1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Zidane mancha sua despedida com expulsão

Sem que houvesse disputa pela bola, capitão francês acerta uma cabeçada no peito de jogador italiano e é expulso de campo: o triste lance final de uma das mais brilhantes carreiras da história do futebol.

default

Árbitro manda o craque para fora na prorrogação da final da Copa do Mundo

Uma atitude injustificável manchou a despedida do futebol de um dos maiores astros do esporte: num lance longe da bola, o capitão francês Zinedine Zidane respondeu às provocações do defensor italiano Materazzi com uma cabeçada no peito do adversário. Avisado pelo bandeirinha, o juiz expulsou o francês.

O palco que veria a despedida do grande capitão acabou testemunhando uma tragédia: com Zidane expulso, a França, que estava melhor no jogo, se desestabilizou na partida e acabou perdendo o título para a Itália nos pênaltis. E o maior jogador francês será para sempre lembrado pela sua atitude intempestiva.

A expulsão encerrou de forma melancólica uma trajetória brilhante e não fez justiça ao que Zidane havia apresentado na Copa até os 20 minutos da prorrogação da final contra a Itália. Logo aos 5 minutos de jogo, ele bateu um pênalti com a impassibilidade que só a experiência traz: chutou na bola por baixo, quase com o peito do pé, e ela subiu, bateu no travessão, quicou atrás da linha do gol, subiu, bateu de novo no travessão e voltou. O goleiro estava no outro canto. Gol da França.

Na Copa em que se esperava que o brilho viesse de talentos jovens, como Ronaldinho, Messi ou Cristiano Ronaldo, quem brilhou mais do que todos foi o desacreditado Zinedine "Zizou" Zidane, um jogador que já havia até mesmo anunciado sua aposentadoria do futebol. A Copa era o seu último compromisso.

Trajetória de cinema

O maior jogador da grande nacion cristã e orgulhosa de suas tradições é filho de imigrantes argelinos e define a si mesmo como um "muçulmano não-praticante". A sua trajetória no futebol, se não fosse verdade, seria o roteiro de um filme.

Primeiro capítulo: o triunfo. Zidane foi o principal nome da primeira grande conquista do futebol francês. Em 1998, na Copa disputada na França, comandou a equipe dos Bleus e fez dois gols na vitória de 3 a 0 sobre a seleção brasileira, na final.

Segundo capítulo: a queda. A França foi eliminada da Copa de 2002 ainda na primeira fase, sem marcar gols. Na Eurocopa de 2004, outro fracasso. E Zidane anunciou que não jogaria mais pela seleção francesa.

Terceiro capítulo: o retorno triunfal e a atitude irresponsável. Ante a ameaça de nem mesmo se classificar para a Copa 2006, o técnico Raymond Domenech pediu ao astro que reconsiderasse. A França precisava dele. Zidane voltou, ajudou uma equipe desacreditada a se classificar para o Mundial e a levou até a final.

Quando tudo indicava que a França conquistaria o bicampeonato, o capitão da equipe acerta uma cabeçada no peito de um adversário. E uma despedida que poderia ser coroada com um título acaba em expulsão.

Grandes seleções

A França foi derrotada na final, mas Zizou pode se dar ao luxo de dizer que, das oitavas à final, sua equipe teve pelo caminho apenas grandes seleções. E, com todas elas, o francês tem suas relações pessoais.

Contra a Espanha, fez o último gol na vitória de 3 a 1 já nos acréscimos, ao invadir a área driblando a defesa. Foi atuando no futebol espanhol, jogando pelo Real Madrid, que Zidane foi escolhido duas vezes o melhor jogador de futebol do mundo. Ao eliminar a Espanha, mandou mais cedo para casa boa parte dos seus colegas de equipe.

Contra o Brasil, esbanjou toques precisos e dribles curtos, deu um chapéu em Ronaldo e colocou a bola nos pés de Henry no gol que selou o destino da estrelada seleção brasileira. Robinho queria aposentar Zidane. Aprendeu do velho mestre que jogadores de futebol devem jogar mais e falar menos.

Depois de ter imposto duas derrotas em Copas para a seleção brasileira, uma delas numa final, é de se imaginar que a palavra Brasil trará boas lembranças ao francês pelo resto de sua vida. E a história se repetiu: Zidane tirou da Copa amigos como Ronaldo e Roberto Carlos.

Contra Portugal, cobrou com perfeição o pênalti que tirou a equipe de Luiz Felipe Scolari do que seria a primeira final de Copa do Mundo da sua história. Ricardo, bom goleiro, caiu para o lado certo. Mas o chute era rasteiro, no canto, preciso demais até para um bom goleiro.

Mais uma vez, um amigo ia mais cedo para casa: Figo, também colega de Real Madrid.

Só os italianos pararam os franceses. O time de Del Pierro, com quem Zidane jogou na Juventus de Turim, e Marcelo Lippi, que foi seu técnico na mesma equipe, não mostrou um futebol que o fizesse merecer o título. Mas Zidane, mesmo tendo jogado bem e feito um gol, teve na expulsão uma atitude de quem também não merece um título.

A Itália também foi um país que marcou Zidane: foi onde ele apareceu para o futebol mundial. Defendia a Juventus de Turim quando foi eleito por duas vezes o melhor jogador de futebol do mundo e quando conquistou a Copa de 1998.

Biografia

Zidane começou sua carreira no pequeno Cannes, em 1989. Em 1992, se transferiu para o Bordeaux, clube de maior expressão. A carreira internacional se iniciou em 1996, na Juventus de Turim. Pelo clube italiano, o astro francês foi campeão mundial de clubes e duas vezes campeão nacional.

A consagração veio com a Copa do Mundo de 1998, disputada na França. Os dois gols na final contra a seleção brasileira foram os primeiros de Zidane numa Copa do Mundo. A França venceu por 3 a 0 o jogo que lhe deu o seu primeiro título mundial.

Em 2001, o francês foi uma das estrelas contratadas pelo Real Madrid para formar o seu time de galáticos. Com os espanhós, conquistou um mundial de clubes, duas Liga dos Campeões e dois campeonatos nacionais.

Zidane disputou 108 partidas pela seleção francesa. Marcou 31 gols. Comandou sua equipe na conquista de uma Copa do Mundo, de uma Eurocopa e de um vice-campeonato mundial. Foi eleito três vezes pela Fifa como o melhor jogador de futebol do mundo (1998, 2000 e 2003). Encerrou sua carreira aos 34 anos como o melhor jogador da história da França, mas com uma mancha pela qual será sempre lembrado: a cabeçada no peito do adversário que resultou na sua expulsão e no fim do sonho do bicampeonato mundial francês.

Leia mais