Zona do euro define ajuda de emergência para aumentar credibilidade da Grécia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.04.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Zona do euro define ajuda de emergência para aumentar credibilidade da Grécia

Após a nota de crédito da Grécia ter sido rebaixada pelas agências de rating, fazendo cair a cotação da moeda europeia, os ministros das Finanças da zona do euro aprovaram ajuda financeira a ser usada só em último caso.

default

Premiê de Luxemburgo adverte que a meta é não precisar da ajuda

Os países que adotam a moeda única europeia se dispuseram a ajudar a Grécia, em caso de emergência, com 30 bilhões de euros. Além disso, o país mediterrâneo altamente endividado também deverá receber um auxílio de 15 bilhões de euros por parte do Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Os mercados estavam aguardando esse esclarecimento ", justificou o presidente do grêmio de ministros das Finanças do bloco do euro, Jean-Claude Juncker, neste domingo (11/04), em Bruxelas, ao fim de um encontro ministerial por conferência de vídeo. O governo grego agradeceu o anúncio de ajuda por parte dos parceiros europeus, mas ressalvou que ainda não fará uso desses recursos.

Meta é evitar que ajuda seja utilizada

Os ministros também fixaram em 5% os juros a serem cobrados por um empréstimo de três anos. Trata-se de uma taxa superior à requerida pelo FMI. As condições de crédito para os anos subsequentes ainda estão em aberto.

O encontro ministerial serviu apenas para definir as condições de uma eventual ajuda, a fim de elevar a credibilidade do país no mercado financeiro. Se Atenas vier a recorrer a esse auxílio, a decisão ainda deverá passar pelo crivo de diversos grêmios europeus.

Jean-Claude Juncker, primeiro-ministro e ministro das Finanças de Luxembrugo, assinalou que "a meta prioritária é evitar que seja necessário recorrer a esse mecanismo". Ao mesmo tempo, ele assegurou que o bloco estaria disposto a intervir imediatamente, em caso de urgência.

O encontro ministerial extraordinário deste domingo foi convocado às pressas, após as agências de risco internacionais terem elevado o fator de risco para títulos do Estado grego. A agência Fitch rebaixou drasticamente a nota de crédito do país, cujas dívidas astronômicas poderão vir a ameaçar a estabilidade da moeda única europeia. Em decorrência disso, a cotação do euro vem caindo nas últimas semanas.

Alemanha arcaria com quase um terço da ajuda

A decisão de recorrer à ajuda oferecida pela zona do euro e pelo FMI cabe ao governo grego. Caso Atenas resolva fazer uso dessa oferta, a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu deverão avaliar a necessidade real de tal passo, antes de conceder o empréstimo. A decisão final, contudo, depende de uma aprovação unânime dos ministros das Finanças da zona do euro.

Esse plano de emergência se tornará necessário a partir do momento em que Grécia não consiga mais captar recursos no mercado de capitais. Se recorrer à ajuda, o país mediterrâneo terá que se submeter a um regime de contenção de despesas públicas ainda mais rigoroso que os pacotes de reforma aprovados até agora.

Todos os países da zona do euro pretendem colaborar com a ajuda de emergência à Grécia. No entanto, a distribuição dos encargos será feita de acordo com cota de cada país no capital do Banco Central Europeu. Isso significa que a Alemanha, cuja participação nesse capital é de 19%, teria que prestar a maior contribuição.

Como o Banco Central conta não apenas com o capital dos 16 países da zona do euro, mas também com o dos demais 11 membros da União Europeia que ainda não adotam a moeda única, o cálculo da participação alemã na ajuda à Grécia poderia chegar a 27%. O empréstimo a ser concedido por Berlim a Atenas poderia chegar então a oito bilhões de euros.

SL/dpa/rtdt

Leia mais