Vice do Banco Central alemão deve perder encargos por declarações xenófobas | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 10.10.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Vice do Banco Central alemão deve perder encargos por declarações xenófobas

"Incapazes de integração", só prestando para trabalhar em quitandas e fazer "menininhas de véu na cabeça". Assim Thilo Sarrazin caracterizou turcos e árabes de Berlim. Entrevista infeliz pode custar-lhe parte do cargo.

default

Thilo Sarrazin, vice-presidente do Bundesbank

Devido a declarações públicas de cunho xenófobo, o vice-presidente do Deutsche Bundesbank (Banco Central alemão), Thilo Sarrazin, poderá ser destituído de parte de seus encargos, divulgou a revista Focus neste sábado (10/10). O periódico baseou-se em documentos confidenciais relativos à reunião da diretoria da instituição a se realizar na próxima terça-feira.

Zentralrat der Juden kritisiert Alleingang von Stephan Kramer

Stephan Kramer, secretário-geral do Conselho dos Judeus da Alemanha

Numa entrevista à revista de cultura Lettre International, Sarrazin investiu duramente contra os estrangeiros da Alemanha, sobretudo os turcos e árabes. Referindo-se ao maior grupo de imigrantes da capital Berlim, o vice do Banco Central alemão declarou, por exemplo, que grande parte deles não seria "nem disposta, nem capaz de integração", não desempenhando "nenhuma função produtiva, a não ser no comércio de frutas e verduras".

Kenan Kolat, presidente da Comunidade Turca da Alemanha, mostrou-se chocado. "Somos mais críticos do que muitos pensam em relação a nosso próprio povo. Mas com tais declarações não se alcança a população, o que se alcança são estigmatizações. Não se atinge nem mesmo aqueles a que ele tantas vezes se refere, mas sim a um certo grupo preconceituoso, que só vê seus preconceitos reforçados por essas afirmativas."

Bons e maus imigrantes

A entrevista em questão, intitulada "Classe em vez de massa", não provocou indignação apenas entre os integrantes dos grupos atacados. O secretário-geral do Conselho Central dos Judeus da Alemanha, Stephan Kramer, manifestou-se: "Tenho a impressão de que, com sua ideologia, o Sr. Sarrazin presta grande homenagem a Göring, Goebbels e Hitler" – uma referência a três dos protagonistas do regime nazista alemão.

Deutschland Kenan Kolat Bundesvorsitzender der Türkischen Gemeinde

Kenan Kolat, presidente da Comunidade Turca da Alemanha

Ao mesmo tempo em que classificou 70% da população turca de Berlim e 90% da árabe como latentemente agressiva, o ex-secretário de Finanças de Berlim permitiu-se gabar o QI dos judeus do Leste Europeu. Porém Kramer não se deixa iludir: "O que ele disse é pérfido, infame, é incitação popular, sim, é hostilidade contra os muçulmanos".

Para o secretário-geral do Conselho dos Judeus, Sarrazin procura jogar os diferentes grupos uns contra os outros. "De um lado há os bons vietnamitas, os bons chineses, os bons indianos, industriosos e dispostos a se integrar. Do outro, estão os dependentes do seguro social, na maioria, é claro, alemães, mães solteiras, iugoslavos, turcos, árabes, que só produzem cada vez mais 'menininhas de véu na cabeça'. Quer dizer: ele decide quem são os bons e quem são os maus imigrantes."

Convite à renúncia de cargo

Kolat exige que o executivo seja exonerado imediatamente de todos os cargos públicos. A comunidade turca apoia de forma integral o inquérito por incitação popular aberto pela promotoria pública, afirmou. "O lugar dele é diante do tribunal, onde deve responder por suas palavras de instigação ao ódio."

No início de outubro, numa iniciativa pouco usual, o Bundesbank se distanciara de forma demonstrativa das declarações de seu vice-presidente. O presidente da instituição, Axel Weber, chegara a sugerir indiretamente a Sarrazin que se demitisse do cargo. Em consequência, o político social-democrata natural da Turíngia desculpou-se publicamente pelo tom empregado na entrevista, porém se recusou a renunciar.

De acordo com a Focus, agora Weber pretende retirar das mãos de Sarrazin os setores de fluxo de caixa e controle de risco. O semanário Der Spiegel acrescenta que, ao estudar a situação, o banco constatou ser juridicamente quase impossível demitir o vice-presidente com base em suas afirmativas provocadoras.

Autor: R. Fuchs / J. Elvers-Guyot / A. Valente

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais