1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Violência juvenil na Alemanha aumenta apelo por segurança

Espancamento e tentativa de chacina cometidos por jovens escandalizaram o país esta semana. É quase consensual que não adianta aumentar o rigor penal. Porém, mais segurança seria urgente, apelam todos os partidos.

default

Mais policiais nas ruas, uma exigência de todos os partidos alemães

Recentes atos de violência cometidos por jovens abalaram a Alemanha e reacenderam entre políticos, juristas, autoridades policiais e educadores o debate sobre criminalidade juvenil. O espancamento fatal de um homem por dois jovens de 17 e 18 anos numa estação de trem urbano de Munique, no sábado passado, e o atentado incendiário contra uma escola cometido por um estudante de 18 anos na cidade de Ansbach, na Baviera, nesta quinta-feira (17/09), levaram as autoridades conservadoras da Baviera a exigir maior rigor penal para jovens delinquentes.

Deutschland CSU Wahlkampf Plakat Justiz Jugendkriminalität

Segurança sempre foi lema eleitoral dos social-cristãos

O secretário bávaro do Interior, Joachim Herrmann, da União Social Cristã (CSU), reivindicou que a pena máxima para jovens seja elevada de 10 para 15 anos de prisão. Além disso, Herrmann quer que adolescentes criminosos entre 18 e 21 anos sejam julgados e condenados de acordo com o direito penal válido para adultos.

Os conservadores estão isolados nesse ponto. A maior parte dos partidos de centro-esquerda considera esse tipo de exigência uma reação automática e infundada à violência juvenil, uma posição que conta com o apoio de autoridades jurídicas e policiais.

Para o diretor estadual do Partido Social Democrata na Baviera, Florian Pronold, o apelo pela elevação da pena máxima para jovens não é uma resposta aceitável à violência juvenil, pois isso comprovadamente não reduziria a criminalidade. Os liberais são da mesma opinião. Políticos esquerdistas e verdes acusam os conservadores de instrumentalizar o assunto durante a campanha eleitoral.

O presidente da Liga Alemã de Juízes (DRB), Christoph Frank, declarou que os recentes crimes levaram os políticos a cair novamente em tentação e abusar de mensagens apressadas e demagógicas sobre o direito penal.

A ex-ministra da Justiça Sabine Leutheusser-Schnarrenberger, do Partido Liberal, acha que a principal arma contra a criminalidade juvenil é a prevenção. Para ela, o importante seria conter o potencial de agressão dos delinquentes enquanto ele ainda for incipiente. Isso significa uma maior atenção com crianças expostas a condições precárias de vida e a um ambiente familiar inadequado.

Jovens delinquentes imitam crimes anteriores

Deutschland Verbrechen S-Bahn Mord S-Bahnhof Solln

Coroa de flores no local do espancamento na estação de Solln, em Munique

O debate sobre criminalidade juvenil foi reacendido nesta semana pelo assassinato de um negociante de 50 anos na estação de trem urbano de Solln, em Munique. O homem tentou defender adolescentes que estavam sendo chantageados por dois jovens de 17 e 18 anos. Essa tentativa lhe custou a vida. Embora o massacre tenha durado alguns minutos, ambos o espancaram com tal violência que ele morreu no hospital devido à gravidade de seus 22 ferimentos.

Na manhã desta quinta-feira, um jovem de 18 anos se dirigiu a sua escola armado com dois coquetéis molotov, um machado e duas facas. Os explosivos feriram nove escolares, dois dos quais gravemente. O criminoso também foi ferido gravemente a tiros pela polícia.

Ansbach Amoklauf

Policiais e equipes de resgate chegam com rapidez ao local do crime em Ansbach

Este crime remete à chacina cometida por um jovem de 17 anos numa escola em Winnenden (Baden Württemberg), em março deste ano. Para o psicólogo criminalista Jens Hoffmann, da Universidade Técnica de Darmstadt, os jovens que cometem chacinas costumam se orientar por crimes análogos.

A cobertura jornalística de massacres do gênero desperta em outros criminosos em potencial a ideia de que é possível se tornar famoso através de um ato semelhante de extrema violência. Para Hoffmann, não é surpreendente que o jovem de Ansbach tenha recorrido a coquetéis molotov, pois o uso de explosivos desempenha um papel cada vez maior nos massacres noticiados nos últimos anos. "Junto com o machado, isso mostra que o criminoso se preparou para o crime", explica Hoffmann.

Para o psicólogo criminalista, todos os casos seguem padrões semelhantes. Crises pessoais e a rejeição por parte de mulheres são o pano de fundo. Isso afeta profundamente a autoestima de certos jovens e, sobretudo no caso dos homens, exacerba uma mentalidade bélica. Além disso, o papel do "vingador" tem raízes culturais bastante profundas. Estudos revelam que mulheres raramente cometem chacinas.

A Associação dos Filólogos do estado da Renânia do Norte-Vestfália exigiu que a mídia seja cuidadosa e objetiva em seus relatos sobre atos de violência. Nos últimos anos, a experiência tem mostrado que os delinquentes movidos por um impulso mimético se sentem mais motivados a cometer o crime quanto maior for a repercussão de casos anteriores.

Conclusão unânime: segurança é a única saída

Deutschland Jugendkriminalität Jugendstrafvollzug im Seehaus

Projeto 'Chance' procura ressocializar jovens delinquentes em Baden-Württemberg

Tão unânime quanto a rejeição de um código penal mais rigoroso para jovens delinquentes é a exigência de maior segurança. Políticos e juristas consideram essa a única forma eficiente de prevenir atos imprevisíveis, como chacinas em escolas ou massacres em locais públicos.

A ex-ministra da Justiça Schnarrenberger comentou que a ameaça de penas mais severas não intimida os criminosos, conforme comprovam especialistas. Estudos também mostram que uma maior vigilância por meio de câmeras também não aumenta a segurança, apenas ajuda a esclarecer os delitos, lembrou.

Por outro lado, uma maior presença policial garantiria que as pessoas se sentissem mais seguras e assustaria delinquentes como os dois espancadores de Munique, supõe a ex-ministra. Políticos social-democratas, verdes, liberais e esquerdistas também favorecem a melhoria da segurança no espaço público.

No entanto, isso requer investimentos. "Segurança custa dinheiro, e esse dinheiro tem que começar a circular logo", declarou o presidente do Sindicato dos Policiais (GdP), Konrad Freiberg.

Deutschland Justiz Jugendkriminalität Erziehungscamp Haus Ausblick in Bedburg Hau am Niederrhein

Faltam ofertas educativas para delinquentes juvenis

O juiz Christoph Frank também atribui o problema à precariedade das estruturas judiciárias para a execução de sentenças penais. "Faltam vagas nos presídios e as ofertas dos municípios aos jovens delinquentes são insuficientes", apontou Frank, segundo o qual o encarceramento de um jovem condenado pode durar meses após o pronunciamento da pena.

Após o espancamento em Munique, a ministra alemã da Justiça, Brigitte Zypries, acusou as autoridades estaduais de ineficiência no combate à violência juvenil. A política social-democrata acusa os estados de exigirem maior rigor no direito penal em vez de combaterem por iniciativa própria a criminalidade entre os jovens.

Zypries lembrou que o combate aos riscos de segurança cabe aos estados federados. Os governos estaduais têm que garantir o funcionamento dos órgãos de apoio à juventude, empregar um número apropriado de juízes e assegurar que a sentença penal seja cumprida o mais rápido possível.

A ministra alemã da Justiça também lembrou que o Parlamento impediu, na última legislatura, que se aplique a jovens o código penal vigente para adultos. No entanto, cabe à Justiça decidir, de caso para caso, "se o réu em questão pode ser equiparado a um adulto ou não, dependendo de sua maturidade". É o juiz que decide se é o caso de julgar o réu como um adulto ou como um menor de idade, salienta.

SL/dpa/afdp/epd/af/kna
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais