Segurança de Moçambique, do Ruanda e da SADC.

A intervenção militar contribuiu para o alcance da estabilidade na região. Ainda assim, é preciso que este tipo de apoio continue até que a calma seja sustentável, defendeu Gesenhues durante um contacto com os jornalistas, esta quinta-feira (10.03).

Face ao retorno relativo da segurança, alguns deslocados internos do conflito já equacionam o regresso às zonas de origem e o deputado diz que a Alemanha tem de ajudar nesse processo

Onde se aplicam os apoios?

A reconstrução das infraestruturas económicas e sociais demolidas pelos insurgentes durante as suas incursões, desde 2017, seria um dos caminhos.

"Há algumas pessoas que já pensam em regressar e devemos apoiá-las. Há outros que ainda preferem ficar. Em ambas as opções, nós, Alemanha, somos capazes de apoiar", disse Gesenhues.

Mosambik Jan Niclas Gesenhues

Jan-Niclas Gesenhues

O parlamentar especificou ainda que estes apoios seriam para a "reabilitação das comunidades para as pessoas poderem regressar, mas ajudar também os que ainda não podem ou não querem regressar, para que encontrem condições aqui para ficar".

Gesenhues falou ainda da necessidade de apoiar as comunidades com serviços essenciais, como segurança, saúde, energia e apoio alimentar.

Mais ajuda humanitária da UE

Desde o início da insurgência, mais de 859 mil pessoas foram obrigadas a fugir das suas casas. A Alemanha reforçou o apoio financeiro para a ajuda humanitária.

Em julho passado, Berlim anunciou a doação de 26 milhões de euros ao Programa Mundial para Alimentação (PMA) em Moçambique.

Ao todo, no ano passado, a União Europeia enviou 20 toneladas de ajuda, incluindo equipamento médico e kits de higiene.

Bruxelas promete continuar com o apoio este ano, para providenciar abrigos, água, saneamento e educação às vítimas do conflito.

Em janeiro, a UE admitiu também apoiar financeiramente o Ruanda, para que possa prosseguir o apoio no combate ao terrorismo.

Cabo Delgado em debate no Parlamento alemão

Jan-Niclas Gesenhues diz ser importante aliar os esforços militares para a estabilização do norte de Moçambique a projetos de desenvolvimento. Para o parlamentar alemão, os atores-chave do conflito devem adotar uma estratégia que envolva o desenvolvimento económico e social da região para se conseguir eliminar a insegurança.

Gesenhues promete que a situação no norte de Moçambique não será esquecida, mesmo havendo guerra na Europa, com a invasão russa da Ucrânia. "A situação em Cabo Delgado e em Moçambique também vai ser um ponto de debate no nosso Parlamento, e esta viagem serve muito bem para entender a situação", afirmou Gesenhues.

O parlamentar referiu que a situação do país seria ainda discutida nas próximas semanas.

Feierlichkeiten zum Tag der Streitkräfte in Mosambik

Forças militares em Cabo Delgado.

A Alemanha é um parceiro de longa data de Moçambique, e o país deveria agora concentrar as suas atenções na província de Cabo Delgado, acrescenta Gesenhues, que é membro da comissão de Cooperação e Desenvolvimento do Parlamento alemão.

Segundo Gesenhues, é importante para a Alemanha entender o que é necessário fazer para apoiar o país, ouvindo as necessidades de quem se queixa. "Queremos continuar e fortalecer a cooperação, mas acho que, agora com o conflito de Cabo Delgado, há também a necessidade de reagir, mudar o foco para esta região e apoiar a sociedade aqui", afirma.

"Presença militar é necessária para Cabo Delgado"

Alguns exemplos de ajuda que o parlametar mencionou envolvem a área psicossocial e ajuda às comunidades que acolhem os deslocados.

Respondendo a uma pergunta feita pela DW África, sobre se o cenário encontrado no terreno sugeria alguma necessidade de enviar militares alemães para o país, Gesenhues respondeu: "Aquilo que já fazemos é a missão europeia, que apoia as tropas moçambicanas através de qualificações, e acho que essa é uma contribuição importante".

Tendo isto em conta, acrescentou que a presença militar em Cabo Delgado é necessária para a estabilidade da região e que a possibilidade de financiamento da missão da SADC é o debate que se precisa de ter agora.

Devido à propensão de Moçambique a fenómenos naturais extremos, que resultam todos os anos em devastação, a cooperação na componente climática entre a Alemanha e Moçambique figurou também na agenda da visita do deputado dos Verdes.

Assistir ao vídeo 03:29

Instituto Agrário de Bilibiza segue em frente após ataque terrorista

Leia mais