África do Sul também quer sair do TPI | NOTÍCIAS | DW | 21.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

África do Sul também quer sair do TPI

Depois da retirada do Burundi, também o Governo sul-africano já entregou nas Nações Unidas a carta para formalizar a saída do Tribunal Penal Internacional. Organizações de defesa dos direitos humanos criticam a decisão.

Jacob Zuma und Omar Bashir Kampala (Getty Images/G.Grilhot)

Presidente sul-africano, Jacob Zuma (dir.), e o seu homólogo sudanês, Omar al-Bashir, na tomada de posse do Presidente ugandês Yoweri Museveni, em maio de 2016

O ministro da Justiça da África do Sul, Michael Masutha, anunciou esta sexta-feira (21.10) que o país quer abandonar o Tribunal Penal Internacional (TPI). O Governo enviou, quarta-feira (19.10), às Nações Unidas o documento que oficializa a saída, que deverá ser efetiva depois de o secretário-geral receber a carta. O processo de retirada poderá ser completado ainda este ano. 

A decisão está relacionada com o ambiente de crispação, em junho do ano passado, quando a África do Sul se recusou a prender o Presidente do Sudão, Omar al-Bashir, que visitou o país para participar na cimeira da União Africana (UA), alegando imunidade diplomática.

O chefe de Estado sudanês é alvo de um mandado de detenção do TPI que o condenou, em 2009, por crimes de guerra na região do Darfur, onde os conflitos causaram cerca de 300 mil mortos e dois milhões de pessoas fugiram de suas casas. 

Segundo o ministro da Justiça sul-africano, Michael Masutha, o tribunal com sede em Haia, na Holanda, estava “a inibir as capacidades da África do Sul para honrar as suas obrigações relativas à concessão de imunidade diplomática”. Masutha afirmou ainda que as obrigações do seu Governo na resolução de conflitos internacionais são incompatíveis com as atuações do tribunal.

O Executivo de Pretória levará ao parlamento um projeto de lei para revogar todas as leis aprovadas para aplicar no país o Tratado de Roma, documento que estabeleceu o TPI.

Efeito dominó no abandono do TPI

De acordo com o ministro da Justiça sul-africano, Michael Masutha, “há a visão em África de que o TPI, na escolha de quem processar, aparentemente prefere os líderes africanos”.

Na verdade, o tribunal, estabelecido em 2002, tem sido frequentemente acusado de parcialidade contra líderes africanos. Nove em cada dez investigações do TPI envolvem africanos.

A retirada da África do Sul do TPI acontece dias depois de o Presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, ter sancionado a lei aprovada pelo Parlamento para se retirar do Estatuto de Roma. A Namíbia e o Quénia anunciaram a possibilidade de seguirem o exemplo.

Darfur Flüchtlingslager in Zam Zam

Responsabilidade da guerra do Darfur, que deixou milhares de deslocados, recai sobre o Presidente sudanês

"O mundo tem de perceber que há um problema entre os Estados africanos e o TPI", afirma Martin Oloo, advogado queniano e ativista dos direitos humanos. "Penso que este precedente vai continuar e com as próximas eleições para a presidência da Comissão da UA é provável que se ouça sobre mais saídas".

Segundo o advogado, "alguns países africanos questionam-se se o tribunal foi criado apenas para africanos. De facto, há casos de pessoas como Tony Blair e George Bush que precisam de resposta. Mas porque são líderes de nações poderosas, o mundo fecha os olhos as acusações que pendem contra eles".

Este é mais um revés para o TPI que tem lutado contra a falta de cooperação de vários países, incluindo dos Estados Unidos, que assinaram o acordo, mas nunca o ratificaram. 

Em reação, a Aliança Democrática, o principal partido da oposição na África do Sul, considerou que a decisão de deixar o TPI era “irracional” e “mostra um profundo desrespeito pelo Estado de direito no seio do ANC”, o partido no poder.

Para a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch, a medida “revela um desrespeito surpreendente pela justiça num país visto, há muito, como um líder global”. A Amnistia Internacional disse que a África do Sul estava a “trair milhões de vítimas de graves violações dos direitos humanos, minando o sistema de justiça internacional.” 

Leia mais