Zeitgeist: Do G7 ao G20 | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 06.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Colunas

Zeitgeist: Do G7 ao G20

História dos grupos das nações mais poderosas começa em 1975, com a criação do G6. Crescente importância de países emergentes, como China, Índia e Brasil, levou à expansão do formato para o atual G20.

Encontro do G20 em Baden-Baden, na Alemanha, em março de 2017

Encontro do G20 em Baden-Baden, na Alemanha, em março de 2017

A história dos grupos das nações mais poderosas do mundo começa em 1975, com a criação do Grupo dos Seis (G6). O fórum foi criado pelo chanceler federal alemão, Helmut Schmidt, e pelo presidente francês, Valéry Giscard d'Estaing, em meio à crise econômica mundial. Faziam parte, além da Alemanha e da França, os Estados Unidos, o Reino Unido, o Japão e a Itália.

O primeiro encontro foi no Château de Rambouillet, na França. A ideia era debater os principais problemas da economia mundial numa conversa informal de líderes, em torno de uma lareira. Os temas centrais foram o sistema monetário internacional, com o fim do sistema de câmbio de Bretton Woods, e a crise do petróleo.

Um ano depois, o grupo ganhou um novo membro a pedido dos Estados Unidos – o Canadá – e passou a ser conhecido como Grupo dos Sete (G7). Essa foi a formação que se manteve por vários anos, até que o colapso da União Soviética mostrou a necessidade de incluir um novo membro no grupo: a Rússia.

A participação oficial dos russos começou em 1998, depois de alguns anos de participação à margem. Porém, em 2014, a Rússia foi excluída em resposta à anexação da Crimeia. O G8, assim, voltava a ser G7, mas a verdade era que esse formato há muito tempo já havia sido abandonado por não se mostrar o mais apropriado para o debate sobre os problemas do mundo.

Já em 2005, mais cinco países haviam sido convidados para participar dos encontros: as potências emergentes China, Índia, Brasil, México e África do Sul. Era óbvio que a discussão de muitos temas, como as questões ambientais, por exemplo, não fazia mais sentido sem a presença desses países, que ganhavam cada vez mais relevância internacional.

Esse formato durou apenas três anos, e foi substituído definitivamente em 2008 pelo G20, o grupo das 19 maiores economias do planeta mais a União Europeia. O G20 representa cerca de 85% do Produto Interno Bruto (PIB) do planeta, 80% do comércio e cerca de dois terços da população. Os encontros do grupo são anuais.

A coluna Zeitgeist oferece informações de fundo com o objetivo de contextualizar temas da atualidade, permitindo ao leitor uma compreensão mais aprofundada das notícias que ele recebe no dia a dia.

Leia mais