2,3 milhões de crianças precisam de ajuda em Tigray | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 20.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

2,3 milhões de crianças precisam de ajuda em Tigray

O alerta é do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Conflito tem impossibilitado apoio a 2,3 milhões de crianças enquanto outros milhares estão em situação precária em campos de refugiados no Sudão.

"A falta de comunicações e as restrições de viagens à região de Tigray estão a impedir o apoio a 2,3 milhões de crianças que precisam de assistência humanitária", disse a diretora-geral da agência das Nações Unidas para a infância, Henrietta Fore, num comunicado divulgado esta sexta-feira (20.11).

A agência da ONU estimou que cerca de "12.000 crianças, algumas sem pais ou família, estão em campos de refugiados ou centros de acolhimento e estão em risco".

A província de Tigray, região dissidente no norte da Etiópia, tem sido palco de fortes combates desde o início das operações militares do Governo, em 04 de novembro. O primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed Ali, lançou uma ofensiva contra a Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF), que lidera a região e está a desafiar a autoridade do Governo Federal há vários meses.

Centenas de pessoas foram mortas e, de acordo com autoridades sudanesas, 36.000 cruzaram a fronteira para procurar refúgio no Sudão.

Muitos desses campos improvisados no Sudão estão sobrelotados e os refugiados vivem em condições insalubres, com acesso limitado a comida e água.

"As condições de vida dessas crianças são extremamente duras. Estamos a trabalhar com os nossos parceiros para fornecer suporte básico em termos de saúde, alimentação e água", disse Fore.

"Apelo a todas as partes no conflito para permitirem o acesso contínuo e sem entraves a todas as comunidades afetadas pela guerra para poder chegar às crianças e às suas famílias", declarou a diretora-geral do UNICEF.

Henrietta Fore também pediu a garantia de que as crianças não serão "recrutadas e usadas" em conflitos.

Assistir ao vídeo 01:34

Tigray: O conflito na Etiópia que já faz milhares de refugiados

Leia mais