1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Volta ao passado na Casa do Emigrante

O centro de memória Casa do Emigrante, em Bremerhaven, abre suas portas para recontar o destino de milhões de pessoas que deixaram a Alemanha em busca de uma vida melhor.

default

Em aproximadamente dois mil metros quadrados, o visitante pode fazer uma verdadeira viagem no tempo, em direção ao século 19. Um período em que milhões de alemães deixavam o país. A Casa do Emigrante (Auswandererhaus), inaugurada nesta segunda-feira (08/08) em Bremerhaven, pretende servir tanto como centro de documentação quanto como uma espécie de "viagem ao passado". E espera receber 170 mil visitantes por ano, provenientes de vários países do mundo.

Deutsches Auswandererhaus in Bremen

Réplica de navio na 'Casa do Emigrante'

Para isso, dois cenógrafos criaram um ambiente que reconstrói a atmosfera de cem anos atrás. Não apenas os navios, mas também malas, caixas, pacotes por todos os lados. O visitante, conta a diretora do museu, Sabine Süss, "tem mesmo a sensação de estar deixando algum lugar".

Satisfação e medo

Além da viagem em si, o museu relembra os fatores que levaram milhões de pessoas a deixar a Alemanha. Helga von Schweinitz, por exemplo, saiu do país em 1957, a bordo do navio Italia. "Foi uma mistura de satisfação pelo desconhecido, mas na hora dava também medo por tudo aquilo que eu estava deixando para trás. Principalmente por meu pai, que ficou em terra firme, acenava para mim e chorava", conta Von Schweinitz.

Nachbau der Stahlkaefige des US-amerikanischen Einwanderungszentrums Ellis Island sind im Deutschem Auswandererhaus am Alten Hafen in Bremerhaven am Montag, 8. August 2005, zu sehen

Réplica da 'jaula' para imigrantes, do Centro de Migração de Ellis Island (EUA). Em espaços como esse os imigrantes alemães tinham que aguardar quando chegavam ao país

Durante um século inteiro, navios e mais navios cruzaram o Atlântico, com destinos os mais diversos, entre eles o Brasil. "Aqui estão as cabines", conta Süss, enquanto mostra a réplica de um navio. "Este era o lugar onde as pessoas realmente ficavam durante a viagem que durava 70, 80 dias, até os EUA. O espaço nos navios era muito reduzido. Isso sem contar que as pessoas não se conheciam e, muitas vezes, nem falavam a mesma língua", observa Süss.

Biografias como exemplo

Apenas no século 19, nada menos que 35 milhões de pessoas fizeram as malas e se foram para o outro lado do mundo. Na Casa do Emigrante em Bremerhaven, 15 histórias são recontadas em detalhe, servindo de "guia" pelo museu para o visitante. Em todas elas, as razões pelas quais essas pessoas deixavam a Alemanha ficam claras. Como no caso de uma médica, por exemplo, que teve que sair do país durante o nazismo por ser judia, não tendo podido nunca trabalhar mais em sua profissão.

Deutsches Auswandererhaus in Bremen

Casa do Emigrante, em Bremerhaven

O visitante pode ainda pesquisar, num fórum interativo, sobre assuntos ou nomes que forem de seu interesse. É possível, por exemplo, ir em busca das raízes de uma família, verificando se determinados nomes e sobrenomes constam da lista de passageiros que deixaram Bremerhaven de navio em algum momento.

Volker Schmeissner, por exemplo, foi um deles, tendo deixado a cidade no navio United States, em 1961, quando tinha 26 anos. "Foi o último ponto da Alemanha que vi. Guardei essa imagem na memória e sempre me perguntei onde poderia encontrar minhas raízes documentadas", diz Schmeissner. Agora boa parte delas está na Casa do Emigrante, em Bremerhaven.

Leia mais

Links externos