″É triste″: Bancadas vazias no regresso do Moçambola | Moçambique | DW | 15.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

"É triste": Bancadas vazias no regresso do Moçambola

É já no sábado que arranca o maior campeonato de futebol em Moçambique. Depois de uma paragem de um ano, por causa da Covid-19, o Moçambola está de volta. Adeptos só lamentam uma coisa: que não haja público nas bancadas.

A data é extremamente aguardada em Moçambique. Arranca este sábado (16.01) o Moçambola depois de uma pausa forçada de um ano, por causa da pandemia da Covid-19. Mas a maior prova futebolística do país começa com um sabor amargo para os adeptos. Nas bancadas, está proibido haver público, devido ao aumento do número de casos de coronavírus.

"É triste para todo o mundo, porque não haverá adeptos e só estarão lá eles a jogarem, não terão pessoas para dar moral", comenta a adepta Maria Mufume.

Igor Marcos diz à DW que também ficou triste com a proibição. Mas a saúde está em primeiro lugar, e sempre pode "acompanhar alguns jogos via televisão e rádio".

Mosambik I Städtisches Stadion Vilankulo

Jogadores terão de ser testados à Covid-19

Testes obrigatórios, limitações à imprensa

Nos campos de futebol, foram reforçadas as medidas de segurança. "Naturalmente, deve existir em todos os campos a lavagem das mãos e tanques de água. Isto vai nos obrigar a criar condições para que o futebol não seja um problema sanitário", afirma Augusto Panguane, vice-presidente para a alta competição na Liga Moçambicana de Futebol.

Ainda como medida de prevenção, nem toda a imprensa poderá fazer a cobertura dos jogos, nos campos. E todos os jogadores inscritos serão obrigados a fazer o teste à Covid-19, sendo também medida a temperatura antes de cada partida.

"Nesta primeira fase, esta situação deve ser observada através do respeito pelo protocolo sanitário", diz Augusto Panguane, que assegura que há capacidade para fazer todos os testes exigidos.

Mosambik I Städtisches Stadion Vilankulo

Adeptos reconhecem que "a saúde está em primeiro lugar"

Pandemia não extingue paixão pelo futebol

O pontapé inicial desta edição do Moçambola será dado no campo do Alto Makhassa, na cidade de Vilankulo. O embate inicial será entre as formações da Associação Desportiva de Vilankulo (a extinta ENH Vilankulo FC) e o Ferroviário de Nacala.

Victor Mayamba, treinador principal da Associação Desportiva de Vilankulo, diz que acolher o primeiro jogo do Moçambola "é uma responsabilidade acrescida".

"É um jogo de uma cerimónia de abertura e, acima de tudo, está a nossa dignidade. Nós ficámos um ano sem competir e vamos querer a todo custo sair daqui com três pontos a jogar em casa."

William Tuzine, presidente do Conselho Municipal de Vilankulo, está bastante satisfeito pelo regresso do Moçambola. Não há público nas bancadas, mas a paixão pelo desporto-rei não se extingue: "Lamentamos que o Moçambola regresse aos relvados do país sem acesso ao público, por uma razão justa. Vamos cumprir estas medidas, acompanhando pelos média. A nossa saúde está primeiro."

Assistir ao vídeo 01:48

Bolas de futebol feitas de preservativos

Leia mais