Águas estagnadas nas ruas de Quelimane preocupam residentes | Moçambique | DW | 25.03.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Águas estagnadas nas ruas de Quelimane preocupam residentes

Em Quelimane, na província moçambicana da Zambézia, a população teme o aumento de doenças provocadas pelas águas estagnadas de inundações. A administração culpa os residentes, por construírem casa nas zonas baixas.

Os moradores de Quelimane, na província da Zambézia, no centro de Moçambique, acusam a edilidade de nada fazer para melhorar a transitabilidade nas principais ruas de alguns bairros, alagadas por causa das chuvas dos últimos dias. A edilidade responde que os munícipes são negligentes porque constroem casas em zonas baixas. Atualmente é muito difícil circular pelas vias que dão acesso às zonas urbanas e suburbanas da capital da Zambézia.

Segundo moradores ouvidos pela DW África, a água das chuvas não é escoada para as valas de drenagem. Para residentes como Felisberto Fernandes, o Conselho Municipal de Quelimane é responsável pela situação: "É triste. Eu não sei o que será de nós. Todas as vias estão cheias de água, não temos como. Gostaria que o município reparasse esta via com muita atenção", disse Fernandes.

Mosambik Überschwemmungen in Quelimane | Ferlisberto Fernandes

Felisberto Fernandes, morador de Quelimane

O medo dos mosquitos

Belarda Lacerda menciona ainda outro receio partilhado pela população: "Há muita água estagnada a criar muitos mosquitos. Também as crianças ficam aí a brincar nessas águas e podem ter problemas de saúde".

Os bairros Cololo, Santagua e Micajune são mais afetados, diz Edy Jorge, outro residente: "Está difícil transitar nas vias públicas. As valas estão sujas, as valas são para escoar água e não o lixo". Edy Jorge explica que  a inundação se ficou a dever à incapacidade de escoar a água para os mangais, como previsto: "Há muito lixo do lado do Instituto Industrial, por exemplo. Há um tanque de lixo que enche e as pessoas já não têm onde deitar o lixo", explicou o munícipe.

Ouvir o áudio 02:56

Águas estagnadas nas ruas de Quelimane preocupam residentes

Mas o responsável municipal pelas estradas e valas de drenagem, António Mundeia, nega que as valas estejam obstruídas. Mundeia aponta como prova o facto de este ano não ter sido necessário instalar centros de acolhimento para as vítimas das inundações, graças à boa gestão das valas de drenagem.

Para Mundeia, a responsabilidade pelas águas estagnadas não é da edilidade. O problema são as casas construídas pelos munícipes em zonas muito baixas. "A cidade de Quelimane estaé a receber maior número de pessoas que vem fora da província ou de distritos, e que acabam se acomodando em zonas inapropriadas para habitar", justificou Mundeia.

Leia mais