1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Violência de direita e esquerda preocupa governo alemão

Relatório aponta que terrorismo islâmico ainda representa o maior perigo à segurança na Alemanha, mas autoridades estão preocupadas também com a crescente violência de radicais de direita e esquerda.

default

Polícia tenta barrar manifestação de extrema direita em Berlim (19/08/2006)

No ano passado, ocorreram 29.050 crimes com fundo político na Alemanha, 10% a mais do que no ano anterior. O número de atos de violência com motivação política aumentou de 2.448 (em 2005) para 2.522 em 2006.

Os dados fazem parte do relatório do Departamento Federal de Proteção da Constituição, apresentado pelo ministro alemão do Interior, Wolfgang Schäuble, nesta terça-feira (15/05) em Berlim.

Schäuble aproveitou os números para traçar um cenário sombrio das ameaças à segurança no país. "A Alemanha está no alvo dos terroristas", disse. Ele defendeu mais uma vez sua polêmica proposta de realizar buscas via internet em computadores pessoais. "Terroristas não levam em consideração uma cegueira auto-determinada", argumentou.

Segundo o ministro, os fracassados atentados a bomba contra trens regionais e a publicação de vídeos de terroristas na internet mostram que "também a Alemanha precisa contar com uma nova qualidade das atividades terroristas".

Extremismo de direita e de esquerda

Embora o terrorismo islâmico continue sendo considerado a maior ameaça, o relatório aponta um aumento de 14,6% dos crimes cometidos por radicais de direita (17.597 em 2006).

Os sucessos eleitorais dos partidos de extrema direita nas eleições em Berlim e Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental deram nova motivação à cena de extrema direita, explicam os peritos. Onze dos 16 diretórios estaduais do Partido Nacional Democrático (NPD), de extrema direita, são integrados por neonazistas, disse Schäuble.

Polizisten vor dem Kulturzentrum Rote Flora in Hamburg während Demonstration von G8-Gegnern

Protesto de adversários do G8 ligados à extrema esquerda em Hamburgo (09/05/2007)

Quanto ao extremismo de esquerda, que voltou ao noticiário após as buscas policiais da semana passada (veja link abaixo) , o Departamento Federal de Proteção da Constituição não constatou grandes mudanças no quadro.

Cerca de 30 mil pessoas na Alemanha estariam ligadas a este tipo de extremismo. O número dos militantes autônomos dispostos ao uso da violência teria aumentado de 5,5 mil para 6 mil pessoas. O número de atos de violência atribuídos a eles caiu levemente, de 896 para 862.

Segundo o relatório, "alguns ataques ultrapassaram o limite de violentos atos terroristas". Mas as autoridades de proteção à Constituição não vêem estruturas consolidadas no estilo da extinta Fração do Exército Vermelho (RAF).

"A disposição e a capacidade para ataques gravíssimos e até assassinatos continua não existindo na Alemanha", ressalta o documento.

Entre os crimes atribuídos à extrema esquerda, há 42 casos de incêndios, nove deles ligados à campanha iniciada em 2005 contra a cúpula do G8.

BdT Vorbereitungen auf G-8-Gipfel

Cerca de proteção em Heiligendamm

De 6 a 8 de junho próximo, os líderes do G8 mais os chefes de Estado e de governo do Brasil, da África do Sul, da Índia e do México se reúnem em Heiligendamm, protegidos por uma enorme cerca de segurança e 16 mil policiais, para não ouvir os xingamentos de esperados 100 mil adversários da globalização.

Schäuble defende linha dura

"Não vamos permitir que possíveis atos de violência prejudiquem o transcurso normal da cúpula do G8", avisou Schäuble. Nesta quarta-feira, ele pretende discutir com várias lideranças da coalizão governamental uma proposta de emenda à Constituição para permitir a atuação das Forças Armadas na segurança interna.

Além disso, o ministro pretende apresentar em breve um projeto de lei que amplie as atribuições do Departamento Federal de Investigações (BKA), legalizando as buscas eletrônicas em computadores pessoais.

"Ninguém pode se arrogar o direito de ter a única resposta correta e verdadeira a todos os novos desafios. Assim como não há respostas absolutas na vida humana, também não pode haver 100% de segurança numa ordem democrática. Apesar disso, não se deve cruzar os braços", argumentou o ministro, que, devido às suas propostas juridicamente questionáveis, já foi acusado de ser, ele próprio, um "risco à segurança" do país. (gh)

Leia mais