Vice de Trump tenta acalmar europeus | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Vice de Trump tenta acalmar europeus

Em Bruxelas, Mike Pence destaca "forte compromisso" dos Estados Unidos em manter parceria com a União Europeia. Declarações do novo presidente americano causaram irritação entre membros do bloco.

Vice-presidente dos EUA, Mike Pence, com presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk

Vice-presidente dos EUA, Mike Pence, com presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, em Bruxelas

Em visita a Bruxelas, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, disse nesta segunda-feira (20/02) que há um "forte compromisso" do presidente americano, Donald Trump, com a parceria com a União Europeia (UE) e a cooperação em áreas como economia e combate ao terrorismo.

Pence é o primeiro representante do governo Trump a visitar as instituições europeias na capital belga. O novo presidente dos EUA provocou nos últimos meses irritação entre os europeus ao criticar repetidamente a UE como ineficiente e burocrática, afirmando que o Brexit é uma "coisa maravilhosa".

"Independentemente das nossas diferenças, nossos dois continentes compartilham da mesma herança, dos mesmos valores e, acima de tudo, da promoção da paz e da prosperidade por meio da paz, da democracia e do Estado de direito", declarou Pence a repórteres.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou que as palavras de Pence são "promissoras para o futuro" e "esclarecem muito sobre a abordagem da nova administração em Washington".

Tusk, no entanto, não deixou de citar o desconforto causado entre os europeus com as recentes declarações de Trump. Nos últimos meses "houve declarações demasiadas e até, algumas vezes, surpreendentes sobre nossas relações e nossa segurança comum, para fingirmos que tudo continua como antes". A reunião com Pence era "realmente necessária" aos europeus, disse.

Parceiros há décadas

Depois do encontro com Tusk, o vice-presidente americano seguiu para uma reunião presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

"Abordaremos assuntos que, às vezes, podem dar a impressão de criar divergências. Não acredito que seja o momento de criar divisões entre UE e EUA", frisou Juncker antes do encontro bilateral.

"Somos parceiros há tantas décadas no mundo, a estabilidade global depende fortemente das boas relações entre EUA e UE", acrescentou o dirigente europeu ao lado de Pence.

O político de Luxemburgo louvou o fato de o vice-presidente americano ter escolhido a Europa para realizar sua primeira viagem ao exterior e assegurou que os EUA "precisam de uma UE forte, unida em todos os assuntos possíveis".

Em particular, Juncker se referiu à defesa, uma área na qual o bloco quer "acelerar" seus "próprios esforços", incluindo não só gastos em defesa, mas também a ajuda humanitária e ao desenvolvimento.

O líder europeu também destacou que a importância das relações econômicas entre UE e EUA. "A economia americana é mais dependente das trocas comerciais com a UE do que alguns nos EUA possam pensar", afirmou Juncker.

O vice-presidente americano disse estar ansioso por uma discussão detalhada entre os dois lados "sobre o caminho a seguir".

Protesto contra Trump

Pence havia se encontrado antes com a chefe de política externa da UE, Federica Mogherini. Eles discutiram sobre a importância de uma associação transatlântica forte e "essencial para ambos", nas palavras de Mogherini.

Após a reunião, Pence afirmou querer "estudar formas para que possamos aprofundar nosso relacionamento".

Dezenas de pessoas protestaram contra Trump na manhã desta segunda-feira nos arredores das instituições da UE, com slogans contra a política do presidente americano em relação ao meio ambiente, migração e aos direitos das mulheres, entre outros.

Na noite de domingo, Pence já havia se reunido com primeiro-ministro belga, Charles Michel, em Bruxelas. O chefe de governo europeu deu uma mensagem clara ao representante americano."A fragmentação da União Europeia não é uma opção", disse Michel após a reunião, acrescentando acreditar que Pence entendeu a mensagem.

MD/afp/efe/ap

Leia mais