Violência policial contra manifestantes em Stuttgart recebe críticas | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 01.10.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Violência policial contra manifestantes em Stuttgart recebe críticas

Árvores tiveram de ceder espaço para obras. Protesto contra reforma da estação ferroviária em Stuttgart teve confrontos entre manifestantes e forças policiais. Governo não recua e ativistas prometem mais manifestações.

default

Derrubada de árvores centenárias causa indignação em Stuttgart

Sob protestos, começou na madrugada desta sexta-feira (01/10) a derrubada das primeiras 25 de um total de 282 árvores para dar lugar às obras do projeto Stuttgart 21, de modernização da estação ferroviária na cidade localizada no sul da Alemanha.

Na noite de quinta-feira (30/09), agindo com 700 homens, a polícia fez uso de canhões de água e gás contra 5 mil manifestantes que protestaram contra o corte das árvores e a remodelação bilionária da estação ferroviária, parte da qual é patrimônio histórico protegido.

Pelo menos 130 pessoas ficaram feridas, sendo que 16 tiveram de ser hospitalizadas. Segundo a polícia, 29 pessoas foram detidas. O chefe de polícia da cidade, Sigfried Stumpf, disse ter sido a primeira vez em 40 anos que foram usados canhões de água em um protesto na cidade.

Apesar do frio e da chuva, milhares de pessoas permaneceram no local durante a madrugada, observando o corte das árvores centenárias. "Vamos protestar dia e noite, de uma forma que Stuttgart nunca viu", declarou um dos manifestantes completamente encharcado da chuva durante a madrugada.

"Quando as pessoas perceberem a dimensão daquilo que foi desmatado, vai haver ainda mais agitação", prevê outro, lembrando também que as eleições no estado de Baden-Württemberg, no próximo ano, poderão trazer uma mudança de curso em relação ao projeto.

Milhares de pessoas nas ruas

Os adversários do projeto Stuttgart 21 conclamaram para manifestações pacíficas na noite desta sexta-feira. "Pleiteamos protestos isentos de qualquer forma de violência", afirmou Axel Wieland, porta-voz da aliança contra as obras, que espera "alguns milhares de manifestantes" na cidade. Há estimativas de que os protestos possam reunir 100 mil pessoas.

NO FLASH Stuttgart 21 Demonstration

Confronto entre manifestantes e forças policiais

Wieland definiu a ação policial como um choque contra as tentativas pacíficas de diálogo com os adversários do projeto. "Não havia passado nem mesmo uma semana desde a primeira conversa a esse respeito e já vem uma ação policial deste tipo. Essas não são as condições necessárias para dar continuidade a um diálogo racional", completou, ao observar que "não há, nem do lado da polícia nem do governo estadual, um interesse real em falar conosco".

"Convicção plena"

Segundo Tanja Gönner, secretária de Transportes do estado de Baden-Württemberg, o governo estadual conservador da União Democrata Cristã (CDU) irá pagar até mesmo o preço de uma perda de poder em prol do projeto ferroviário Stuttgart 21. À emissora Deutschlandfunk, Gönner afirmou que seu partido não irá recuar neste ponto devido à plena convicção a respeito do projeto em questão.

A secretária dos Transportes do estado criticou os manifestantes, acusando-os de terem ultrapassado os limites "da paz" e também de usarem crianças na linha de frente dos protestos. Irredutível, Gönner acentuou que o governo não irá interromper os trabalhos de poda das árvores no local.

Polêmica nacional ou regional?

O Partido Verde tentou na manhã desta sexta-feira fazer com que os tumultos em torno do projeto Stuttgart 21 fossem discutidos no Parlamento. Para a aprovação, teria sido necessário o aval de dois terços dos deputados, o que não ocorreu. "O problema está escalando", afirmou a verde Britta Hasselmann. Segundo ela, os políticos do país não podem fingir que esse seria apenas um problema de relevância regional.

Bauarbeiter beginnen in Stuttgart im Schlossgarten unter Polizeischutz mit dem Abholzen der ersten Bäume NO FLASH

Apesar dos protestos, obras continuarão

A União Democrata Cristã (CDU), da chanceler federal Angela Merkel, vê a tentativa de transformar o assunto em tema para o Parlamento em Berlim como "uma manobra dos verdes".

Os liberais, que formam a coalizão de governo com a CDU em Berlim, também se negam a discutir o assunto na esfera federal. Já a oposição social-democrata sugere a renúncia do governador de Baden-Württemberg e um plebiscito estadual a respeito do polêmico projeto.

Merkel preocupada

A chefe de governo Angela Merkel demonstrou preocupação em relação à violência dos protestos. "Gostaria que essas manifestações transcorressem de maneira pacífica. Há de se evitar, de toda forma, tudo o que possa levar à violência", disse a chefe de governo em entrevista a uma emissora de rádio.

Ao mesmo tempo, Merkel defendeu o projeto ferroviário, definindo-o como "correto e sensato". Quem quer deslocar o trânsito da rua para os trilhos, modernizando a logística, deveria estar disposto a arcar com as medidas necessárias para isso, disse.

O projeto Stuttgart 21 prevê a ampliação subterrânea da atual estação ferroviária central, ampliando a rede de conexões de trens de alta velocidade (ICE). Além dos prejuízos para o meio ambiente, o projeto é criticado devido aos seus custos bilionários, pagos com o dinheiro do contribuinte.

SV/dw/rtr/afp/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais