1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Jogos Olímpicos

Voluntários impedem caos olímpico

Os Jogos Olímpicos movem montanhas de dinheiro, mas as competições afundariam no caos, sem a ajuda de 60 mil voluntários. Idealistas de todo o mundo sacrificam suas férias e trabalham de graça em Atenas.

default

Transporte e ingressos "gratuitos" são pequena recompensa

Segundo o Ministério das Finanças da Grécia, a Olimpíada 2004 vai custar em torno de seis bilhões de euros. No entanto, segundo cálculos inoficiais, os custos podem chegar a 10 bilhões de euros. O comitê organizador dos Jogos (Athoc) prevê uma receita de cerca de dois bilhões de euros oriunda de patrocínios, mais 818 milhões subvencionados pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). O grande resto será pago pelo contribuinte grego.

A conta a ser paga pelos gregos seria ainda maior, sem as 60 mil pessoas que voluntaria e gratuitamente prestam serviços olímpicos. Esses voluntários trabalham de recepcionistas, orientam o trânsito nos estacionamentos e os espectadores na entrada dos estádios e ficam de plantão nos inúmeros postos de informação.

De um lado, vê-se a máquina do comércio, que enriquece uns poucos; do outro lado, milhares de idealistas, que sacrificam suas férias e arregaçam as mangas, para garantir o funcionamento da gigantesca festa do esporte.

Ingresso "gratuito"

Uma delas é a alemã Annette Gasper, de Darmstadt, que trabalha no Centro de Informações Esportivas da Vila Olímpica. Sua jornada vai das 7 às 14 horas, quando vem o turno da tarde, que fica até as 22 horas. Junto com outros três voluntários, ela presta toda sorte de informação sobre o triatlo, representado por apenas 100 atletas em Atenas.

Como a maioria de seus colegas, Gasper candidatou-se via internet e não reclama da contradição entre comércio e trabalho gratuito nas Olimpíadas. Pior, segundo ela, é a situação dos "supervisores" gregos, que ganham 1.300 euros por mês, têm jornada diária de 16 horas e "nem os deuses sabem o que será deles depois dos jogos".

Os voluntários só tiveram de pagar a passagem para Atenas. Na Vila Olímpica, ganham hospedagem e alimentação gratuita, além de passes de ônibus - inclusive para o tempo livre. Dependendo da atividade, até podem assistir às provas sem pagar ingresso. Graças aos seus contatos no atletismo, Gasper – que é dona de uma pequena escola de natação - conseguiu hospedar-se gratuitamente na Casa Alemã em Atenas, onde o pernoite normalmente custa 98 euros.

Polir a imagem do país

Já Alexandros Kirtsidis, que tem pais gregos, engaja-se na Olimpíada com muito patriotismo. Ele trabalha de guia de estacionamento e só tem uma preocupação: polir a imagem do país. "A Grécia foi muito criticada antes dos Jogos. Sempre se disse que os jogos acabariam no caos", diz Kirtsidis. Na sua opinião, "sem os voluntários, a Olímpíada seria impossível". Os voluntários parecem ser a prova de que, longe dos cartolas, marqueteiros e atletas fanáticos e dopados, ainda existe o tão propalado espírito olímpico.

Leia mais