África: Cada vez mais mercenários e empresas atuam na ″indústria da guerra″ | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 02.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

África: Cada vez mais mercenários e empresas atuam na "indústria da guerra"

O Conselho de Segurança da ONU acusa mercenários russos de violações dos direitos humanos na República Centro-Africana. Mas empresas ocidentais também operam em África - e muitas vezes de forma obscura.

Soldados franceses e malianos patrulham zona no Sahel (Janeiro de 2021)

Soldados franceses e malianos patrulham zona no Sahel (Janeiro de 2021)

Março de 2020. Um regimento francês patrulha o deserto do Mali. Os veículos blindados estão a mover-se na perigosa área de fronteira com o Níger. A região é um reduto islamista. Mas ali também atuam os combatentes da chamada legião estrangeira.

O facto de que a França não apenas envia os seus próprios soldados para o Sahel raramente é um problema. Os cerca de 10 mil combatentes da legião estrangeira vêm hoje de cerca de 150 países.

A chamada legião estrangeira foi fundada em 1831. Agora, é considerada um modelo em decadência. Desde o final dos anos 90 uma nova indústria vem crescendo: a das empresas militares e de segurança. Os seus serviços vão desde vigilância por radar e voos espiões até operações na linha da frente.

Outras empresas prestam mais apoio logístico às forças armadas de numerosos países: em cuidados médicos, em cozinhas e lavandarias, ou no fornecimento de alimentos e munições.

Herbert Wulff, analista político especializado em pesquisa de paz e conflitos, afirma que "muitos Governos utilizam essas empresas privadas para fugir das suas responsabilidades".

Assistir ao vídeo 04:38

Paz à vista na Líbia?

"E isto acontece, por exemplo, no caso dos Estados Unidos ou também do Reino Unido. Não é muito bem visto destacar os seus próprios soldados por causa dos muitos soldados que morrem em guerras e conflitos", explica Wulff.

Estratégia russa

Esta é uma estratégia que o Presidente russo, Vladimir Putin, também utiliza na Síria e em África. Um exemplo é a empresa militar russa privada "Wagner" na Líbia, país rico em petróleo, mas em guerra civil; ou na República Centro-Africana, rica em recursos.

Benno Müchler dirige o escritório da Fundação Konrad Adenauer, do partido alemão CDU, na República Democrática do Congo, e explica: "Por um lado, a Rússia oferece expertise militar, ou seja, conselhos sobre estratégias, questões de armamento e de ação militar. Mas, por outro lado, também oferece muito material militar, desde helicópteros a tanques e armas Kalashnikov".

Agora, a Rússia e os seus fornecedores militares enfrentam uma forte competição ocidental, com atividades não mais transparentes do que as da Rússia.

Assistir ao vídeo 05:45

Fugir da violência na República Centro-Africana

Concorrência ocidental

O AFRICOM é o Comando dos Estados Unidos para a África baseado em Estugarda, na Alemanha. Apenas para si, eles têm 21 prestadores de serviços militares norte-americanos que trabalham no norte de África e no Sahel. Várias outras empresas de segurança e militares lucram com os conflitos naquelas regiões.

E os seus clientes deixam de ser cada vez mais os Estados, mas empresas privadas, para as quais garantem terrenos, instalações petrolíferas ou minas, por exemplo.

Por isso, trata-se de um mercado cada vez mais confuso, apesar dos esforços internacionais para controlar tais empresas e prevenir crimes de guerra através de possíveis sanções para proteger a vida de civis.

O especialista em direito internacional Marco Sassòli diz que "pelo menos, os norte-americanos têm como política oficial que estas empresas não devem participar diretamente das hostilidades".

Porém, "o problema é a interpretação do termo: o que é a participação direta nas hostilidades? As empresas diriam: 'Não estamos em guerra, estamos apenas a exercer o direito individual de autodefesa: se eu for atacado, devo defender-me'", conclui o especialista.

Leia mais