1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Violência no Oriente Médio traz medo de nova Intifada

O aumento de confrontos entre israelenses e palestinos leva analistas a temerem o início de uma terceira revolta palestina. A crescente influência de radicais religiosos de ambos os lados é outro motivo de preocupação.

Será que o conflito no Oriente Médio corre o risco de se transformar numa terceira Intifada? Essa pergunta é feita com cada vez mais frequência, diante da escalada da violência dos últimos dias. "Vejo alguns paralelos com o início da segunda Intifada, em 2000", disse o ex-negociador-chefe palestino, Saeb Erekat, em entrevista a uma estação de rádio palestina. O serviço secreto israelense, Shin Bet, também não exclui a possibilidade de uma nova Intifada, segundo reportagem do jornal israelense Jerusalem Post.

Uma coisa é clara: a violência aumentou nos últimos dias. No fim de semana, ocorreram repetidos confrontos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, entre jovens palestinos e policiais e soldados israelenses. Os palestinos atiraram pedras e coquetéis molotov, as forças de segurança israelenses responderam com munição real e balas de borracha. Também houve confrontos com colonos extremistas na Cisjordânia.

Na segunda-feira, a Força Aérea israelense realizou ataques contra a Faixa de Gaza, de onde havia sido disparado um foguete contra Israel. Antes disso, quatro israelenses haviam morrido e outros ficaram feridos em três ataques de palestinos. Os autores dos atentados foram mortos pelo Exército israelense. Além disso, o Exército atirou e matou no domingo, segundo fontes palestinas, um palestino de 18 anos, durante tumultos em Tulkarem, no noroeste da Cisjordânia. Vários outros palestinos ficaram feridos.

Palästina West Bank Razzia Protest Israel Flagge Kinder Jugendliche Hebron

Palestinos queimam bandeira de Israel em protestos em Hebron, na Cisjordânia

Extremistas tiram vantagem

Particularmente preocupante é o fato de que extremistas religiosos tentam, cada vez mais, tirar proveito dos conflitos para seus próprios propósitos. Um jovem palestino que matou um israelense a facadas no fim de semana, na Cidade Velha de Jerusalém, era membro da organização extremista Jihad Islâmica. "A terceira Intifada começou", teria escrito ele em sua conta no Facebook, segundo o jornal israelense Arutz Sheva.

Embora o grupo Jihad Islâmica ainda não tenha assumido responsabilidade pelo ataque, a revista online especializada em política do Oriente Médio Al-Monitor acredita que o conflito possa vir a ganhar um toque cada vez mais religioso. "Em um momento em que os fanáticos religiosos de todas as tendências ganham apoio de grande parte da população, o conflito no Oriente Médio é dominado cada vez mais por organizações como 'Estado islâmico' (IS), Al Qaeda, Hisbolá, Hamas e outros. Mesmo em Israel, fanáticos religiosos descobriram como é fácil abalar toda a região."

Radicais ganham apoio

Os radicais ganham popularidade dos dois lados. Na Faixa de Gaza, o governo do Hamas vem agindo há meses contra os jihadistas. Em Israel e na Cisjordânia, os militares têm se envolvido cada vez mais em confrontos com colonos extremistas.

Enquanto os radicais em Israel são em número limitado e representam apenas uma pequena parte da população, o conflito pode ser usado no lado árabe como motivo para uma mobilização muito maior. "Embora a liderança do EI, da Al Qaeda, do Hisbolá e de outros grupos similares sejam bastante indiferentes ao destino de seus irmãos palestinos, eles usam o conflito para recrutar jovens árabes e palestinos", afirma o Al-Monitor.

Israel Soldaten Palästina West Bank Razzia

Militares israelenses durante patrulha em Nablus, na Cisjordânia: confrontos frequentes tornam situação tensa

Sem disposição para acordos

O jornal Jerusalem Post critica as ações do governo de Benjamin Netanyahu, acusando-o de não ter outra ideia a não ser construir novos pontos de controle e impedir o tráfego de veículos palestinos em ruas relevantes em termos de segurança. "Estas são soluções táticas de pessoas de intelecto limitado. Não há uma disposição em se adaptar à situação geral e, em outras palavras, à realidade estratégica." A publicação acredita ser compreensível que os palestinos se recusem a reiniciar as negociações a partir do zero. "Eles querem finalmente saber aonde essas negociações vão levar."

Por outro lado, no entanto, os palestinos também perderam oportunidades, segundo análise da publicação, ao não aproveitarem a paralisação da construção de assentamentos, há cinco anos, para acelerar as negociações de paz. "Assim como Israel, eles também não se dispõem a entrar em acordo."

Leia mais