Zona do euro declara guerra aos especuladores | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 08.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Zona do euro declara guerra aos especuladores

Em reunião de cúpula em Bruxelas, os países da zona do euro concordaram não só em ajudar a Grécia, como também em refrear a especulação contra o euro.

default

Sarkozy e Merkel durante cúpula em Bruxelas

Os problemas que levaram os líderes dos países da zona do euro a semanas de difíceis negociações pareceram ser detalhes de menor importância na cúpula extraordinária realizada em Bruxelas na madrugada de sexta para sábado (08/05). Eles finalmente concordaram com o pacote de ajuda à Grécia de 110 bilhões de euros, dos quais 80 bilhões serão disponibilizados pelos países da zona do euro e 30 bilhões pelo FMI.

Entretanto, o problema já não é só a Grécia. Para o primeiro-ministro grego, Giorgos Papandreou, a questão é "proteger a estabilidade da nossa moeda comum e também a estabilidade da própria Europa".

Até que ponto a situação do euro preocupa?

Já ficou claro que o pacote de ajuda não é suficiente. Nos últimos dias, não só os países da zona do euro enfrentaram problemas. As bolsas também caíram significativamente, mesmo fora da Europa. Até os Estados Unidos, Japão e Austrália apelaram para que europeus adotem medidas complementares.

O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, falou de "uma situação grave"; o presidente francês, Nicolas Sarkozy, de uma "crise sistêmica" do euro; o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, de um "estado de emergência". Jean-Claude Juncker, presidente do Eurogrupo, vê um "ataque global organizado contra o euro".

EU Griechenland Finanzkrise Herman Van Rompuy und Jose Manuel Barroso

Van Rompuy e Barroso: em defesa do euro

Mais uma reunião extraordinária

A reunião de cúpula apresentou uma reviravolta dramática, produzindo decisões muito mais extensas do que se pensava inicialmente.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse, com uma expressão bastante séria: "Verificamos que ainda há um alto grau de especulação contra o euro, como um todo". Por isso, eles decidiram consolidar os orçamentos de forma acelerada, lutar juntos "contra os especuladores" e regular os mercados financeiros mais rigidamente. A declaração final fala em um "mecanismo europeu de estabilização".

Os detalhes estão sendo discutidos neste domingo pelos ministros das Finanças dos 27 países da UE, e não só pelos países da zona euro, o que é mais um sinal da gravidade da situação. Juncker acredita que o mecanismo de administração da crise pode ser criado no âmbito dos acordos.

A Comissão apresenta até este domingo propostas para um fundo de emergência destinado a outros países que venham a ser ameaçados por uma crise financeira. Há informações de que o fundo será de 70 bilhões de euros. Ao contrário do caso da Grécia, entretanto, este será gerido pelo bloco.

George Papandreou Eu-Gipfel Brüssel Belgien 2010 Finanzkrise Griechenland

Papandreou defende estabilidade europeia

Custe o que custar

"Vamos defender o euro, custe o que custar", prometeu o presidente da Comissão, José Manuel Barroso.

No decorrer da madrugada, surgiram rumores sobre um suposto bate-boca entre Merkel e Sarkozy em torno das próximas medidas a serem tomadas. E Sarkozy pareceu confirmar indiretamente o desentendimento, ao falar na coletiva posterior à reunião. "A Europa precisa de um eixo franco-germânico muito sólido e determinado. Não temos escolha, é um dever. Não há alternativa", observou.

Mas, aparentemente, eles conseguiram chegar a um ponto em comum. O presidente francês se destaca pelas experiências em momentos de crise. Ele apelou por uma "mobilização geral" para salvar a moeda comum e mandou um aviso aos mercados. "Na segunda-feira, quando os mercados forem abertos, a Europa vai estar pronta para defender o euro".

Autor: Christoph Hasselbach (md)
Revisão: Nádia Pontes

Leia mais